Meiose e gametogenese

Meiose e gametogenese

• Meiose:

• Processo no qual as células recebem apenas 1 cromossomo de cada par de homólogos (apresentam apenas metade do número de cromossomos encontrados nas células);

• Esse processo resulta na formação de 4 células diferentes geneticamente entre si e diferentes da célula mãe;

• Esse tipo de divisão que reduz a metade o número de cromossomos e recebe o nome de Meiose.

• Para que ocorra a redução do número cromossômico, é necessário que ocorra 2 divisões celulares sucessivas (Meiose I e Meiose I);

• Após uma única duplicação do DNA que ocorre durante o período S anterior a primeira divisão;

• Cada divisão meiótica (meiose I ou I) é dividida em fases de prófase, metáfase, anáfase e telófase semelhante a mitose.

• Em continuação à duplicação do DNA, inicia-se a primeira divisão meiótica (prófase I);

• Evento chave da meiose: O pareamento dos cromossomos homólogos; a) Garante a posterior disjunção dos cromossomos homólogos de tal forma que ambos os núcleos filhos dessa divisão recebam um membro de cada par de cromossomos; b) Permite que ocorram quebras e trocas de segmentos entre os cromossomos homólogos de origem paterna e materna;

• Recombinação genética / permuta/ crossing over) contribuindo para uma maior diversidade genética para o processo evolutivo (maior adaptação evolutiva da espécie);

• Prófase I é subdividida em: • Leptóteno, zigóteno, paquíteno, diplóteno e diacinese.

• No leptóteno a cromatina começa a se condensar gradualmente em cromossomos;

• São característicos dessa fase pontos de maior condensação ao longo dos filamentos (cromômeros);

• No zigóteno, os cromossomos continuam sua condensação e iniciam um processo de aproximação e pareamento entre os homólogos (sinapse);

• Essa sinapse ocorre cromômero por cromômero, aproximando os cromossomos homólogos, alinham-se de maneira lateral, mas não se fundem;

• As sinapses cromossômicas são devidas à formação de uma estrutura complexa (Complexo Sinaptonêmico);

• Constituído por elemento lateral, possui contato com a cromatina de um cromossomo homólogo,

• E conectado ao outro elemento lateral por intermédio de componentes transversais muito finos do elemento central.

DIVISÃO CELULAR Zigóteno

Emparelhamento dos cromossomos homólogos

Elemento Lateral Elemento Central

• Paquíteno:

• O conjunto constituído pelos cromossomos homólogos unidos pelo complexo sinaptonêmico é denominado bivalente ou tétrade;

• Bivalente porque contém 2 cromossomos unidos (homólogos) e tétrade formado pelas 4 cromátides;

• Essa organização dos bivalentes assegura que regiões homólogas do DNA sejam colocadas em proximidade;

• Favorecendo a troca de segmentos de DNA entre os cromossomos (permuta/crossing over ou recombinação genética);

• Permuta é uma troca de genes entre os cromossomos de origem paterna e materna. União entre cromossomos homólogos.

Tétrades ou bivalentes

Paquíteno

Paquíteno (tétrade/bivalente)

• Diplóteno:

• A maior parte do complexo sinaptonêmico é removida do bivalente;

• Têm-se início de separação dos cromossomos homólogos;

• Essa separação não é completa porque persistem vestígios ou fragmentos do complexo sinaptonêmico;

• Esses fragmentos do complexo sinaptonêmico estão em locais denominados quiasmas;

• Os quiasmas são os locais onde acontecerem as trocas de genes entre os cromossomos (crossing-over).

Quiasmas

Diplóteno Diplóteno (Quiasmas)

• Diacinese:

• Aumenta a repulsão dos cromossomos homólogos (terminalização dos quiasmas);

• Deslocamento dos quiasmas para a extremidade dos cromossomos;

• Os quiasmas são mantidos (importante para a distribuição correta dos cromossomos).

Terminalização dos quiasmas Diacinese

• A etapa seguinte é correspondida metáfase I, anáfase I e telófase I;

• A meiose I é uma divisão reducional;

• A segunda divisão meiótica se assemelha uma mitose normal, é uma divisão equacional do material genético;

• Distribuição equitativa do conteúdo do DNA entre as células filhas;

• Prófase I, metáfase I, anáfase I e telófase I.

• processo responsável pela produção dos gametas femininos e masculinos.

•Os gametas são células haploides, ou seja, possuem metade do número de cromossomos de uma célula somática, que são diploides.

• Enquanto as células somáticas, como a da pele, são diploides, ou seja, possuem 2n=46 cromossomos, os gametas, óvulos e espermatozoides, possuem apenas n=23 cromossomos

Gamatogenese

• Durante a quarta semana de gestação já é possível reconhecer as células germinativas no embrião e por volta da sexta semana de gestação ocorre a migração destas células para a região abdominal, onde ocorre o desenvolvimento destas células.

• Neste período ainda não há diferenciação entre os testículos e os ovários, embora o sexo cromossômico já tenha sido definido no momento da formação do zigoto.

Gamatogenese

• Gametogênese pode ser de dois tipos: espermatogênese (XY) ou ovulogênese (X).

•A meiose é o principal evento atuante em ambos processos, porém há diferenças marcantes entre a formação dos óvulos e dos espermatozoides.

Gamatogenese

• A produção de espermatozoides só se inicia na puberdade, sendo estimulada pelo hormônio Folículo Estimulante (FSH).

•Os espermatozoides iniciam seu desenvolvimento nos túbulos seminíferos situados nos testículos. •

•A célula primordial deste processo é a ESPERMATOGÔNIA. Cada espermatogônia gera ao final do processo 4 espermatozóides.

Espermatogenese

• Ao final de uma série de divisões mitóticas estas células se diferenciam em ESPERMATÓCITOS PRIMÁRIOS.

•Os espermatócitos primários entram em meiose I para gerar os ESPERMATÓCITOS SECUNDÁRIOS, que rapidamente entram em meiose I.

•Cada espermatócito secundário gera 2 ESPERMÁTIDES que, então, se diferenciam em ESPERMATOZÓIDES.

•São produzidos cerca de 1012 espermatozoides ao longo da vida de um homem saudável.

•Ao contrário da mulher, a produção de espermatozoides é contínua e dura toda a vida

Espermatogenese

• O processo de desenvolvimento dos óvulos nas mulheres inicia-se ainda no período embrionário, por volta do 2º ao 3º mês de desenvolvimento embrionário. Ao nascimento existem cerca de 2,5 milhões de ovócitos.

•A célula primordial do processo é a OVOGÔNIA, situada no córtex ovariano.

•Ao 3º mês de gestação inicia-se o desenvolvimento do OVÓCITO PRIMÁRIO.

•No entanto esta célula para seu desenvolvimento na prófase I da meiose. Os óvulos permanecem em prófase I até que a mulher atinja a maturidade sexual.

Ovulogenese

• Cada ovócito tem um tempo próprio de maturação. Após o estímulo hormonal, uma vez por mês, um óvulo termina seu amadurecimento através da meiose I.

• De todos os óvulos produzidos durante o período embrionário, apenas 400 se tornaram maduros.

• Ao fim da meiose I existem duas células: o corpo polar (célula menor) e o OVÓCITO SECUNDÁRIO

•Apenas o ovócito secundário entra em meiose I para que haja a separação das cromátides.

• A divisão ocorre até a metáfase I, quando o ovócito secundário fica em repouso até o período fértil da mulher (antes da menstruação).

Ovulogenese

• Se houver fecundação (entrada do espermatozoide), o ovócito secundário termina o desenvolvimento

• caso contrário será eliminado junto com o endométrio uterino durante a menstruação.

• Ao término da meiose I existem duas células: Corpo polar (célula menor) e o ÓVULO MADURO.

•Somente então ocorrerá a fusão do núcleo do óvulo maduro com o núcleo do espermatozoide.

• Cada ovogônia gera 1 ÓVULO MADURO E 3 CORPÚSCULOS POLARES

Ovulogenese

6. Bloqueio a poliespermia (grânulos corticais)

Comentários