Resumos - Invertebrados - Parte IV

Resumos - Invertebrados - Parte IV

(Parte 1 de 2)

Parte IV Anelidios: Vermes Acelomados e Vermes Celomados

YAY Niggas , estamos quase chegando ao fim dos nossos resumos. / risos falsos/

Como já devem adivinhar é mentira. Pronto, então agora falando sério. (Respira)

Bom, eu resolvi pegar as duas partes referentes aos anelídios e juntá-las numa só , já que nos slides estão divididos em Vermes Celomados e Não Celomados, para não se tornar cansativo ou extenso demaaaaais vamos fazer assim:

Pegar os conceitos de cada um individualmente Comparar os dois

Encontrar as diferenças relevantes

Exemplificar os dois tipos.

Roger?

Então vamos lá.

Vermes Acelomados não Segmentados (sem Celoma e sem Segmentos)

Primeiramente como eu tinha dito vamos definir os vermes acelomados não segmentados.

O que são os vermes?

R= Animal invertebrado de corpo mole e alongado, normalmente de pele lisa e úmida. Existem diversos filos que atendem pelo nome de "verme".

E o que é o Celoma? R= É uma cavidade formada entre as camadas mesodérmicas nos animais triblásticos. Opa opa opa… Viram a palavra que apareceu ali no fim? TRIBLÁSTICOS!

Aqui começa a Saga: Lembra-se do que são seres diblásticos ? Bom então qui entram a sua evolução, o estágio final. Todos os seres que estudarmos daqui para frente serão triblásticos ,ou seja, são animais que possuem três tipos de tecidos embrionários: ectoderme, mesoderme e endoderme.

Tipo, cada camada alberga diferentes orgãos e sistemas, como por exemplo (de for a para dentro) :

Na ectoderme estão Cerebro e sistema nervoso Na Mesoderme encontram-se os órgãos reprodutivos, o sangue e a pele. Na Endoderme estão os sistemas digestório e Respiratório e as estruturas musculares.

No caso dos vermes niggas existem os Acelomados (sem celoma) , os Pseudocelomados e os Celomados, todos eles obedecendo uma ordem evolutiva interessantíssima (só que não).

Os vermes Acelomados Estão divididos em dois subgrupos: Os Platelmintos , que como o nome já sujere são Plati= Chatos , Helmintos= Vermes, são vermes achatados.

E os Nermetinea composto por animais que tem um corpo semelhante ao dos vermes cilindricos, porém, um corpo mais comprido, alongado e espresso.

Platelmintos

Agora é aquela hora de fazer um resumão sobre cada um, só para ninguém ficar no vácuo. Começamos pelos Platelmintos.

Os platelmintos, que compreendem em torno de 15 mil espécies, vivem principalmente em ambientes aquáticos, como oceanos, rios e lagos; são encontrados também em ambientes terrestres úmidos. Alguns têm vida livre, outros parasitam animais diversos, especialmente vertebrados.

Medindo desde alguns milímetros até metros de comprimento, os platelmintos possuem tubo digestório incompleto, ou seja, têm apenas uma abertura - a boca-, por onde ingerem alimentos e eliminam as fezes; portanto, não possuem ânus. Alguns nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária, absorvendo, através da pele, o alimento previamente digerido pelo organismo hospedeiro.

Entre os muitos exemplos de platelmintos vamos estudar as planárias, as tênias e os esquistossomos.

Vamos exemplificar aqui apenas os mais conhecidos e os que geralmente caem nos exames , testes e mini-testes surpresa (que fodem o pessoal todo) que são as Planárias (aquelas criaturas que nos desenhos parecem umas pilas) e as Ténias (que habitam os intestinos daqueles meus amigos que ao contrário de mim comem, comem e não engordam ) . Sobre os esquistossomos acho interessante apenas que saibam que eles são causadores de uma doença chamada Esquistossomose e são parasitas.

As planárias

Medindo cerca de 1,5 cm de comprimento, esses platelmintos podem ser encontrados em córregos, lagos e lugares úmidos. Locomovem-se com ajuda de cílios e alimentamse de moluscos, de outros vermes e de cadáveres de animais (que nodja!! )maiores, entre outros exemplos.

Na região anterior do corpo da planária localizam-se a cabeça e os órgãos dos sentidos: ocelos, estruturas capazes de detectar contrastes entre claro e escuro, mas que não formam imagens; órgãos auriculares, expansões laterais da cabeça capazes de perceber sensações gustatórias e olfatórias, auxiliando o animal na localização do alimento.

O corpo é achatado dorsiventralmente e possui a boca localizada na região ventral do corpo. O intestino da planária é bastante ramificado e atua digerindo os alimentos e distribuindo para as demais partes do corpo.

A planária adulta é hermafrodita, isto é, apresenta tanto o sistema genital feminino quanto masculino. Quando duas planárias estão sexualmente maduras e se encontram, elas podem copular.

Após a troca de espermatozóides através dos poros genitais, os animais se separam e os ovos são eliminados para o meio externo. No interior de cada ovo, encerrado em cápsulas, desenvolve-se um embrião, que se transforma em uma jovem planária.

As planárias tem grande poder de regeneração. Cortando-se o animal em alguns pedaços, cada um deles pode dar origem a uma planária inteira. Observe o esquema a baixo.

As Ténias Tênia ou solitária é o nome comum dado aos vermes platelmintos das ordensPseudophilidae e Ciclophylidae, que pertencem à classe Cestoda, que inclui vermes parasitas de diversos animais vertebrados, inclusive do homem. A Taenia solium e a Taenia saginata são as mais conhecidas por parasitarem o intestino delgado do homem. Os seus hospedeiros intermediários são o porco, no caso da Taenia solium, o boi no caso da Taenia saginata e os peixes no caso do Diphyllobothrium latum. Além de ser o hospedeiro definitivo, quando tem o lúmen do intestino parasitado, (de forma quase sempre benigna) causando a doença Teníase, o homem também pode se tornar hospedeiro intermediário, sendo acometido por uma doença mais grave, a Cisticercose, somente determinada pela Taenia solium.

As tênias são platelmintos que têm reprodução sexuada. São hermafroditas, isto é, possuem os dois sexos presentes no mesmo indivíduo. Não há fêmeas ou machos, e cada proglótide colabora com óvulos e com espermatozóides, ocorrendo então a fecundação no interior de cada proglótide. Ocorre um fenômeno interessante em cada proglótide: o aparelho reprodutor masculino se forma antes do feminino. Após a fecundação o aparelho masculino involui, desaparecendo por completo, deixando todo o espaço no interior do proglótide para a formação e maturação dos ovos. Este fenômeno é chamado de protandria.

É Só isso e já chega sobre platelmintos, passemos a frente. NEEEEEEEEEXTTT >>>>

Nematelmintos

Os nematelmintos (do grego nematos: 'filamento', e helmin: 'vermes') são vermes de corpo cilíndrico, afilado nas extremidades. Muitas espécies são de vida livre e vivem em ambiente aquático outerrestre; outras são parasitas de plantas e de animais, inclusive o ser humano. Há mais de 10 mil espécies desse tipo de vermes catalogadas, mas cálculos feitos indicam a existência de muitas outras espécies, ainda desconhecidas.

Ao contrário dos platelmintos, os nematelmintos possuem tubo digestório completo, com boca e ânus. Geralmente têm sexos separados, e as diferenças entre o macho e a fêmea podem ser bem nítidas, como no caso dos principais parasitas humanos. De modo geral o macho é menor do que a fêmea da mesma idade e sua extremidade posterior possui forma de gancho. Esses animais são envolvidos por uma fina e delicada película protetora, que é bem lisa e resistente.

Nos slides acho que ficou bem explicado este contexto , mas como supostamente isso aqui é um “resumo” não vou passar tudo de lá para cá, até porque não faria sentido né? Enfim, Agora podemos dar um passo adiante,

Vamos aos Pseudocelomados. Porque chamam de Pseudocelomados?

Pelo nome tooodo mundo (até mesmo o mais totó dos totós) sabem que são falso=pseudo celomados. Mas o que é um pseudocelomados gente?

Por isso mesmo fui pesquisar uma maneira mais simples de entender isso. Tipo é mais ou menos assim. Há animais triblásticos em que a mesoderma delimita uma parte da cavidade, sendo a outra parte delimitada pela endoderma. Esses animais são chamados de pseudocelomados, pois o celoma só é verdadeiro quando é completamente revestido pelo mesoderma. Olhem lá as fotos, comparem e entendam:

Celomado: Os animais que apresentam celoma são chamados celomados. Exemplo: Nós

Pseudocelomado: Este é o caso das Lombrigas (ascaris Lumbricoides)

Acelomado: Não há mesmo Celoma. Planária. Já não voltarei a explicar isso.

Agora vamos aos asquelmintos .

Aschelminthes /Asquelmintos

Nome comum de um grupo heterogêneo de animais com forma de verme e que apresentam uma cavidade cheia de líquido às vezes utilizada como esqueleto. Esta cavidade recebe o nome de pseudoceloma, pois não possui revestimento epitelial.

Atualmente, considera-se que os asquelmintos apresentam uma série de características próprias que faz com que haja a necessidade de considerar cada animal deste grupo pertencente a um filo independente. Entretanto, muitos autores aceitam a ideia de incluí-los num superfilo denominado Asquelmintos.

Principais características:

- Corpo com formato longo e cilíndrico - Presença de simetria dos dois lados.

- Não possuem cefalização.

- Possuem três tipos de tecidos (triblastia): ectoderme, Mesoderme e endoderme.

- O sistema digestório é completo, composto por boca, intestino, reto e ânus.

- Não possuem sistema cardiovascular nem respiratório.

Filos de asquelmintos mais conhecidos:

- Acanthocephala - vermes parasitas com a cabeça espinhosa. Existem pouco mais de 1000 espécies catalogadas.

- Chaetognatha - asquelmintos pequenos que vivem no mar.

- Gastrotricha - cerca de 400 espécies catalogadas, sendo todas microscópicas. - Nematoda - também conhecidos como lombrigas.

- Nematomorpha - também conhecidos como vermes sem fim.

- Rotifera - os rotíferos são microscópicos e vivem em água doce.

GRAÇAS A DEUS só precisamos estudar 2 destes filos, os Nematodas e os Rotiferos. Os Nematodas estão bem mais explicados nos slides dela , portanto os Rotifera vou passar uma revisada aqui pode ser? Então vamos?

Rotifera

Os rotíferos (Rotifera) são um curioso grupo de animais que poucas pessoas que não estudaram biologia conhecem. São pequeninos (incluem de facto as espécies de animais mais pequenas), vivem na água… não se cruzam directamente com a nossa vida diária, razão suficiente para podermos ignorar estes bichos chatos sem problemas! Mas ignoremos o ignorar (!) por momentos, e prestemos-lhes um bocadinho mais de atenção…

Os rotíferos são animais de tamanho pequeno mas com uma morfologia muito variada – a principal característica deste grupo, e que lhe dá o nome, é a coroa de cílios na cabeça, que quando está em movimento dá a impressão de estar em rotação. São frequentes sobretudo em habitats dulciaquícolas, embora existam também várias espécies marinhas, terrestres (em solo húmido e musgo – um dia, no laboratório de desenvolvimento vegetal na FCUP, descobri um rotífero ao ver raízes de Arabidopsis thaliana ao microscópio!), endoparasitas ou em simbiose com outras formas de vida.

Anatomicamente, o seu corpo está dividido em três partes: cabeça, tronco e cauda. Na cabeça localiza-se a coroa de cílios acima referida, cuja principal função é gerar uma corrente que empurra partículas na direcção da boca, podendo ser utilizada também para locomoção. A boca está ligada a uma faringe mandibulada, chamada mastax(os biólogos inventam nomes fantásticos!), que é usada para triturar os alimentos que entram no tubo digestivo. A maioria dos restantes órgãos localiza-se no tronco, e a cauda, que permite ao rotífero agarrar-se ao substrato (e por isso está ausente em formas natatórias, e modificado em formas que estão permanentemente agarradas).

A forma mais comum de alimentação é a descrita acima, usando o movimento dos cílios da coroa para gerar uma corrente que leva partículas em suspensão na água para o interior do mastax, que as desfaz. No entanto podemos encontrar muitos mais métodos de subsistência nestes animais, muitos dos quais bizarros! Se não vejamos: alguns são predadores, utilizando um mastax que se projecta para fora da boca para capturar as presas (animais ou vegetais, que depois são desfeitas ou sugadas pelo mastax); noutros os cílios da coroa estão transformados em espinhos numa armadilha em forma de funil; outros são parasitas dentro de protistas coloniais como Volvox.

<< Se os rotíferos fossem do nosso tamanho seriam assim, então agora juntem as manitas e agradeçam a Mãe natureza por eles serem do tamanhito que são.

Locomoção:

Os rotíferos movem-se por rastejamento, pelo batimento ciliar da corona ou saltando pela água usando apêndices especializados, pois a grande maioria habita o fundo da água ou vive em vegetação submersa

Reprodução:

Entre os rotíferos, os bdelóideos possuem o ciclo de vida mais simples. As fêmeas são diplóides produzem apenas um tipo de ovo, enquanto os machos são ausentes e a reprodução é assexuada, por partenogênese,as fêmeas produzem ovos diplóides por mitose e os ovos eclodem com mais fêmeas diplóides, já nos rotíferos monogonontes, o ciclo de vida é mais complexo, pois a reprodução pode ser bissexual ou por partenogênese, e vários tipos de ovos podem ser produzidos.

No ciclo partenogenético ou amictico, uma fêmea amictica diplóide produz um ovo de casca fina, que pode ser fertilizado e consequentemente se desenvolve em fêmea idêntica a mãe, esse ovo é denominado ovo amictico, de rápida eclosão de 12 a 24 horas

Aqui tem um vídeo de um rotífero com seu filhotinho :3 http://www.youtube.com/watch?v=XVxsTYuEyy8

Estes foram os ACELOMADOS, agora vamos para os Celomados, que são bem simples e rápidos.

Vermes Celomados

Sooooo Niggas , aqui as coisas são bem menos complicadas , porque? Porque os celomados têm montes de características em comum, são bem mais conhecidos e pelo motivo mais obvio: Desde o 7º ano estudamos sobre eles.

Nos slides da Chicharo há detalhes interessantes que não irei por aqui porque pelo que vi nas aulas eles serviram apenas para representar graficamente e com desenhitos aquilo que vou escrever aqui.

Anelídeos

O solo é uma parte da biosfera geralmente repleta de vida. Muitos dos seres vivos que habitam o interior do solo não são visíveis a olho nú, mas há outros que podem ser vistos com facilidade. Um exemplo é a minhoca. Ela vive em solo úmido, como é, geralmente, o solo fértil que serve como canteiro (de horta ou jardim).

A minhoca pertence ao filo dos anelídeos - nome que inclui vermes com o corpo segmentado, dividido em anéis. Os anelídeos compreendem cerca de 15 mil espécies, com representantes que vivem no solo úmido, na água doce e na água salgada. Podem ser parasitas ou de vida livre.

Características gerais dos anelídeos

Além da minhoca, existem várias espécies de anelídeos. Podemos citar animais pequenos - como a sanguessuga, que pode medir apenas alguns milímetros de comprimento - e também animais de grande porte - como o minhocuçu, que atinge dois metros.

O habitat dos anelídeos pode ser a água dos mares e oceanos ou a água doce e a terra úmida. Eles são considerados os mais complexos dos vermes. Além do tubo digestório completo, têm um Sistema circulatório fechado, isto é, têm boca e ânus e também apresentam um sistema circulatório em que o sangue só circula dentro dos vasos.

(Parte 1 de 2)

Comentários