Processo Decisório do Usuário da Aviação Executiva

Processo Decisório do Usuário da Aviação Executiva

(Parte 1 de 5)

SALVADOR – BA 2013

2 BRUNO TEIXEIRA SILVEIRA

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Aeronáuticas com Habilitação em Piloto Comercial pela Faculdade de Tecnologia e Ciências.

Orientador: Professor Especialista João Dias Câncio Filho

SALVADOR – BA 2013

3 FOLHA DE APROVAÇÃO

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Aeronáuticas com Habilitação em Piloto Comercial pela Faculdade de Tecnologia e Ciências.

Professor Especialista João Dias Câncio Filho Orientador

Salvador, 28 de novembro de 2013

A primeira das grandes virtudes de um homem sem sombra de dúvidas é o Amor Filial. Ela que com muito amor e carinho dedicou a sua vida em prol de seus filhos, onde mesmo em tempos difíceis nunca nos deixou desamparados. “Vocês poderão subir a posições de grande influência na vida comercial, política ou profissional, mas não poderão jamais atingir as alturas das aspirações secretas de suas mães ao seu respeito. Vocês poderão cair no mais profundo abismo da infâmia e degradação, mas jamais abaixo do alcance do amor delas. Não existe nenhum homem tão totalmente vil, tão completamente baixo, que não guarde em seu coração um santuário sagrado, reservado a memória do amor de sua mãe.” (Frank Marshall, Cerimônia das Flores). Se existe alguém em que eu poderia dedicar tudo que possuo e ao que eu sou, esse alguém seria minha amada mãe. Nita Teixeira, a ti dedico mais uma vitória em nossas vidas, te amo!

“Raros são aqueles que decidem após madura reflexão; os outros andam ao sabor das ondas e longe de se conduzirem deixam-se levar pelos primeiros.”

Sêneca

A aviação executiva é uma ferramenta de trabalho para as médias e grandes empresas, governos, indústrias dentre outros ramos, os quais precisam se locomover com conforto, segurança e praticidade entre localidades distantes e que muitas vezes não são contempladas com o serviço da aviação regular, havendo ainda localidades que tem a aviação como único meio de acesso. O escopo deste estudo é analisar o perfil do comprador de uma aeronave executiva de asa fixa, definindo qual a melhor opção para cada perfil de usuário, bem como esclarecer os direitos e deveres que o mesmo estará sujeito a depender de sua escolha. Seja as opções de fretamento (sob demanda), quando se utiliza entre uma e 10 horas de voo mensais, a compra fracionada, quando se utiliza entre 1 e 30 horas mensais ou a compra individual, quando se utiliza acima de 30 horas de voo mensais. Quando a escolha for a compra individual, analisa-se ainda qual a aeronave se enquadrará melhor de acordo as necessidades do usuário. Este estudo limita-se à apenas três categorias de aeronaves executivas de asa fixa, os turbo hélices, os Very light Jets e os Light Jets. A escolha de qual aeronave adquirir exige uma análise criteriosa para que a decisão seja adequada e oportuna, evitando assim futuros prejuízos e arrependimentos decorrentes de uma má escolha. Embora haja uma fórmula matemática, exemplificado neste estudo, sabe-se que a mente humana age, na maioria das vezes, utilizando-se de estímulos emocionais levando as pessoas a tomarem decisões não racionais, dando preferencia às emoções. Analisa-se a técnica adotada pelas fabricantes para estimular essas emoções, influenciando os consumidores diretamente na sua decisão, chamada de neuromarketing, assim como outros fatores que acarretam uma decisão, direto ou indiretamente. Também são abordados neste estudo um levantamento atual e a evolução da aviação geral brasileira e sua infraestrutura, as novas regulamentações sobre as concessões de aeroportos públicos à iniciativa privada, bem como a exploração comercial de aeródromos privados sob autorização do governo federal para uso exclusivo da aviação geral.

Palavras-chave: Aviação executiva. Processo decisório. Neuromarketing. Turbo hélices. Very Light Jets. Light Jets. Fretamento. Compra fracionada. Compra

Individual.

Private aircrafts are major working tools for the medium and large companies, governments, and others that needs to travel with comfort, safely and with privacy around locations that are not being serviced by airlines, and even some locations where the only access is by plane. The best option for the private aviation consumer will be evaluated on this study, with the best decision making process based upon the consumers profile and interests. The options are: charter service (on demad), in which someone uses between 1 to 10 flying hours monthly, fractional ownership, in which someone uses between 1 to 30 flying hours monthly or the complete individual ownership, which is when someone uses an average of more than 30 hours per month. These three options require a strict analysis of the best consumer’s option, preventing future losses and regrets due to a bad decision making. On this study, there will only be analyzed three aircrafts categories, which are the turboprops, the Very Light Jets and the Light Jets, categories that are the most popular ones in the Brazilian private aviation scenario. Even though there is a mathematical formula, it is known that the human mind acts, in the majority of the times, using emotional stimulus, like the neuromarketing imposed by the aircraft manufactures, which will influence the consumers decision, as well other factors that will influence the decision making process. On this study, the actual situation of the Brazilians airports will be analyzed, as well as the recent regulations of the concessions of major airports to private administrations, and the recent decree that allows private airports, under government authorization, to explore and charge private airplanes to operate on their facilities.

Keywords: Private aviation. Decision making process. Neuromarketing. Turboprops. Very Light Jets. Light Jets. Charter. Fractional ownership. Individual ownership.

8 LISTA DE FIGURAS

Figura 01 Dimensões do King Air C90GTx.

Figura 02 Alcance do King Air C90GTx com 4 passageiros 1.192Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 03 Dimensões do King Air B250.

Figura 04 Alcance do King Air B250 com 4 passageiros de 1.184Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 05 Dimensões do King Air B350i.

Figura 06 Alcance do King Air B350i com 4 passageiros de 1.706Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 07 Dimensões do Pilatus PC-12 NG.

Figura 08 Alcance do Pilatus PC-12 NG com 3 passageiros de 1.573Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 09 Dimensões do Cessna Citation Mustang (C510).

Figura 10 Alcance do Citation Mustang, com MTOW 1,150nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 1 Dimensões do Embraer Phenom 100 (E50P).

Figura 12 Alcance do Phenom 100, com 4 passageiros 1,178Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 13 Dimensões do Learjet 70 (LJ70).

Figura 14 Alcance do Learjet 70, com 4 passageiros e 2 tripulantes, 2,060Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 15 Dimensões do Citation CJ4 (525C).

Figura 16 Alcance do CJ4, com MTOW, 1,930Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

Figura 17 Dimensões do Phenom 300 (E55P).

Figura 18 Alcance do E55P, com 6 passageiros, 1,971Nm (NBAA IFR reserves) a partir de Salvador, Bahia.

9 LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 01 Quantidade de voos da Aviação Geral entre 2010 a 2012 nos aeroportos concedidos.

Gráfico 02 Frota Brasileira da Aviação Geral de 2000 a 2012. Gráfico 03 Quem Compra Jatos Executivos no Mundo.

10 LISTA DE QUADROS

Quadro 01 Situação dos 20 Maiores Aeroportos Brasileiros Conforme Taxa de Ocupação em 2011.

Quadro 02 Obras obrigatórias após as concessões dos aeroportos do Galeão e Confins.

Quadro 03 Funcionamento do gatilho de investimentos.

Quadro 04 Composição da Frota Brasileira de Aviação Geral Por Tipo de Aeronave.

Quadro 05 Custos Fixos e Variáveis de Uma Aeronave Executiva.

Quadro 06 Comparativo Entre as Aeronaves Turbo Hélices. Quadro 07 Comparativo Entre as Aeronaves Very Light Jets. Quadro 08 Comparativo Entre as Aeronaves Light Jets. Quadro 09 Ponderação dos critérios segundo cada perfil. Quadro 10 Alternativas geradas para cada perfil de acordo sua necessidade. Quadro 1 Classificação das alternativas segundo cada critério. Quadro 12 Classificação das alternativas para o perfil 01 segundo cada critério. Quadro 13 Classificação das alternativas para o perfil 02 segundo cada critério. Quadro 14 Classificação das alternativas para o perfil 03 segundo cada critério. Quadro 15 Classificação das alternativas para o perfil 04 segundo cada critério. Quadro 16 Classificação das alternativas para o perfil 05 segundo cada critério.

1 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABAG Associação Brasileira de Aviação Geral ANAC Agência Nacional de Aviação Civil APPA Associação de Pilotos e Proprietário de Aeronaves BANT Base Aérea de Natal CAA Civil Aviation Authority CBA Código Brasileiro de Aeronáutica COMAER Comando da Aeronáutica FAA Federal Aviation Administration FAB Força Aérea Brasileira FBW Fly By Wire FMS Flight Management System GAMA General Aviation Manufactures Association GNSS Global Navigation Satellite System GPU Ground Power Unit IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IFR Instrument Flight Rules IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IQS Índice de Qualidade de Serviço KGS Unidade de massa Quilogramas LBS Unidade de massa libras LJ Light Jet MACRS Modified Accelerated Cost Recovery System MN Milhas Náuticas MTOW Maximum Takeoff Weight NBAA National Business Aviation Association

PAX Passageiros PIB Produto Interno Bruto PMD Peso Máximo de Decolagem PQS Plano de Qualidade de Serviço QTA Serviço de água potável QTU Serviço de limpeza de sanitários R&D Research and Development RBAC Regulamento Brasileiro de Aviação Civil RBHA Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica SAC-PR Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República SGSO Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional SPE Sociedade de Propósito Específico TCU Tribunal de Contas da União VLJ Very Light Jet

13 SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO16
2 AVIAÇÃO EXECUTIVA E INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA19
Aviação Executiva19
2.2 Infraestrutura e Mercado23
2.2.1 Situação Dos Aeroportos23
2.2.2 Concessões de Aeroportos Públicos25
2.2.3 Situação da Aviação Geral Brasileira28
2.2.4 Aeródromos Civis Públicos32
2.2.5 Agronegócio e a Aviação Executiva34
3 FRETAMENTO DE AERONAVES37
3.1 Legislação e Regulamentos37
4 COMPRA FRACIONADA DE AERONAVES EXECUTIVAS42
4.1 Legislação e Regulamentos43
5 AQUISIÇÃO INDIVIDUAL DE AERONAVE47
5.1 Legislação e Regulamentos48
5.2 Fabricantes50
5.2.1 Beechcraft51
5.2.2 Bombardier Business Jets52
5.2.3 Cessna Aircraft Company53
5.2.4 Embraer Executive Jets54
5.2.5 Pilatus Aircraft5
5.3 Turbo Hélices5
5.3.1 Beechcraft King Air56
5.3.1.1 King Air C90GTx56
5.3.1.3 King Air B350i60
5.3.2 Pilatus PC-12NG62
5.3.3 Comparativo64
5.4 Very Light Jets65
5.4.1 Cessna Citation Mustang (C510)6
5.4.2 Embraer Phenom 100 (E50P)67
5.4.3 Comparativo69
5.5 Light Jets70
5.5.1 Bombardier Learjet 70 (LJ70)70
5.5.2 Cessna Citation CJ4 (525C)72
5.5.3 Embraer Phenom 300 (E55P)73
5.5.4 Comparativo75
5.6 Anatomia de uma Decisão75
6 PROCESSO DECISÓRIO83
6.1 Relação de Consumo e Neurociência83
6.2 Fatores que Implicam a Tomada de Decisão8
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS91
REFERÊNCIAS93

15 1 INTRODUÇÃO

A aviação segundo o Código Brasileiro de Aeronáutica – CBA, Lei No 7.565 de 1986, é dividida em regular e não regular. A regular se trata das linhas aéreas para transporte de passageiros e a não regular para transporte privado, serviços aéreos especializados e táxi aéreo, também conhecida como aviação geral. O conceito de aviação executiva segundo a Associação Nacional de Aviação Executiva dos Estados Unidos, a National Business Aviation Association (NBAA, 2003), é um segmento da aviação geral constituído por indivíduos e empresas que utilizam as aeronaves como ferramentas na condução de seus negócios.

A aviação executiva vem ganhando mais espaço no mercado brasileiro devido a inúmeros problemas de infraestrutura do país. A precariedade do sistema rodoviário, a incipiente malha ferroviária, a ausência de companhias aéreas em cidades estratégicas, os atrasos devido a falta de estrutura para atender a população nos aeroportos atuais, exige que principalmente, os empresários busquem alternativas para se deslocarem com mais fluidez, otimizando o tempo e recursos das grandes empresas.

Dos 5,565 municípios brasileiros segundo o IBGE (2012), apenas 130 são atendidos por voos regulares de companhias aéreas (PUFF, 2013), deixando uma enorme quantidade de cidades a mercê de um serviço aéreo regular. Problemas com filas, atrasos e cancelamentos de voos, manutenção precária, ausência de conforto, serviço de bordo a cada dia pior, tudo isso eleva a necessidade da utilização do serviço da aviação executiva. Segundo Puff (2013), existem 4,105 pistas de pouso no país, dentre as quais 713 são pavimentadas, as demais são de terra, saibro, cascalho ou grama. Diante disto, a aviação executiva atua em um território muito mais vasto e abrangente do que a aviação comercial.

Executivos são altamente valorosos para as empresas na qual trabalham e o tempo perdido em terra e em contratempos de um voo comercial contabilizam um prejuízo muito oneroso, que pode ser reduzido utilizando a aviação executiva. O custo com o deslocamento feito em uma aeronave privada será recuperado com a agilidade, flexibilidade e menos tempo gasto no deslocamento, além de utilizar o tempo da viagem para realizarem reuniões en route e atividades ligadas à empresa. Um estudo feito pelo Jet Advisors (2012), empresa americana de consultoria em aviação executiva, mostra que em uma viagem entre Nova York e Chicago, utilizando aeroportos secundários, levando em consideração economia de tempo no deslocamento até o aeroporto, estacionamento e filas para inspeção e embarque, economiza-se em torno de 7.5 horas por viagem de ida e volta. Se a empresa fizer essa rota duas vezes por mês, em um ano economiza-se o equivalente a 2.5 dias úteis de trabalho e 24 pernoites em hotéis. Ou seja, praticamente um mês de economia por ano, isso levando em consideração as despesas e a importância de um alto executivo para uma grande corporação, o custo benefício é extremamente alto.

Quando uma empresa, uma organização governamental ou um indivíduo conclui que, utilizar o serviço da aviação executiva é a melhor escolha, o próximo passo a ser seguido pelo mesmo é fazer uma avaliação fundamentada a partir da pergunta, qual seria a melhor opção: fretar uma aeronave, a compra fracionada ou a compra individual total? Caso a opção seja a compra individual, qual a melhor aeronave para suprir as necessidades do perfil do usuário?

necessidade, resguardando-o juridicamente

A partir do supracitado, este estudo tem como objetivo geral analisar o perfil do comprador de uma aeronave executiva de asa fixa, definindo qual a melhor opção para cada perfil de usuário bem como a melhor aeronave para as necessidades do perfil do usuário, fazendo com que sua decisão seja mais adequada a sua

Tendo como objetivos específicos ampliar as opções de carreira de um bacharel em Ciências Aeronáuticas, estimulando sua atuação direta na gestão e planejamento estratégico das empresas do setor, ampliar a visão macro e micro econômica do profissional da aviação no mundo atual da aviação executiva, respaldando-o juridicamente nas leis e normas que regem as operações aéreas, entender melhor o sistema atual da infraestrutura aeroportuária brasileira, compreender e aplicar os conhecimentos operacionais dos equipamentos disponíveis no mercado, tornando o cenário mais atrativo, ético e profissional.

O estudo será focado apenas nas categorias de aeronaves denominadas de

Light Jets (LJ), com Peso Máximo de Decolagem (PMD), ou como denominado na inglêsa Maximum Takeoff Weight (MTOW), entre 10.000Lbs e 20.000Lbs, Very Light Jets (VLJ) com MTOW abaixo de 10.000Lbs e os versáteis turbo hélices que possuem a capacidade de operar em pistas curtas e irregulares. Categorias na quais são as mais utilizadas no mercado brasileiro de aviação executiva atual, segundo a Associação Brasileira de Aviação Geral - ABAG (2013).

Este trabalho se justifica e preza pela melhor compreensão do mercado de aeronaves privadas e da lógica do consumo, utilizando os mais distintos recursos para analisar a forma e a tomada de decisão, como o neuromarketing e as estratégias de decisão que acarreta a compra de um bem tão valioso e tão importante para a inclusão social e crescimento econômico do país.

(Parte 1 de 5)

Comentários