Eficiência do Sistema de Tratamento de Águas Residuais do Hospital Provincial de Chimoio

Eficiência do Sistema de Tratamento de Águas Residuais do Hospital Provincial de...

(Parte 1 de 2)

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Joel Jorge Manuel Malope joelmalope7@gmail.com

Resumo

O objectivo do trabalho foi avaliar a eficiência do sistema de tratamento das águas residuais do Hospital Provincial de Chimoio (HPC), através das análises físico-químicas e microbiológicas das águas, com apoio na Resolução CONAMA 357/2005 classe 2. Durante o mês de Agosto de 2014 fez-se a colecta das amostras de água a montante, após a decantação e a jusante da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do HPC, as quais foram levadas ao Laboratório SwissLab - Maputo, onde foram realizadas as análises das amostras da água. Os resultados mostraram que a ETAR não está apresentando eficiência nalgumas amostras levando em consideração a legislação vigente. Os valores de Demanda Bioquímica de Oxigénio, Demanda Química de Oxigénio, Fósforo Total apresentaram valores fora da Resolução CONAMA 357/2005 classe 2. Os valores de Escherichia Coli, Coliformes Totais e Oxigénio Dissolvido apresentaram oscilações desde a montante até a jusante. Apenas os parâmetros Potencial Hidrogeniónico (pH), Sólidos Totais Dissolvidos e Nitrogénio Total, que estiveram dentro do limite da legislação. Palavra chave: Águas Residuais Hospitalares, Indicadores da Qualidade de Água, Padrões de Lançamento segundo CONAMA 357/05

Abstract

The objective of this work was to evaluate the efficiency of the system for the treatment of waste waters of the Provincial Hospital of Chimoio (HPC), by means of physical-chemical and microbiological analysis of waters, with support in the CONAMA Resolution 357/2005 class 2. During the month of August 2014 became the collection of samples of water the amount, after decanting and downstream of the Waste Water Treatment Station) of HPC, which were brought to the Laboratory SwissLab - Maputo where were performed the analyses of samples of water. The results showed that the treatment plant is not presenting efficiency in some samples taking into consideration the existing legislation. The values of Biochemical Demand for Oxygen, Chemical Oxygen Demand, Total phosphorus presented values outside of the CONAMA Resolution 357/2005 class 2. The values of Escherichia coli, total coliforms and Dissolved Oxygen presented oscillations since the amount up to downstream. Only the parameters Hydrogeny Potential (pH), total dissolved solids and total nitrogen, which were within the limit of the legislation. Key word: Hospital Wastewater, indicators of the quality of water, patterns of launching the second CONAMA 357/05

Introdução

A água é um bem natural de grande importância para os seres humanos, pois apresenta diversas funções em nosso organismo tais como a regulação da temperatura corporal e a manutenção do funcionamento normal de órgãos e vísceras, dentre outras (Ratti et al., 2011).

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Nos hospitais e postos de saúde, há uma constante geração de resíduos, um consumo de água elevado e o consequente descarte de efluentes que necessitam de uma destinação adequada, pois estes podem contaminar o ambiente (Prado, 2007). Os problemas associados às águas residuais hospitalares têm sido motivo de preocupação internacional devido à grande potencial de propagação de doenças e aos riscos ambientais da ausência de tratamento adequados (La Rosa, 2000 apud Arend & Henkes, 2013). Neste âmbito é necessário que se promova o saneamento básico de forma a melhorar a qualidade de vida dos habitantes assim como reduzir elevados índices de infecções relacionadas com água. Portanto as entidades hospitalares devem efectuar um tratamento prévio dessas águas respeitando a legislação específica de lançamento de águas residuais hospitalares aos corpos de água. No Hospital Provincial de Chimoio não se faz a monitoria das suas águas residuais a partir de análises das amostras de água desde 2008, limitando-se apenas na manutenção física da própria ETAR, o que pode aumentar o nível de contaminação do ambiente e da saúde pública, por tanto verificou-se o sistema de tratamento do efluente do Hospital Provincial de Chimoio é eficiente de modo a garantir segurança à saúde pública assim como ao ambiente e se estará esse sistema a obedecer os padrões internacionais de lançamento de águas residuais hospitalares estabelecidos, onde se levantou a suposição de se fazer análises físico-químicas e microbiológicas das águas provenientes do Hospital Provincial de Chimoio para se determinar a efectividade do sistema de tratamento.

Marco Teórico

Águas Residuais Hospitalares Conforme Carvalhais (2010), citando Bratfich (2005), são considerados águas residuais hospitalares, a água de lavagem de materiais contaminados, os dejectos de limpeza de superfícies e pisos misturados às soluções desinfectantes, água residuária da lavandaria, as águas das caldeiras os resíduos de procedimento do centro cirúrgico, centro obstétrico e ambulatórios, detergentes, saneantes, sanitizantes, fármacos, sangue, fluidos corpóreos, reagentes empregados no laboratório de análises clínicas e anatomopatológico. O descarte de águas residuais hospitalares nos mananciais, sem o correcto tratamento tem sido um grande problema ambiental. Na maioria dos casos estes têm sido as principais fontes de abastecimento de água para a população e podem provocar diversas doenças, causando desta forma sérios problemas de saúde à população (Rohloff, 2011). Segundo Somensi (2013) citando Ferrari et al.(2004), os efluentes hospitalares, mesmo em quantidades reduzidas, representam potencial perigo para o ambiente. Neste caso, pode-se afirmar que organismos aquáticos respondem negativamente a baixas concentrações de muitas substâncias frequentemente encontradas em efluentes hospitalares.

Classificação de Águas Residuais Hospitalares A utilização da água, em um hospital é feita de diversas formas, dentre estas estão: uso alimentar, médico, sanitário, técnico e terapêutico. Os estabelecimentos de saúde, além de gerarem uma grande quantidade de efluentes, têm a característica de gerar efluentes de categoria doméstica e efluentes de categoria hospitalar.

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Abreu (2008) citando Dremont e Hadjali (1997), classificam os dejectos hospitalares, como dejectos domésticos e específicos aos hospitais, como se descreve a seguir: a) Dejectos de natureza doméstica

Dentro de um hospital estes efluentes são gerados na cozinha e nos banheiros, constituídos por detergentes e produtos desinfectantes, e nas garagens e oficinas. Estes compõem-se essencialmente da água de banho, urina, fezes, restos de comida, sabão, detergentes e águas de lavagem. b) Efluentes de natureza específica ao hospital

São efluentes especificamente gerados a partir do desenvolvimento de actividades de saúde. b.1) Os efluentes comuns aos diferentes serviços de procedimentos de enfermagem

São efluentes gerados em qualquer actividade de saúde, e estão relacionados aos produtos desinfectantes e antissépticos, os dejectos que contêm elementos patogénicos; as drogas e os metais pesados. a) Dejectos de produtos de desinfecção e antissepsias: b) Dejectos que contêm elementos patogénicos: c) Dejectos de medicamentos: d) Dejectos que contêm metais pesados

Impactos Ambientais de Águas Residuais Hospitalares Em unidades de serviços de saúde que compõem os hospitais, toda e qualquer actividade desenvolvida resulta na geração de diferentes tipos de resíduos sólidos e líquidos, cujo impacto ambiental pode ser fortemente influenciável pela forma com que são geridos interna e externamente (Silveira & Monteggia, 2005). Nos países em vias de desenvolvimento, de uma maneira geral, os efluentes hospitalares não recebem tratamento adequado e, assim, atingem cursos da água que representam importantes recursos hídricos que abastecem as cidades, indústrias e a produção primária (Frank, 2008). Emmanuel et al., (2005), estudou a caracterização de efluentes hospitalares de um hospital no sudeste da França. Os resultados das caracterizações confirmaram a existência de substâncias perigosas no efluente hospitalar, tais como presença de organoclorados, metais pesados e concentrações muito elevada de compostos halogenados absorvíveis em carvão activado (AOX), formado pela concentração de poluentes não convencionais.

Metodologia

Área de Estudo

A área de estudo foi a ETAR pertencente ao HPC, localizada entre as latitudes 550567 e as longitudes 7888079 numa área de 4 854 m2. A ETAR entrou em operação efectiva há aproximadamente 20 anos e possui capacidade de tratar 7.3 litros de esgoto por segundo, o que representa uma carga de 6 678.72 m³ por dia. Apresenta reservatórios com 64 m2 e 7.5 metros de profundidade.

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Figura 1: Mapa de Enquadramento Geográfico do Bairro Chinfura. Fonte: própria

Figura 2: Mapa de Enquadramento da Área de Estudo. Fonte: própria

Entrevista Em primeiro lugar, obtiveram-se dados de seus impactos sociais a partir de entrevista, na qual foram elaboradas duas entrevistas, uma dirigida ao hospital e outra a comunidade, onde entrevistaram-se a 07 (sete) pessoas, sendo ao responsável pelas águas do hospital, ao líder comunitário, e aos 5 (cinco) chefes de zonas existentes no bairro, com intento de obter mais informações acerca dos impactos sociais

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

causados por estes efluentes e perceber como é realizado o seu descarte no corpo de água. As entrevistas não foram gravadas para não coibir a informação, mas foram retiradas anotações. O tipo de amostra foi não probabilístico por cotas, pois seleccionaram-se elementos representativos tendo em conta as diferentes categorias presentes na população em causa.

Colectas

As colectas das amostras de água foram efectuadas no mês de Agosto de 2014, realizaram se visitas técnicas com a finalidade de conhecer o corpo receptor utilizado para o descarte do efluente tratado, e delimitar as áreas onde foram colectadas as amostras dos efluentes. Foram percorridas as secções anteriores ao descarte do efluente, o local do lançamento e o trajecto posterior ao lançamento. Os frascos foram de vidro devidamente rotulados com volume de 1000 ml de boca larga para facilitar a colecta e sua limpeza e resistentes a autoclavação. A colheita foi feita em frascos, previa e cuidadosamente lavados e passados no local três (3) vezes com a água a analisar, os frascos foram esterilizados de maneira a garantir a ausência de contaminação microbiológica e foram enchidos até três (3) cm da boca. Para a colheita da amostra da água na estação foi colhida por imersão directa do frasco a cerca de 30 cm da superfície num local afastado das margens. A boca do frasco destapado no momento da colheita foi dirigida em sentido contrário ao da corrente e evitou-se zonas de estagnação tendo o cuidado em provocar suspensão de partículas depositadas. Após a colecta das amostras, as mesmas foram perfeitamente acondicionadas, para evitar quebras e contaminação e transportadas ao laboratório. As amostras colectadas foram preservadas, em gelo numa temperatura de 1 a 4º C num período inferior a 7 horas entre transporte do ponto de colecta ao laboratório de modo a preservar a maioria de características físicas, químicas e biológicas em curto prazo.

Figura 3: Acondicionamento das Amostras. Fonte: própria

Fizeram-se colectas das amostras do efluente na ETAR do HPC para análises físico-químicas e microbiológicas. As colectas foram feitas na entrada do efluente hospitalar (água bruta) na ETAR que atende o HPC localizado na zona 36, nas coordenadas (X: 550567, Y: 7888079) de modo a perceber até que ponto o efluente bruto chega à estação, na fase após a decantação situado na zona 36, nas coordenadas (X: 550590, Y: 7888096) e na saída de efluentes (água tratada) da Estação de Tratamento de Águas de Residuais fixado na zona 36, nas coordenadas (X: 5500650, Y: 7888095) antes de ser lançado no corpo receptor a fim de verificar a eficiência de tratamento, bem como a qualidade da água distribuída aos moradores. Ao todo foram efectuadas 27 análises, sendo 3 para cada um dos 9 parâmetros descritos a seguir Oxigénio dissolvido, Demanda Bioquímica de Oxigénio, Demanda Química de Oxigénio, Fósforo

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Total, Nitrogénio Total, potencial hidrogeniónico, sólidos totais dissolvidos, coliformes totais e Escherchia Coli.

Figura 4: Pontos de Colecta das amostras. Fonte: própria

Realização das Análises As análises físico-químicas e biológicas das amostras de água foram efectuadas no laboratório de Controle de Qualidade SwissLab em Maputo. Foram analisadas quanto ao carácter físico-químico com o objectivo de identificar e quantificar os elementos e espécies iónicas presentes nesses compostos e associar os efeitos de suas propriedades às questões ambientais, permitindo a compreensão dos processos naturais ou alterações no ambiente e quanto ao carácter microbiológico objectivando-se a caracterização da presença de coliformes totais e Escherchia Coli. A metodologia para a colecta e análise de água foi baseada no Manual Prático de Análise de Água, que são técnicas preconizadas no Methods for the Examination of Waterand Wastewater, publicação da American Public Health Association (APHA), American Water Works Association (AWWA) e Water Environment Federation.

Apresentação e Discussão dos Resultados

As águas da ETAR - HPC não dispõem de uma classificação de suas águas. Assim, de acordo com a resolução CONAMA 357/05, em seu capítulo VI Artg. 42 “Enquanto não aprovados os respectivos enquadramentos, as águas doces serão consideradas classe 2”. Utilizou-se esta classificação com a finalidade de analisar as condições em que se encontra o corpo hídrico estudado. Os resultados das análises das amostras de água colectada nos três pontos (A, B e C) podem ser observados na tabela encontrada em apêndice e os parâmetros de CONAMA 357/2005 em anexo.

Oxigénio Dissolvido (OD)

Na ETAR, o oxigénio dissolvido, variou de 0,970 mg/l no ponto A a 1.530 mg/l no ponto C à jusante do local de lançamento de esgoto a natureza (gráfico 1). Esses valores comprovam o aumento da concentração de matéria orgânica ao longo do trajecto da ETAR, o que leva a um aumento da decomposição, processo que consome oxigénio, reduzindo-o na água. A baixa concentração de OD no ponto A pode estar relacionada a deposição de matéria orgânica proveniente do solo e fezes de animais. De acordo com Kubitza (2000), quando esta concentração chega a valores abaixo de 2 mgl-1 pode ocorrer excessivo estresse e mortalidade de peixes.

Joel MalopeRevista Electrónica de Investigação e Desenvolvimento Janeiro de 2016

Segundo a Resolução CONAMA 357/05, em cursos de água de classe 2, o nível de OD deve ser maior ou igual a 5 mg/l, assim, conclui-se que a água da ETAR nos pontos B e C encontra-se dentro do estipulado e o ponto A encontra-se fora do estabelecido pela norma, presumindo-se que o valor apresentado de OD seja directamente afectado por esgoto bruto vindo do HPC.

Gráfico 1: variação dos valores de OD. Fonte: própria

Potencial Hidrogeniónico (pH) O pH, na referida ETAR, variou de 6.79 no ponto B a 7.43 no ponto C (gráfico 2). De acordo com os dados obtidos, observa-se que o ponto B da ETAR apresenta o pH um pouco ácido, provavelmente devido a contaminantes que foram lançados próximos aos reservatórios da ETAR por residentes do bairro meses antes das colectas. De acordo com Silva et. al (2010), o pH reflecte qual o tipo de solo que as águas percorrem ao longo da bacia. No caso de lagoas que possuem elevada população de algas, devido ao processo de fotossíntese, em dias ensolarados o pH pode aumentar chegando a 9 ou mais, também destaca que pH muito ácido ou alcalino está relacionado directamente com a presença de despejos industriais. Os valores de pH foram praticamente acima de 7.0, visto por ter sido um período de seca e assim há um menor consumo de sulfato de alumínio no processo de tratamento da água devido ao facto do sulfato de alumínio ser de característica ácida. Segundo a Resolução CONAMA 357/05, os valores permitidos para o pH em cursos de água classe 2 estão entre 6.0 e 9.0, assim sendo, através dos resultados obtidos neste trabalho observou-se que, em nenhum momento os valores de pH situaram-se fora dos limites, não havendo qualquer alteração decorrente de factores indesejáveis, que pudessem alterar significativamente esse parâmetro.

(Parte 1 de 2)

Comentários