UMA NOVA PROPOSTA PARA O ENSINO DAS FORÇAS INTERMOLECULARES NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA O ENSINO DAS FORÇAS INTERMOLECULARES NO ENSINO MÉDIO

(Parte 1 de 4)

Rio Branco 2008

Trabalho de Conclusão de Curso em Química Para a obtenção do título de graduado em Química Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Biológicas e da Natureza Curso de Licenciatura Plena em Química

Orientador: Luís Carlos de Morais

Rio Branco 2008

Ficha catalográfica preparada pela Biblioteca Central da Universidade Federal do Acre

SANTOS, Alcides Loureiro. Uma nova proposta para o ensino das forças intermoleculares no ensino médio. 2008. 101f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química - Licenciatura) – Centro de Ciências Biológicas e da Natureza, Universidade Federal do Acre, Rio Branco- Acre, 2008.

Orientador: Prof. Dr. Luís Carlos de Morais

1. Forças intermoleculares, 2. Ensino médio, I. Título CDU 542:37.02

À minha querida e amada esposa

Jamile, que, com paciência e amor, me suportou e me ajudou nos momentos mais difíceis desta vitória.

Agradeço ao meu orientador, Luís

Carlos, pela confiança depositada em mim e, além disso, pela disposição em me ajudar sempre que o procurei.

Agradeço à professora Elisângela e ao professor Elessandro que, além de disponibilizarem suas turmas, foram atenciosos e acreditaram no sucesso deste trabalho.

Este trabalho tem como foco principal a concretização das orientações e tendências interdisciplinares e do movimento de CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade), visando efetivar melhorias no processo de ensino-aprendizagem, no que se refere ao tema de forças intermoleculares, abordado no ensino médio em química. Isto é, revisar conceitos básicos em química, desenvolver contextualizações e aplicar experimentos que possam contribuir para um melhor entendimento teórico-prático sobre o tema. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica nos livros didáticos que são usados no ensino médio de química. Além disso, foram também analisados os Referenciais Curriculares de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias do Estado do Acre e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Essas análises visavam a obtenção de informações sobre como o tema de forças intermoleculares vinha sendo abordado no ensino médio. Este trabalho foi realizado na Escola Profª Berta Vieira de Andrade e no Colégio de Aplicação, ambos são estabelecimentos de ensino público de Rio Branco, o primeiro estadual e o segundo federal. Em seguida, foram aplicados questionários de sondagem aos alunos. Estes serviram como pontos norteadores para realização do trabalho proposto. Após essa etapa, foram elaboradas e ministradas aulas teóricas e experimentais sobre o assunto de forças intermoleculares, com posterior aplicação de questionários. A avaliação dos questionários de sondagem mostrou que mais de 90% dos alunos consideram a química importante na sua formação como cidadão. A maioria também apontou para a necessidade de realização de mais atividades experimentais durantes as aulas. Porém, foi possível notar que grande parte dos alunos apresenta dificuldades de compreender os significados e as relações do tema com o cotidiano. Contudo, após a execução da prática de ensino que foi proposta, verificou-se que os alunos ficaram mais interessados e aumentaram seu conhecimento sobre esse assunto. A avaliação dos questionários aplicados após as aulas teóricas e experimentais mostraram que a prática de ensino foi considerada positiva. Além disso, quase todos os alunos questionados consideraram que essa metodologia de ensino deve ser adotada nas escolas de ensino médio. Um recurso didático que chamou a atenção dos alunos foi o uso do programa ChemSketch/ACD Labs 1.0 free, onde foram visualizadas, através da projeção em data-show, estruturas moleculares tridimensionais. Isso melhorou o grau de abstração dos alunos com relação às estruturas químicas, deixando a aula mais interativa e dinâmica. Os resultados obtidos, na forma de questionários, apontaram que a metodologia aplicada trouxe melhorias no processo de ensino-aprendizagem referente ao tópico de forças intermoleculares, bem como despertou o interesse e a participação dos alunos pelo conhecimento químico de um modo geral.

This work intend to concretize the orientations, interdisciplinary tendencies and movement of STS (Science, Technology and Society), trying to develop a better relation between teach and learn intermolecular forces, which is taught in high school in classes of chemistry. It was necessary to review the basic concepts in chemistry and contextualization, latter, experiments were applied to contribue with a better understanding of the empirical-theoretical relation of the topic. In this work a review about intermolecular forces was done in books used to teach chemistry in high schools. Also, a careful reading of the Brazilian Curricular Referential for Natural Sciences, Mathematic, Technologies was done. The objective of this study was to evaluate the materials that are being used to teach this topic in chemistry in the Acre State in different high schools. This work was performed in two high schools: Escola Profª Berta Vieira de Andrade and Colégio de Aplicação, both are public establishments in Rio Branco, State of Acre. Questionnaires were applied to make an idea of the students understanding on topic and the importance of chemistry in their routine day. After the application of a previous questionnaire, both theory and experimental classes on intermolecular forces were applied and, finalized with the use of new questions. The first evaluation shows that 90% of the students consider the chemistry very important in their scholar formation and also, contributes to make them more conscientious citizens. The students showed that is necessary to increase the number of experimental classes. It was possible to verify that the students have difficulties to understand the meaning and the relations of the topic with their routine day. However, after the experimental classes, it was possible to verify that there was an increasing in the number of students interested in the topic and that they allowed a better learning. The final questionnaire showed that the purposes applied were positive. And, almost all students pointed that both theory and experimental practice must be applied together and in all the high schools. The interest in the topic was increased when the software ChemSketch/ACD Labs 1.0 of free public domain was used. Using a data show it was possible to project the structures of molecules allowing them rotating and bending in the space, which provided a more interactive and dynamic class. In general, the set of actions, theory and experimental practices contributed very much to the increase in the participation of the students during the classes on the topic intermolecular forces, helping them to assimilate better chemical concepts.

INTRODUÇÃO……………………………………………………………………… 09
1.1 Gerais……………………………………………………………………… 21
1.2 Específicos……………………………………………………… 21
2 ANÁLISE DA ATUAL PROPOSTA DE ENSINO……………….……… 2
3 ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS DE SONDAGEM ……………………………26
4 METODOLOGIA APLICADA NAS AULAS…………………………… 50
5 ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS APÓS AS AULAS .…………57
6 COMENTÁRIOS DOS PROFESSORES…………………………… 71
CONCLUSÃO…………………………… 75
OBRAS CONSULTADAS…………………………… 78

O conhecimento científico e as formas de obtenção de informações têm sofrido mudanças profundas e constantes nas últimas décadas. Tais transformações vêm modificando o atual sistema educacional e ocasionando o surgimento de novas perspectivas e estratégias no que se refere aos procedimentos didáticos e pedagógicos que formam todo o processo de ensino-aprendizagem. Essa situação metamórfica tem sua gênese em vários fatores e conjunturas dentro do campo pedagógico, entretanto, foram as contemporâneas configurações no mundo do trabalho, na sofisticação dos meios de comunicação e na vida social que, mais significativamente, moldaram esse cenário. Nesse sentido é relevante destacar:

Vivemos num tempo de profundas transformações científicas e tecnológicas nos mais diversos setores da atividade humana, o que vem acarretando implicações diretas no modo de vida das pessoas, bem como nos âmbitos de formação, particularmente o sistema escolar. Isso requer processos de ensino e aprendizagem com novas propostas curriculares, contextualizadas, interdisciplinares, que possam inserir a população neste patamar de transição [...] (GEHLEN e AUTH, 2005).

Nesse contexto surge uma nova concepção do que é educação de qualidade e, conseqüentemente, os conceitos e funções do conhecimento científico, da escola, da docência e do alunado vêm sendo reformulados e adequados às novas exigências do mercado de trabalho, dos organismos internacionais e da sociedade de um modo geral. Entre as principais tendências pedagógicas que vêm sendo adotadas no sistema educacional, está o movimento de Ciência, Tecnologia e Sociedade. Sobre isso, Schnetzler (2002) comenta:

Nesses termos, desde o final da década de 70, tem sido defendida a inclusão das relações CTS - Ciência, Tecnologia e Sociedade - nos cursos de ciências. A origem desse movimento pode ser explicada pelas conseqüências decorrentes do impacto da ciência e da tecnologia na sociedade moderna e, portanto, na vida das pessoas, colocando a necessidade de os alunos adquirirem conhecimentos científicos que os levem a participar como cidadãos na sociedade, de forma ativa e crítica, pela tomada de decisões. Isso significa que os conteúdos de ensino não podem se restringir à lógica interna das disciplinas científicas, valorizando exclusivamente o conhecimento de teorias e fatos científicos, mas sim, reelaborando-os e relacionando-os com temas sociais relevantes.

A função docente passa a ser vista sob outra visão diferente. O professor deixa de ser considerado o detentor do conhecimento de sua disciplina, passando a exercer o papel de organizador do trabalho pedagógico e mediador/orientador do processo de ensino-aprendizagem, exigindo da área docente uma participação mais efetiva, um maior interesse profissional e a compreensão da importância social da escola. Ou seja, o papel do docente consiste em intermediar os significados, porque é ele quem traça os objetivos pelos quais os estudantes vão apresentar suas compreensões, seja dos conteúdos, dos conceitos, de uma situação em estudo, ou de um tema. Desta forma, há sempre uma intenção, uma finalidade nas atividades realizadas no contexto escolar.

Porém, a reformulação da função docente ainda não se tornou realidade em grande parte das escolas do Brasil. Isso, em parte, se deve a má formação de professores nos cursos superiores. Um importante ponto a ser considerado, explicitado ainda por Schnetzler (2002), referente ao papel do professor é:

Mesmo com relação ao conhecimento ou domínio do conteúdo a ser ensinado, a literatura revela que tal necessidade docente vai além do que habitualmente é contemplado nos cursos de formação inicial, implicando conhecimentos profissionais relacionados à história e filosofia das ciências, a orientações metodológicas empregadas na construção de conhecimento científico, as relações entre Ciência, Tecnologia e Sociedade, e perspectivas do desenvolvimento científico.

O conceito de ser docente, por sua vez, não pode agora se restringir em aquele que ensina, todavia, deve ser ampliado no intuito de educar (formar) cidadãos críticos e ativos em uma sociedade. Essa idéia é bem expressada da seguinte maneira:

[...] e o professor se torna o responsável por criar zonas de desenvolvimento proximal, ou seja, proporciona condições e situações para que o aluno transforme e desenvolva em sua mente um processo cognitivo mais significativo (CABRERA e SALVI, 2005).

Como a idéia do que é ser aluno ou do que é ser professor tem sofrido alterações, conseqüentemente, as funções da escola também passam a ser concebidas de maneira diferente. Nesse aspecto, ela deve cumprir seu papel de tal forma a estabelecer uma intrínseca relação entre trabalho, ciência e cultura; sem, por sua vez, ser descaracterizada pela sociedade perdendo seu sentido e função educadora.

É dentro desse contexto que surgem reformulações na política educacional brasileira, baseadas principalmente na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/1996) e nos novos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). De uma maneira bem geral e simplista, podemos afirmar que esses documentos convergem para um mesmo fim, o de efetuar de maneira consolidada e eficiente a transição completa entre o modo tradicional do processo de ensino-aprendizagem, para a atual tendência de formação cidadã do aluno, abrangendo os aspectos de multi e interdisciplinaridade, além do tripé do CTS. Fica estabelecido, por exemplo, que o ensino médio incorpora a característica de terminalidade, significando a oportunidade que todos os cidadãos devem ter de consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no ensino fundamental; aprimorando o educando como pessoa humana, além de possibilitar o prosseguimento dos estudos e garantir a preparação básica para o trabalho e a cidadania. Dessa forma, o ensino médio deixaria de atender simplesmente às demandas do mercado de trabalho, sob a visão do eficientismo profissional exigidos, por sua vez, pelos Organismos Internacionais, como o Banco Mundial. Contudo, é importante relevar que atualmente no país, mais especificamente no Acre, essa é uma situação que preocupa tanto os Organismos Internacionais como as novas tendências educacionais. Pois, como afirma os Referenciais Curriculares do Estado do Acre (2005):

O que temos hoje é uma escola que não corresponde às necessidades sociais nem às do mercado de trabalho, em razão do seu caráter elitista e excludente, cabendo ao aluno apenas o papel de receptor de grande quantidade de informações.

Esse mesmo documento do referente ao ensino médio no Acre critica de maneira explicita a atual maneira em que o processo de ensino-aprendizagem vem sendo conduzido, a saber:

O conhecimento é apresentado aos alunos como construção alienígena, sem vinculação com o mundo dos homens e os problemas do cotidiano, não tem serventia para o cidadão comum. Ocorre que, ao apresentarmos a ciência desvinculada de sua aplicabilidade, no fundo se está sendo anticientífico, uma vez que, o que convencionamos chamar de conhecimento científico nada mais é do que a sistematização do resultado da ação transformadora do homem sobre a natureza, para garantir a reprodução da vida.

Essa abordagem da situação da educação no Estado parece ser dramática, porém, é de fato evidenciada pela sociedade e vivenciada por todos os sujeitos que estão diretamente envolvidos no ambiente escolar. Essa realidade vem produzindo pessoas despreparadas para o mercado e alienados dos aspectos sociais. Porém, o que se espera dos jovens, em sua formação, é que tenham um aprendizado que os ajude a desenvolver a curiosidade sobre a os aspectos naturais, econômicos, políticos e sociais, contribuindo assim para que eles se tornem cidadãos participantes, desenvolvendo possibilidades para tecer questionamentos acerca de questões cotidianas, fazendo investigações e previsões e propondo soluções ou alternativas para algumas das diversas situações que tiverem de enfrentar. Nessa formação cidadã, a escola precisa oferecer as ferramentas necessárias para as novas descobertas, para que este cidadão seja capaz de navegar por tantas informações, mas que também sejam capazes de selecioná-las, correlacioná-las e avaliá-las. E, por isso, o ensino não pode ser pensado de forma fragmentada, porque nem os alunos, nem o mundo no qual estão inseridos se apresentam desta forma.

(Parte 1 de 4)

Comentários