Teoria de Piaget

Teoria de Piaget

A mente da criança costumava ser descrita como similar à do adulto. Segundo uma antiga visão as crianças apenas sabem menos; as novas experiências vão agregando as novas informações.

  • A mente da criança costumava ser descrita como similar à do adulto. Segundo uma antiga visão as crianças apenas sabem menos; as novas experiências vão agregando as novas informações.

  • Piaget adotou a perspectiva CONSTRUTIVISTA – as pessoas precisam usar a cabeça para compreender suas experiências.

  • Piaget alegava que para entender o pensamento, os cientistas precisam descobrir o que as pessoas tiram de suas experiências e o que elas acrescentam – suas CONSTRUÇÕES.

  • Conforme as crianças crescem Piaget observou que suas capacidades de interpretar ou construir a realidade progridem por estágios até que suas capacidade mentais assemelhem-se às dos adultos.

Piaget partiu da ideia de que os bebês humanos, como os outros animais, nascem com a necessidade e a capacidade de se adaptar ao meio ambiente.

  • Piaget partiu da ideia de que os bebês humanos, como os outros animais, nascem com a necessidade e a capacidade de se adaptar ao meio ambiente.

  • A adaptação ocorre naturalmente à medida que os organismos interagem com o ambiente. Este processo expande automaticamente as capacidades mentais.

    • A adaptação é composta de dois subprocessos: assimilação e acomodação

Aqui lidamos com nossas experiências categorizando-as em termos conhecidos.

  • Aqui lidamos com nossas experiências categorizando-as em termos conhecidos.

  • Usamos os conceitos e as estratégias existentes

    • Ex: um bebê que toma sua primeira xícara de leite está assimilando; uma resposta básica que é apropriada para mamar é usada para enfrentar uma situação relacionada.
    • Ex: A filha de Piaget aos 21 meses viu uma concha e disse: “xícara”. Após dizer isto ela pegou a concha e fingiu está tomando leite. (1951, p.124)
  • Sempre que as pessoas confrontam situações que não podem ser adequadamente categorizadas em termos conhecidos, elas precisam se acomodar a elas.

Criação de novas estratégias ou sua modificação ou a combinação de antigas para lidar com algum desafio.

  • Criação de novas estratégias ou sua modificação ou a combinação de antigas para lidar com algum desafio.

    • Ex: bebês que levam a xícara à boca acabam acomodando e aprendendo a beber nelas.

Os bebês entendem suas experiências pela visão, tato, paladar, olfato e manipulação. Usam os sistemas sensorial e motor

  • Os bebês entendem suas experiências pela visão, tato, paladar, olfato e manipulação. Usam os sistemas sensorial e motor

  • Algumas capacidades cognitivas fundamentais se desenvolvem neste período porém a maior parte do pensamento é restrito a ações.

  • Aprendem que os dados de todos os sentidos podem ser coordenados e integrados para dar mais informação sobre um mesmo objeto

  • Aprendem a direcionar o comportamento para metas específicas

  • Gradativamente os bebês desenvolvem uma noção de permanência do objeto. Entendem que as pessoas e objetos continuam a existir ainda que não estejam sendo percebidos. ex.: esconde-esconde

  • Capacidade de descobrir novos usos para velhos objetos. Ex: jogar urso

  • Capacidade de imitar respostas novas e complexas com bastante precisão, mesmo quando o modelo está ausente. Ex: ver um acesso de mau humor repetindo-o vários dias depois. A criança armazena um quadro mental do ato, sugerindo o início de formação de representações simples de eventos.

Ainda guiam-se pelas percepções da realidade mas, já conseguem resolver problemas manipulando objetos concretos, tem dificuldades de lidar com versões abstratas dos mesmos problemas. Ex: indica a maior de 3 caixas porém se você disser que A é maior que B e se B é maior que C e pergunta-la quem é a maior, ela ficará confusa (versão abstrata do problema).

  • Ainda guiam-se pelas percepções da realidade mas, já conseguem resolver problemas manipulando objetos concretos, tem dificuldades de lidar com versões abstratas dos mesmos problemas. Ex: indica a maior de 3 caixas porém se você disser que A é maior que B e se B é maior que C e pergunta-la quem é a maior, ela ficará confusa (versão abstrata do problema).

  • Capacidade de pensar sobre o ambiente pela manipulação dos símbolos (incluindo as palavras) que o representam:

    • As crianças adquirem a linguagem
    • Elas começam a formular conceitos simples. Ex: fido, tico são cachorros
    • Começam a representar brincando. Ex: varinha vira espada, vassoura vira cavalo, boneca vira bebê
    • Elas desenham figuras que representam a realidade. Ex: cartões de diferente cor, forma e tamanho. Ficam confusas entre duas ou mais classes de objetos
    • Começam a entender o difícil conceito de classificação, só conseguem lidar com uma dimensão por vez. Ex: 18 vacas e 7 porcos. Há mais vacas ou mais animais?
  • Tendem a enxergar o mundo com base nas próprias perspectivas. Acham difícil pôr-se no lugar de outras pessoas ou entender que existem outros pontos de vista. (EGOCENTRISMO), nesta fase fazem monólogos ...

As crianças desenvolvem a capacidade de usar a lógica e param de se guiar predominantemente pelas informações sensoriais simples para entender a natureza das coisas. Adquirem a habilidade de realizar operações mentais silenciosas (operações concretas)

  • As crianças desenvolvem a capacidade de usar a lógica e param de se guiar predominantemente pelas informações sensoriais simples para entender a natureza das coisas. Adquirem a habilidade de realizar operações mentais silenciosas (operações concretas)

  • Como dependem nesta fase do raciocínio para resolver problemas, seus recursos de categorização e classificação de objetos se expandem

  • Insight primordial: a aparência difere da realidade uma é temporária e a outra é permanente. Ex: 3 provetas

  • Neste estágio a criança dominou a ideia de que as dimensões sensoriais, como tamanho e formato, podem mudar sem alterar propriedades mais básicas como a quantidade.

  • Embora as crianças neste estágio lidem logicamente com objetos e baseiem-se no raciocínio, elas não são ainda plenamente capazes de lidar com idéias abstratas. Não conseguem criticar a lógica de outra pessoa. Resolvem problemas por tentativa e erro em vez de usar uma estratégia eficiente e sistemática. Ex: Avaliar prós e contras de n soluções para escolher a melhor delas

Desenvolve a capacidade de entender a lógica abstrata

  • Desenvolve a capacidade de entender a lógica abstrata

  • Não estão mais limitados ao aqui e agora, são capazes de ponderar o possível

  • Avaliam hipóteses que, na realidade, podem ser impossíveis

  • Eles desempenham o papel de advogado do diabo, apoiando uma posição contrária a realidade.

  • Antecipam, planejam, analisam, entendem metáforas, constroem teorias

  • Os jovens deste estágio mantém várias coisas na mente ao mesmo tempo

  • Criam diversas alternativas quando solicitados a resolver um problema

  • Verificam mentalmente o mérito das soluções

  • Neste estágio mental final, as pessoas avaliam questões amplas, tentando entender a vida, a própria identidade, as realidades sociais, as religiões, justiça, significado, responsabilidade e outros elementos afins.

  • Ficam incomodados com as contradições

  • Verifica-se aqui a introspecção, o pensamento sobre o próprio eu

  • No fim deste estágio os jovens tem o mesmo aparelho mental que os adultos.

Comentários