Resumos Invertebrados - Parte II

Resumos Invertebrados - Parte II

Parte I

Evolução dos Invertebrados e apresentação aos Poríferos

Bom Nigga’s neste capitulo os slides da Dona Chicharo estão bem mais explicativos e menos abstratos , entretanto o que eu tentei fazer foi uma complementação à base de dados externos e exemplificação dos conceitos. O importante desta parte é que ela vai servir de base para a identificação e interpretação dos conceitos estruturais dos invertebrados, a dica é: Entendam o inicio da cadeia evolutiva e o que vier pela frente será apenas um aditivo em cada filo, tomem atenção nas nomenclaturas e depois tudo fica mais fácil.

Processos Evolutivos

Entende-se por processos evolutivos todos os passos dados pelos seres vivos para se adaptar as novas pressões impostas pelo meio-ambiente ao qual os organismos estão inseridos. Dentre estas adaptações a mais notável delas é relacionada às alterações estruturais que ocorreram nos indivíduos.

Os protistas como vimos na parte 1 mantiveram sua estrutura original ao nível de organização unicelular, ocorreram apenas algumas especializações nos seus organelos que foram geradas a partir de muitos mutações ao longo de sua evolução. As alterações embora fossem poucas foram determinantes no desenvolvimento de novas técnicas de alimentação , transporte interno, reprodução e locomoção, mas fora isso não se destacaram outras mudanças significativas em outros aspectos menos importantes.

Evolução dos protistas para Metazoários:

O importante é lembrar que na parte I havia duas subdivisões do reino animal os Protozoa e os Metazoa. O que diferencia as duas vertentes é algo bem simples , que no caso é o numero de células que formam o organismo.

Os Protozoa são em sua totatlidade organismos unicelulares (formados por uma única célula – daãããããã derps), e os Metazoa são seres pluricelulares (ou multicelulares , se preferirem) , porem todos os seres pluricelulares evoluíram a partir de seres unicelulares e este é o ponto inicial para entender a evolução dos animais que conhecemos hoje.

ambientes diferentes no decorrer da evolução

Foram criadas várias maneiras de representação para tentar explicar graficamente a evolução, como já vimos em Tópicos em Biologia Marinha (aquela merda da arvore da vida, filogenia e afins) , mas a mais compreensível é tentarmos imaginar a evolução como uma Escada; Sim , uma estúpida Escada, na qual cada degrau significa um passo evolutivo conquistado pelos seres vivos de determinado grupo… PORÉM a ideia de uma escada é errada (Sim, as coisas mais fáceis de compreender são geralmente as mais erradas) , a ideia da Arvore da Vida é mais aceita porque nos processos evolutivos houveram ramificações a partir de um ancestral comum (que geralmente é a raiz da puta da arvore) , e nestas ramificações houveram processos nos quais os organismos diferenciaram-se continuamente até chegar ao ponto atual. Esta parte é importante por causa de um conceito básico inicial que indica que os seres além de ter um ancestral comum conseguiram conquistar Filosófico não é? Então passamos adiante.

Organização dos Metazoários – Cladogramas

Os cladogramas não são nada mais nada menos que diagrama usado em cladística que mostra as relações (filogenéticas ou genealógicas) entre táxons terminais, seja em nível de espécie ou grupos supra-específicos, formando grupos monofiléticos evidenciados porsinapomorfias, indicando uma história em comum, não necessariamente uma ancestralidade direta. Apesar de terem sido tradicionalmente obtidas principalmente por caracteres morfológicos, as sequências de DNA e RNA e a filogenética computacional são agora normalmente usados para gerar cladogramas.

Ou seja são isso:

Bom, depois deste bla-bla-bla todo (que eu sei que não vai cair em exame nenhum) vamos a parte que realmente interessa:

Invertebrados sem simetria bilateral: ESPONJAS E CNIDARIOS

Nigga’s isso é assim , esta parte é bué importante porque? Porque entram os conceitos chatos que NECESSITAMOS MESMO de saber. Pra inicio, o que caralho é simetria bilateral?

Simetria Bilateral: Quando existe um único plano que divide o ser vivo em duas partes iguais. Ex.: Homem.

E Simetria Radial?

Simetria Radial: Quando o ser vivo apresenta vários planos longitudinais que passam pelo centro do corpo o dividem em partes iguais. Ex.: Alforreca.

E ainda podem existir seres ASSIMETRICOS , no qual o nome já diz tudo: São organismos sem simetria definida.

No ponto de vista da biologia a simetria dos animais foi um dos fatores determinantes na organização e catalogação dos mesmos, quando falamos de Poriferos e Cnidários estamos a falar de animais com simetria radial, ou seja , podiamos corta-los como cortamos uma pizza e eles teriam proporções quase iguais em tamanho. Depois temos de ter outros conceitos em questão para podermos identificar os animais de forma mais exata Nigga’s, e é aí que entram outros nomesitos estranhos. Dividirmos os seres em Diblasticos ou Triblásticos.

O que são seres Diblásticos?

Diploblástico ou diblástico é a designação dada ao embrião que é formado apenas por duas camadas embrionárias, uma camada mais exterior, a ectoderme, e uma camada mais interior, a endoderme. Os cnidários (anêmonas, águas-vivas) são os únicos animais diblásticos. As esponjas não apresentam folhetos embrionários.

Resumindo são os seres que apresentam apenas DUAS (DIblásticos) camadas embionárias. (Endoderme – que é a camada que se encontra voltada para dentro do organism , e Ectoderme – que é a camada que está na parte de fora do seu corpo.)

Exemplo:

E os seres Triblásticos o que são? Triblásticos são animais que possuem três tipos de tecidos: ectoderme, mesoderme e endoderme.

Resumindo: Neste caso existe ainda um outra camada entre a Ectoderme e a Endoderme que se chama Mesoderme (Meso: Meio , Dermes: “pele”)

Ex:

Ficou claro? Se sim, ótimo. Se não ficou claro acende a luz e leia de novo.

Aaaaaah, já ia me esquecendo. Há também uma parte very fucking boring para se aprender que é a da diferenciação entre os Protostomia e os Deuterostomia. Nos slides da Dona Chicharo há uma quadro muito pouco explicativo da diferença entre os dois, portanto eu (Mike) resolvi por simplesmente o que interessa, que é a diferença entre os dois.

O que são os Protostómios?

Protostomia (do grego Protos, primeiro + stoma, boca) é um clado de animais com simetria bilateral e três camadas germinativas. O nome do grupo deriva do fato que no desenvolvimento embrionário a boca é formada antes do ânus. Na língua portuguesa, o termo protostómios (português europeu) ou protostômios (português brasileiro) é utilizado para denominar o grupo.

E o que são Deuterostómios?

Deuterostomia (do grego deuteros, posterior + stoma, boca), aportuguesado para deuterostômios (português brasileiro) ou deuterostómios (português europeu), é um grupo de animais ligados por diversos aspectos embrionários peculiares, como a forma de clivagem, a forma de suas larvas, o desenvolvimento do celoma e pelas aberturas embrionárias que irão originar a boca e ânus.

Fonte: (Wikipédia – nosso amigo de todas as horas).

E EU RESPONDO: - NÃO SEI(PAUSA DE 5 SEGUNDO) AINDA.

Bom mas em todo caso, deixando as bricadeiras de lado isso vai nos servir para fazer a diferenciação entre INVERTEBRADOS e VERTEBRADOS quando falamos de formação embrionária.

Bom minha princezas e princezos agora é hora de fazer uma correlação simples sobre a diferença dos vertebrados e invertebrados , que afinal será importante.

1º: Podiamos simplesmente dividir entre moluscos e não moluscos , PORÉM os artropodos entram na história e confundem tudo pois eles são duros quando adultos mas em suas fases larvais são moles , que fofinho :3

2º Poderiamos também dividir entre artropodos e não artropodos , já que 85% dos animais são artopodos, MAAAAS há diferenciações e divergencias dentro dos artropodos que impedem fazer desta hipotese uma hipótese valida.

E assim por diante… (Há muitos exemplos nos powerpoints da setora. Acho inuteis)

Agora vamos ao que interessa? -SIIIIIIM <3

Como caralho apareceram os organismos multicelulares? OMG, OMG OMG. Isso é fácil!

Primeiramente supõe-se que foram observadas várias alterações no comportamento e morfologia dos unicelulares, a começar pelo aumento das suas dimensões, e logo em seguida pela formação de aglomerados de células que formaram inicialmente um colônia cujo as funções não eram estritamente definidas, mas que com o passar do tempo evoluíram e tornaram-se mutualmente funcionais… e é ai meus queridos que entramos (finalmente) nos poríferos, nos parentes distantes do Bob Esponja Calça Quadrada.

Parazoa ; o lugar dos Poriferos.

Nigga’s este é o mais fácil de compreender. É simplesmente o menos complexo e quase não tem complicações.

Possui apenas dois filos, Placozoa e Porifera. Os parazoas são assimétricos e as formas adultas sésseis. O desenvolvimento larvar termina, na maioria das vezes em blastula, não passa pelo gastrula, apenas nas mais evoluídas. Neste reino há uma interessante abordagem sobre um ancestral hipotético que teria sido formado pela união de células flageladas que posteriormente evoluíram formando os coanócitos que estão presentes nas atuais esponjas. Falando em esponjas:

Poríferos:

Os poríferos, também conhecidos como espongiários ou simplesmente esponjas, surgiram provavelmente há cerca de 1 bilhão de anos. Supõe-se que eles sejam originados de seres unicelulares e heterótrofos que se agrupam em colônias. Esses animais não possuem tecidos bem definidos e não apresentam órgãos e nem sistemas. São exclusivamente aquáticos, predominantemente marinhos, mas existem algumas espécies que vivem em água doce.

Os poríferos vivem fixos a rochas ou a estruturas submersas, como conchas, onde podem formar colônias de coloração variadas. Podem ses encontrados desde as regiões mais rasas das praias até profundidades de aproximadamente 6 mil metros. Alimentam-se de restos orgânicos ou de microorganismos que capturam filtrando a água que penetra em seu corpo, como veremos adiante. Por sua vez, servem de alimento para algumas espécies de animais, como certos moluscos, ouriços-do-mar, estrelas-do-mar, peixes e tartarugas.

Olha como elas são lindas:3 Organização do corpo dos poríferos

O corpo de um porífero possui células que apresentam uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são organizadas de tal maneira que formam pequenos orifícios, denominados poros, em todo o corpo do animal. É por isso que esses seres recebem o nome de poríferos (do latim porus: 'poro'; ferre: 'portador').

Observe no esquema abaixo que a água penetra no corpo do animal através dos vários poros existentes em seu corpo. Ela alcança então uma cavidade central denominada átrio. Observe também que a parede do corpo é revestida externamente por células achatadas que formam a epiderme. Já internamente, a parede do corpo é revestida por células denominadas coanócitos.

Exemplo:

Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. A essa água estão misturados restos orgânicos e microorganismos, que são capturados e digeridos pelos coanócitos. O material digerido é então distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no interior de células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular.

Os poríferos são animais filtradores, já que filtram a água que penetra em seu corpo, retirando dela alimento e gás oxigênio. Depois disso, a água com resíduos do metabolismo desses animais é eliminada para o ambiente por meio de uma abertura denominada ósculo.

O esqueleto das esponjas é formado por diversos tipos de substâncias. Entre elas destacam-se as espícolas de calcário ou de sílica, com formas variadas, e uma rede de proteína chamada espongina.

A reprodução dos poríferos

A reprodução dos poríferos pode ser assexuada ou sexuada.

Assexuada - Ocorre, por exemplo, por brotamento. Neste caso, formam-se brotos, que podem se separar do corpo do animal e dar origem a novas esponjas. O esquema abaixo mostra como funciona esta palhaçada:

Sexuada. Neste caso, quando os espermatozóides (gametas masculinos) estão maduros, eles saem pelo ósculo, junto com a corrente de água, e penetram em outra esponja, onde um deles fecunda um óvulo (gameta feminino). Após a fecundação, que é interna, forma-se uma célula ovo ou zigoto, que se desenvolve e forma uma larva. A larva sai do corpo da esponja, nada com a ajuda de cílios e se fixa, por exemplo, numa rocha, onde se desenvolve até originar uma nova esponja.

Locomoção dos Poríferos: Eles são sésseis mano. Não andam pra lado nenhum, a não ser no estágio larval que ocorre na reprodução quando sexuada.

FIM (Dos poríferos, agora vamos aos cnidários)

Comentários