Avaliação de rendimento de cebola

Avaliação de rendimento de cebola

ESTUDO DO RENDIMENTO DAS VARIEDADES DE CEBOLA (Allium cepa L.) Texas Grano 502 e Red Creole NA ZONA EXPERIMENTAL DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO AGRONÓMICA DA CHIANGA

Pedro Capitango1

RESUMO

O objectivo desta pesquisa foi analisar o rendimento de duas variedades de cebola (Allium cepa L.) nas condições da Chianga, através de dois ensaios experimentais numa das parcelas do Instituto de Investigação Agronómica da Chianga, de Agosto de 2005 a Janeiro de 2006 e de Março a Setembro de 2006. O delineamento experimental foi de blocos completamente aleatórios, com duas repetições, sendo os tratamentos e dois tratamentos, constituídos das cultivares Red Creole e Texas Grano 502 com parcelas de 2,34 m2 de área útil. Os resultados obtidos mostram que o rendimento médio de bolbos variou de 41.55 t/há a 67.30 t/ha, destacando-se a variedade Texas grano 502 (67.30 t/ha). Observaram-se variações de 185,73 a 429,09 g/bolbo para o peso médio do bolbo e 5,96 a 9,17 cm para o diâmetro transversal do bolbo. Conclui-se que é possível obter bons rendimentos com estas variedades de cebola nas nossas condições.

Palavras Chaves: Allium cepa L, (cebola)Variedades, Rendimento.

Introdução

Em Angola e em particular na província do Huambo, o cultivo de cebola é muito praticado pela maioria dos camponeses em forma de horta familiar, não só para o consumo mas também como meio de obtenção de receitas.

A cebolaé muito importante sob o ponto de vista de volume de produção, consumo e valor económico a nível mundial. É considerada como uma das três hortaliças mais importantes ao lado do tomate e da batata (Almeida, 2006; Mendonça, 2007).

Em 2004, a cultura da cebola atingiu maiores produção a nível mundial, onde se destacou a China como maior produtor responsável por cerca de 32,70% da produção mundial com uma área de 850 600 há e o EUA como o pais com maior rendimento por área cultivada, com uma produtividade média de 54,41 t/há, (Resende e Costa, 2007).

A pouca informação e pesquisa relacionada a esta cultura a nível nacional. A ADRA (2007), relata para as variedades de cebola Texas Granos 502 e Red Creole mais utilizadas pelos camponeses na província do Huambo rendimentos de 2 a 3 t/há.

Gotos & Costa (1979), avaliando diversas variedades de cebolas concluíram ser a variedade Texas Grano 502 a mais produtiva em duas localidades testada com 80,0 t.ha-1 e 96,8 t.ha-1 respectivamente. Já Santos (1993), no Sul de Minas Gerais, avaliando as características de três variedades de cebola, obteve para a variedade Granex 33 o rendimento de 66,04 t.ha-1, para a variedade Texas Grano 502 um rendimento de 53,13 t.ha-1 e 46,48 t.ha-1 para a variedade Pira Ouro. De igual modo Resende et al. (2006), avaliando as características produtivas de variedades de cebola no Sul de Minas Gerais, identificou como a variedade de cebola mais produtiva através de um ensaio da EPAMIG em Lavras a Granex 33 (50,21 t.ha-1) e a Texas Grano 502 (44,36 t.ha-1).

O manejo adequado da cultura e o desenvolvimento de estratégias que possam facilitar aos camponeses antecipar a resposta produtiva é de fundamental importância para maximizar os rendimentos físicos da produção e melhorar a qualidade do produto final. Diminuindo assim as importações e melhorando a qualidade de vida das populações, (CRUZ, 1994).

O presente trabalho objetivou avaliar o rendimento de duas variedades de cebola, Texas Grano 502 e Red Creole nas condições da zona Experimental da Chianga na província do Huambo.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi instalado no período de Agosto/2005 a Janeiro/2006 para a primeira época e de Março a Setembro/2006 para segunda época, na zona experimental do Instituto de Investigação Agronómica da Chianga (IIA), situada a 12º 14' e 12º 16' de latitude Sul e pelos meridianos 15º 48' e 15º 52' de longitude Este de Greenwich e altitude de 1700 m. O clima da região é caracterizado por uma temperatura média anual variando de 5ºC a 8ºC no mês mais frio e 28ºC a 30ºC no mês mais quente; a precipitação média anual varia desde os 1100 mm aos 1400 mm e a humidade relativa do ar variando entre de 35% a 80% (Nogueira, 1970; Diniz, 2006).

O delineamento experimental foi de blocos completamente aleatórios com duas repetições e dois tratamentos, constituídos das cultivares Red Creole e Texas Grano 502. A unidade experimental constitui-se de parcelas que tinham uma área total de 6 m2 (3,0 m × 2,0 m), contendo seis (6) fileiras de plantas no espaçamento de 0,30 m × 0,20 m. Foram consideradas úteis as três (3) fileiras centrais, subtraídas de uma planta em cada extremidade, resultando em uma área útil de 2,34 m2 por parcela contendo 39 plantas o que totaliza aproximadamente 160.000 plantas/hectare.

Efectuou-se a adubação de fundo nos alfobres com o composto 12-24-12 numa dose de 200 g/m2. Para o local definitivo a adubação básica (fundo) constou de 600 kg/há da fórmula 12-24-12 e foram aplicados em cobertura apenas a ureia na quantidade de 200 kg/há, parceladas aos 20 e 40 dias após o transplante

A cultura foi mantida livre de plantas daninhas, através de capinas manuais e as irrigações foram superficial por sulcos, realizada numa média de 2 a 3 regas por semana até 22 dias antes da provável data da colheita.

Na primeira época a sementeira foi realizada em 04 de Agosto de 2005 e a transplantação das mudas feito 50 a 55 dias após, para as variedades Texas Grano 502 e Red Creole respectivamente. A colheita efectuadaquando as plantas apresentaram sinais avançados de senescência, como amarelecimento e seca das folhas e quando mais de 70% das plantas encontravam-se estaladas, em Dezembro de 2005 e Janeiro de 2006.

Para a segunda época a sementeira foi realizada em 15 de Março de 2006 e transplantada 60 dias após, 168 dias após a sementeira para a variedade Texas Grano 502 e 196 dias para a variedade Red Creole.

Depois da colheita, os bolbos foram submetidas a uma pré-cura a sol, por três (3) dias. Em seguida determinou-se o diâmetro do bolbo e o peso dos bolbos, após a pesagem dos bolbos os valores obtidos foram extrapolados para um hectare, estimando, assim, o rendimento (t.h-1).

A medição da altura das plantas foi realizada aos 102 dias de idade, com auxílio de uma fita métrica, sendo mensurada a distância do nível do solo até a extremidade da folha mais comprida. Foram medidas 16 plantas por parcela, o que corresponde a 1 m2 da área de cálculo.

Para a quantificação do número de folhas, foram contadas até aos 102 dias de idade os números de folhas totais, sendo contadas 16 plantas por parcela.

Determinou-se o diâmetro do falso caule com ajuda de um pé de ré, contando 16 plantas por parcela. Depois da colheita, os bolbos foram submetidas a uma pré-cura a sol, por três (3) dias. Em seguida determinou-se o diâmetro do bolbo e o peso dos bolbos após, a pesagem dos bolbos os valores obtidos foram extrapolados para um hectare, estimando, assim, o rendimento (t.h-1).

Foram utilizados diferentes materiais nomeadamente fichas de anotações, pé de ré (para medir o diâmetro do caule e do fruto), réguas (para medir a altura das plantas), fita métrica (para medir a área), Balança (para pesar os frutos), tesoura (para desfilhar ou chapotar), tubos (para rega) fios (para o alinhamento e compasso do campo), catanas enxadas e ancinhos (para limpar, lavrar, nivelar o terreno).

Para a análise estatística utilizou-se o programa Statistix 8 e foram feitos análises de variância e comparação das médias aplicando o teste de Tukey HSD, ao nível de 5% de probabilidade.

IV – RESULTADOS E DISCUSSÃO

A colheita foi realizada quando as plantas apresentaram sinais avançados de senescência, como amarelecimento e seca das folhas e quando mais de 70% das plantas encontravam-se estaladas, tal com, recomenda Almeida (2006). Verificou-se reduções lineares para as variáveis avaliadas na primeira época em relação a segunda devido as fortes chuvas que prevaleceram durante a primeira época, isto é, durante o período de engrossamento do bolbo até a maturação (Tabela 1 e 2).

Tabela 1. - Valores dos componentes de rendimento durante a primeira época (Diâmetro do bolbo, diâmetro do falso caule, número de folhas e altura da planta, peso do bolbo e rendimento).

Variedades D.T. Bolbo D. Falso N. de A.Planta Peso Rend.

(cm) caule (cm) folhas (cm) Bolbo(g) (t/há)

Texas Grano 502 5,96 b 1,49 b 13 b 59 b 186,25 a 29,88 a

Red Creole 7,34 a 1,84 a 14 a 66 a 185,73 a 30,73 a

CV (%) 8,34 18,28 9,12 11,87 15,70 60,44

* Os valores representam médias de duas repetições; médias seguidas pela mesma letra na coluna, não diferem entre si pelo teste de TUKEY ao nível de 5% de probabilidade.

Tabela 2. - Valores dos componentes de rendimento durante a segunda época (Diâmetro do bolbo, diâmetro do falso caule, número de folhas e altura da planta, peso do bolbo e rendimento).

Variedades D.T. Bolbo D. Falso N. de A.Planta Peso Rend.

(cm) caule (cm) folhas (cm) Bolbo(g) (t/há)

Texas Grano 502 9,17 a 1,77 a 16 a 65 b 429,09 a 67,30 a

Red Creole 7,83 a 1,94 a 16 a 69 a 234,77 b 41,55 a

CV (%) 9,65 23,72 12,26 19,97 19,97 4,87

* Os valores representam médias de duas repetições; médias seguidas pela mesma letra na coluna, não diferem entre si pelo teste de TUKEY ao nível de 5% de probabilidade.

Legenda: D.T.Bolbo = Diâmetro Transversal do Bolbo; D. Falso = Diâmetro do falso caule; N. de folhas = Número de folhas; A. Planta = Altura da planta; Rend. = Rendimento

Para o diâmetro do bolbo na primeira época, observou-se diferença significativa entre as variedades (Tabela 1), sendo que a variedade Red Creole sobressaiu com 7.34 cm, enquanto a variedade Texas Grano 502 apresentou o menor diâmetro (5.96 cm) e para a segunda época não houve diferença significativa para a característica diâmetro do bolbo (Tabela 2). Resultados similares foram obtidos por Resende et al. (2007), ensaios efectuados no Sul de Minas Gerais (Brasil), onde verificou-se variação 5,35 a 7,38 cm do diâmetro do bolbo, sendo para as variedades Texas Grano 502 e Chata Roxa respectivamente. Ainda Resende et al. (2005), estudando o rendimento e perda de peso de bolbos de cebola variedade Texas Grano 502, constatou que o diâmetro do bolbo variava de 4,0 a 8,0 cm. Estes resultados se enquadram perfeitamente dentro das faixas de diâmetro de bolbo obtidos no presente trabalho.

Na primeira época verificou-se diferenças significativas entre as duas variedades quanto ao diâmetro do falso caule. A variedade Red Creole com 1.84 cm foi superior a Texas Grano 502 (Tabela 1). Já na segunda época não houve diferença significativa para as duas variedades quanto ao diâmetro do falso caule (Tabela 2). Estes resultados concordam com Pérez & Llosas (1996), que chegaram a conclusão de que durante o primeiro ano de vida da planta de cebola de acordo com a variedade e a época de plantação o falso caule alcança um diâmetro de 1,5 a 2,0 cm. O que vem confirmar os resultados obtidos, visto que, houve diferenças significativas quanto ao diâmetro do falso caule durante as duas épocas, sendo os valores mais baixos obtidos na primeira época.

Pela análise de variância na primeira época, a variedade com maior número de folhas foi a Red Creole, com 14, sendo a Texas Grano 502 (13 folhas) e na segunda época não houve diferenças significativas quanto ao número de folhas (Tabela 1 e 2 respectivamente). Estes resultados coincidem com vários autores, avaliando diversas variedades de cebola, chegaram a conclusão de que uma planta de cebola crescendo em condições óptimas chega a formar de 15 – 16 folhas (Jones & Mann 1963; Butt 1968; Guenkov 1969).

Houve diferença significativa para a variável altura da planta, sendo que a variedade Red Creole sobressaiu-se com 66 cm enquanto a variedade Texas Grano 502 apresentou uma altura e 59 cm para a primeira época (Tabela 1), o mesmo aconteceu na segunda época a variedade Red Creole apresentou a maior altura (69 cm) em relação a Texas Grano 502 (Tabela 2). Resultados semelhantes foram obtidos por Huerres, citado por Pérez & Llosas (1996), em estudos realizados, donde se compararam a Yellow Granex Híbrida e Red Creole transplantadas em diferentes épocas, onde verificou-se para a variedade Yellow Granex Híbrida altura mínima de 30 cm e máxima de 92 cm e para a variedade Red Creole a altura mínima foi de 28 cm e a máxima de 82 cm.

Observa-se (Tabela 1) que não houve diferença estatística quanto ao rendimento para as variedades na primeira época. Já na segunda época, a variedade Texas Grano 502, com rendimento de 67.30 t.ha-1, destacou-se como a mais produtiva em relação a variedade Red Creole (Tabela 2). Resultados muito distantes da nossa realidade (2 a 3 t.ha-1) segundo dados obtidas a partir da ADRA Angolana (2007).

Os resultados obtidos nas duas épocas, concordam pelos resultados obtido por Goto & Costa (1979), avaliando diversas variedades de cebolas concluíram ser a variedade Texas Grano 502 a mais produtiva em duas localidades testada com 80,0 t.ha-1 e 96,8 t.ha-1 respectivamente. Já Santos (1993), no Sul de Minas Gerais, avaliando as características de três variedades de cebola, obteve para a variedade Granex 33 o rendimento de 66,04 t.ha-1, para a variedade Texas Grano 502 um rendimento de 53,13 t.ha-1 e 46,48 t.ha-1 para a variedade Pira Ouro. De igual modo Resende et al. (2006), avaliando as características produtivas de variedades de cebola no Sul de Minas Gerais, identificou como a variedade de cebola mais produtiva através de um ensaio da EPAMIG em Lavras a Granex 33 (50,21 t.ha-1) e a Texas Grano 502 (44,36 t.ha-1). Resultados diferentes foram obtidos por Lopez e Llosas (1996), encontrando rendimentos para a variedade Red Creole que flutuam entre 13 a 15 t.ha-1.

Com relação ao peso médio dos bolbos, observou-se também efeito significativo da interacção entre as épocas de plantação. Desdobrando a interacção época variedade, observou-se baixo peso do bolbo na primeira época e não houve diferenças significativas entre as duas variedades sendo 186.25 g e 185.73 g para as variedades Texas Grano 502 e Red Creole respectivamente. Já na segunda época observou-se o maior peso e observou-se diferenças significativas entre as duas variedades, sendo para a variedade Texas Grano 502, com 429.09 g, e a variedade Red Creole 234.77 g.

Estes resultados concordam com Rodrigues (2005), que afirma para a variedade Texas Grano 502 um peso médio do bolbo de 400 g, e para a variedade Red Creole um peso médio de 280g. De igual modo concorda com a empresa de sementes Vegetable seed 2003, que encontraram o peso variável de 200 a 300g na variedade Texas Granos 502 e 180 a 233 g para a variedade Red Creole; não concorda com Perez e Llosas (1996), encontrando o peso variável de 80 a 120 g na variedade Red Creole.

Independentemente dos resultados obtidos, mesmo não atingindo o potencial das variedades estudadas os resultados obtidos foram satisfatório de acordo com os objectivos propostos.

CONCLUSÕES

O acompanhamento das duas variedades durante as épocas testadas, possibilitou obter bons resultados (mesmo não atingido a produtividade real da cultura), para todos parâmetros avaliados. Há sinais claros de que mostram serem variedades que podem atingir alto rendimento nas nossas condições actuais se observamos o requerimento técnico das mesmas.

A época de cultivo é um dos parâmetros muito importante a ter em conta no cultivo do tomate.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADRA ANGOLANA. 2007. A Horticultura Nalgumas Regiões da Província do Huambo "I formações obtidas à Senhora Maria de La-Salette da ADRA ANGOLANAAntena Huambo.

ALMEIDA, DOMINGOS. 2006. Manual de culturas hortícolas volume I,I ª edição, Lisboa p. 26 a 47

APARTADOS del 1. al 6. El cultivo de la cebolla. Disponível em <http://canales.hoy .es/canalagro/datos/hortalizas/cebolla.htm> Acesso em:12 de Fevereiro de 2007.

BÔAS, LITVIN VILLAS GENI. Manejo Integrado de Pragas. Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/pragas.htm > Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

BOITEUX, SILVA LEORNADO; MELO CÉSAR TAVARES PAULO. Taxonomia da cebola. disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/index.htm> Acesso em: 05 Dezembro 2006.

BUTT, A. M. 1968, Vegetative growth. Morphogenesis and carbohidrate contente of the ion plant as a function of light and temperature under field and controlled conditions. Editorial H.vee Man Za e O. V. Wageninge.

CHAVES, MUSIALO WSKI ALEX. A Cultura da Cebola. Disponível em <http://www.conab.gov.br/conabweb/download/cas/especiais/Cebola_14_08_2006.pdf> Acesso em: 12 de Fevereiro de 2007.

CHEMELLO, EMILIANO. As cebolas. Disponível em <http://www.ciadaescola.com.br/zoom/area.asp?area=1&edicao=20>. Acesso em: 05 de Janeiro de 2007.

COOPERATIVA AGRÍCOLA DE COTIA-COOPERATIVA CENTRAL, 1987. Manual de cultivo das principais Hortaliças .Brasil.P.33-35.

COSTAL, DUARTE NIVALDO. Importância económica e melhoramento genético da cebola no Nordeste do Brasil. Disponível em <http://www.cpatsa.embrapa.br/catalogo/livrorg/cebola.pdf > Acesso em: 07 de Fevereiro de 2007.

DINIZ, A. CASTANHEIRA. 1991. Angola – O meio físico e potencialidades agrárias. Instituto para a Cooperação Económica, Lisboa.

DINIZ, A. CASTANHEIRA, 2005. Características Mesológicas de Angola.2 ª Edição, Lisboa p.349 -352.

DOMINGOS, C. FILIPE, 1995. Alguns aspectos da horticultura angolana. Comunicação ao Curso Internacional de Hortaliças. Brasília.

FAO. Agricultural production and primary crops. Disponível em <http://www.fao.org> Acesso em:10 Janeiro 2007.

FAO. Agricultural production, primary crops. Disponível em <http://www.fao.org> Acesso em: 26 janeiro.2005.

GALMARINI, C.R., 1997. Caracteristicas botanicas y fisiologicas in, Manual del cultivo de la cebolla. Ed. San Juan; INTA, p. 128.

GATTONI, A. LUIS; LANDAU, E. CARLOS, 1956. Semilleros o Almacigos de cebollas. Panamá p. 3 - 11

GOTO, R.; COSTA, J. A. 1969.Comportamento de cultivares de cebola sob irrigação, no município de Irecê-A .Salvador.EPABA.1979.p.14.(EPABA. Comunicado téc ico,43).

GUENKOV, G. 1969. Fundamentos de horticultura cubana. Edición Revolucionaria.La Habana.

INFOAGRO. COM-Portal líder e agricultura. Cebolla, Cebollas, Cebolla temprana, Cebolla tardia. Disponível em <http://botany.cs.tamu.edu/ > Acesso em: 12 de Fevereiro de 2007.

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO AGRONÓMICA (IIA), 2005. Programa de Investigação, Quinquénio (2004-2009).

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO AGRONÓMICA (IIA) 2005 da Chianga. Secção de Meteorologia, Observações Meteorológicas. Huambo.

JONES, A. J. & MANN J. K. 1963. Onions and their Allies. Ed. I terscience. Publisher, inc. New York.

MAROUELLI, APARECIDO WALDIR, 1994. Manejo da irrigação em hortaliças . Embrapa-.p.5 -13 e 47.

MAROUELLI, APARECIDO WALDIR. Irrigação da cebola. Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/irrigacao.htm> Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

MENDONÇA, L. JOSÉ. Cultivar de cebola de verão. Disponível em <http://www.sna.agr.br/artigos/artitec-cebola.htm> Acesso em: 07 de Fevereiro de 2007.

MORATÓ, GARCIA MIGUEL, 2003. Plagas, enfermidades y fisiopatías del cultivo de la cebola, En la Comunidad Valenciana. Sèrie Divulgació Tècnica. Valencia.

MORETTI, LUIZ CELSO. Colheita e Manuseio Pós-Colheita. Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/colheita_e_pos.htm > Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

MURAYAMA, SHIZUTO. 1992. Horticultura, Instituto Campineiro de Ensino Agrícola NOGUEIRA, MANUEL DIAS, 1970. A carta de solos do centro de estudos da Chianga. IIAA, Série Cientifica n º-14.p 2 a 7 e 40 a 41.

OLIVEIRA, R. VALTER; MENDONÇA, L. JOSÉ; SANTOS, A. FERNANDES CARLOS. Exigências climática da cebola. Disponível em: <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/climal.htm> Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

PAULA, D. PATRÍCIA; RIBEIRO, R. L. D.; GUEDES, R. ESCRIVANI. Época de Plantio e Desempenho de Cultivares de Cebola sob Manejo Orgânico no Estado do Rio de Janeiro. Comunicado Técnico. Disponível em <http://www.cnpab.embrapa.br/publicacoes/download/cot060.pdf> Acesso em: 19 de Fevereiro de 2007.

PEREIRA, WELINGTON. Manejo e Control de Plantas Daninhas. Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/plantas_daninhas.htm> Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

PÉREZ, HERRES CONSUELO E LLOSAS CARABALLO NELIA., 1996. Horticultura. Cuba p. 140 a 185.

PESSANHA, VAZ TABORDA MARTIM, 1973. A cultura da cebola. Divulgação Agro- Pecuária N º 13.

PONCIN, SÉRGIO, 1982. Manual de Horticultura. Lisboa p.340 – 341.

RESENDER M. GERALDO; CHAGAS, S. J. R.; PEREIRA, L. V. Características produtivas de cultivares de cebola no Sul de Minas Gerais. Horticultura Brasileira, Brasília (2003) Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/hb/v21n4/19447.pdf > Acesso em: 12 de Março de 2007.

RESENDER, M. GERALDO; COSTA, N. DUARTE; ALVARENGA, M. REZENDE. Rendimento e perda de peso de bolbos de cebola variedade Texas Grano 502 PRR em diferentes espaçamentos de plantio. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/hb/v21n4/19447.pdf > Acesso em: 10 de Outubro de 2006.

RESENDE, M. GERALDO; COSTA, DUARTE NILVADO. Produtividade e massa fresca de bulbos de cebola sob densidades de plantio no Vale do São Francisco. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-0536200600020002 2&lng=pt&rm=&tlng=pt >. Acesso em: 19 de Fevereiro de 2007.

RODRIGUEZ, JOSÉ MARIN, 2005. Vademecum de Variedades Hortícolas .Espanha p.63.

ROGERS, MARC., 2005. Uso de sementes em Horticultura e Jardinagem. Produção, Recolha, Armazenamento e Aplicação. Brasil.

RUSSEL, RAYMOND, 1964. Produccion de cebollas. Publicaciones técnicas. Guatemala

SANTOS, JUNIOR A. M. 1993. Avaliação de híbridos experimentais de cebola (Allium cepa L.) pelo método de mudas. Lavras: ESAL, 53 p.

SERAFIM, DOUTEL E SERAFIM,CAROLINA DOUTEL, 1972. Doenças das plantas em Angola p.4 a 5.

SOCIEDADE RURAL BRASILEIRA. Agricultura. Disponível em <http://www.ies.co.jp/math/products/trig/applets/cosbox/cosbox.html >. Acesso em: 12 de Janeiro de 2007.

SOUZA, BARTOLOMEU RONESSA; RESENDE, VILELA FRANCISCO; MADEIRA, RODRIGO NUNO. Nutrição e adubação da cebola. Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/nutricao_e_adubacao.htm>. Acesso em: 05 de Dezembro de 2006.

SOUZA, B. RONESSA; RESENDE, V. FRANCISCO; MADEIRA, R. NUNO. Preparação do solo para a cultura da cebola Disponível em <http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/preparo_do_solo.htm> Acesso em: 05 de Dezembro de 2006

TREVISAN, J. N.; MARTINS, G. A. K.; LOPES, S. J.; GARCIA, D. C. 1999. Rendimento e conservabilidade pós-colheita de genótipos de cebola cultivados em solo de várzea. Ciência Rural, Santa Maria,v.20,n.3,p.409-413.

VEGETABLE SEED CATALOGUE, 2003. Perfomance Tested Seed. Pretoria, Republic of South Africa p.14 a 15.

WIKIPÉDIA, A ENCICLOPEDIA LIVRE. História da cebola. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/cebola#Hist.C3.B3ria - da - cebola>. Acesso em: 20 de Fevereiro de 2007

1 Engenheiro Agrónomo. Docente Universitário. Email: capitango.isced.hbo@hotmail.com; pedrocapitango@yahoo.com.br.

Comentários