Plano de emergência-COMPARTILHADO

Plano de emergência-COMPARTILHADO

(Parte 1 de 6)

Logo

PROCEDIMENTO DE SISTEMA

Nome empresa

PAE – PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL

Página:/53 Revisão: 001

Elab: Nome 02/03/ 2014

Rev.:01 27/06/2014

Aprov.: Nome ____/____/____

DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES DESTA REVISÃO EM RELAÇÃO À ANTERIOR

  • 02/03/2014 - Procedimento novo.

  • 27/06/2014 - Inclusão do PAE da Assistência Técnica

  • 17/12/2014- Formação de nova brigada

Aprovadores:

_________________________________________

Gerente geral

_________________________________________

Gerente de área

_________________________________________

Diretor

Sumário

  1. Objetivo

  2. Definições

  3. Responsabilidades

  4. Descrição das Atividades

  5. Anexos

  1. Objetivo:

Dinamizar o atendimento de acidentes e situações de emergências ambientais, direcionando os recursos necessários, tanto humanos como equipamentos e racionalizando as ações de acordo com a gravidade da situação, acarretando mínimo risco e máxima segurança.

  1. Definições:

PAE – Plano de Ação Emergencial.

SESMT – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho.

ART – Análise de Riscos da Tarefa.

LAIA – Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais.

LPR – Levantamento de Perigos e Riscos.

PCA – Plano de Controle Ambiental.

FEAM – Fundação Estadual de Meio Ambiente.

CODEMA - Conselho Municipal de Conservação e Defesa do Meio Ambiente.

CSAO – Caixa Separadora de Água e Óleo.

  1. Responsabilidades

A elaboração e execução do PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL (PAE) são de responsabilidade do SESMT da EMPRESA em CIDADE/ESTADO, sob a coordenação administrativa responsável pela área de combate de incêndios.

O treinamento e a atuação da brigada de emergência é de responsabilidade do SESMT, sob a coordenação administrativa, responsável pela área de combate a incêndios.

A aprovação do PAE é de responsabilidade do diretor da empresa.

O acionamento da brigada de emergência é de responsabilidade do coordenador ou líder da brigada, após perceber sinistros, deverá acionar botoeira de emergência localizada no setor da oficina.

A atuação da brigada de emergência é de responsabilidade dos lideres da brigada, sob a coordenação do Técnico de Segurança responsável pela área de combate a incêndios.

A responsabilidade de todos os funcionários e colaboradores da unidade é de ao identificar uma situação emergencial, acionar a brigada de emergência.

A responsabilidade de liberar a área sinistrada para o retorno às atividades normais será do líder da área.

A responsabilidade de treinar e orientar todos os funcionários e colaboradores em como atuar em caso de situação emergencial é do SESMT da EMPRESA.

  1. Descrição das Atividades

4.1 Infra-estrutura da Brigada:

Brigada de Emergência da EMPRESA.

A unidade da EMPRESA conta com 9 brigadistas distribuídos nos horários de trabalho (07:00 ás 17:00 segunda á quinta e 07:00 ás 16:00 sexta feira). Sendo constituída pelo Coordenador da Brigada (chefe) 2 líderes, e 2 brigadista de comunicação, 2 brigadistas de evacuação e combate e 2 brigadistas de combate e primeiros socorros, podendo os mesmos serem divididos em equipe de Combate, Abandono, Apoio técnico e de Primeiros Socorros conforme a necessidade da ocorrência, que possuem as atribuições:

Coordenador da Brigada: Responsável pela organização e manutenção da Brigada de Emergência, bem como mantê-la motivada e treinada.

Líderes da Brigada: Coordenam as ações mitigadoras em face de ocorrência dos acidentes.

Equipe de Combate/Primeiros Socorros: Executam as ações mitigadoras em face de ocorrência dos acidentes e promovem a prestação do atendimento de urgência aos acidentados e encaminhamento externo.

Equipe de Abandono/Evacuação: Promovem a abandono da área de risco e da unidade da EMPRESA.

Equipe de Comunicação: Promovem a comunicação de sinistros através de ramal de emergência e ou alarme de emergência, controla o acesso de pessoas a unidade e mantem funcionários em local seguro durante combate a sinistros (ponto de encontro).

A Brigada de Emergência será submetida a treinamentos periódicos com o objetivo de manter a Equipe preparada para responder adequadamente às situações de emergência, a equipe de brigada de incêndio deverá ser atualizada ou renovada anualmente.

4.2 Equipamentos para Combate a Incêndios e Emergências.

4.2.1 Incêndios: Proteção Coletiva.

Conforme projeto em execução, uma linha de hidrantes com 3 unidades de combate, cada uma com 2 saídas de 1.1/2” e com gabinetes contendo mangueiras de 1.1/2” com diâmetro de 40mm e comprimento máximo de 15m cada (30 m ao total) e esguichos de jato sólido compacto, abastecida por uma bomba d’água com vazão de 125m3/min e potência de 21,9 CV com pressurização automática da linha de hidrantes, alimentada por uma caixa d’água com capacidade de 18.000 m³ e RTI (reserva técnica para incêndio) com 8.000 litros e pressão manométrica por gravidade.

As linhas de hidrante estão localizadas na oficina, na entrada do refeitório e na entrada do setor de controladoria, sendo que a linha de hidrante da entrada do refeitório além dos itens de combate a incêndio citados acima, possui um esguicho de jato sólido regulável.

Sistema de alarme contra incêndio a ser executado conforme projeto na oficina de reforma de peneiras.

4.2.2 Incêndios: Proteção Individual.

EPI’s disponíveis na brigada de emergência como luvas, blusa identificada com brasão da brigada, mascara descartável (RCP) ou conjunto de respiração autônoma, e macacões (de acordo com a atividade).

4.2.3 Emergências: Proteção Coletiva.

Sistema de iluminação de emergência compostas com luminárias de lâmpadas duplas, fluorescentes de 9w cada que se manterão acesas pelo período mínimo de 01 (uma) hora, em caso de falta de energia.

Inspeção e manutenção adequada nos vasos de pressão em toda a unidade atendendo as orientações da NR-13 da Portaria 3214/78 (sob a responsabilidade de profissional habilitado e acompanhamento da guarda de documentos de funcionário da EMPRESA- Compressor, Oxi-corte e outros).

Depósito de gases inflamáveis isolado e ventilado a ser executado conforme projeto.

Depósito de produtos químicos isolado a ser executado conforme projeto.

4.3 Procedimentos de Emergência

4.3.1 Acionamento da Brigada de Emergência

Todo funcionário ou colaborador que esteja trabalhando na unidade da EMPRESA, ao identificar um acidente ambiental ou um risco potencial de um acidente grave que venha a causar danos ao patrimônio e/ou meio ambiente, deve acionar a brigada de emergência.

Para acionar a brigada de emergência é necessário discar o ramal 1901 ou 1902 identificando-se e informando o tipo e o local do acidente.

4.4 Fluxo de Comunicação de Acidente do Trabalho – Unidade da EMPRESA.

4.4.1 Acidente/ mal súbito leve – Horário Administrativo: Procedimentos Funcionários

  • Em horário Administrativo, o funcionário que sofrer acidente / mal súbito deverá, obrigatoriamente, ser encaminhamento ao hospital mais próximo (conforme anexo 2).

  • O técnico de segurança, membro CIPA ou Brigadista acompanhará o funcionário no atendimento externo.

  • O responsável da empresa prestadora de serviço avisa ao setor de segurança do trabalho (Haver).

  • Acidente com funcionário EMPRESA: SESMT avisa a Brigada e Supervisores.

4.4.2 Acidente/mal súbito grave – Horário Administrativo: Procedimentos Funcionários

  • Em caso de acidente/mal súbito onde o funcionário não tiver condições de se locomover, o informante deverá acionar a brigada de incêndio ou ligar no ramal XXX ou XXX.

  • O Acidentado deverá ser encaminhado de imediato para hospital mais próximo pela brigada ou técnico em segurança (conforme anexo 2).

  • Acidente com funcionário EMPRESA: Brigada avisa o SESMT que replica ao supervisor do setor.

4.4.3 - Acidente/mal súbito fora do horário Administrativo: Procedimentos Funcionários

  • Em caso de acidente/mal súbito, ligar no telefone do supervisor ou responsável imediato (Anexo 2).

  • Em casos de mal súbito leve, a própria empresa em carro particular, irá levar o acidentado ao hospital, ao passar pela portaria deve ser informado o nome do funcionário acidentado, setor e o hospital para o qual ele está sendo encaminhado.

4.4.5 Acidente / mal súbito (para mal súbito, apenas casos graves e ou urgentes) fora do horário ADMINISTRATIVO - Procedimentos para Brigada de Emergência

  • Após o recebimento da comunicação, o vigilante (que fica na portaria) deve seguir o seguinte procedimento:

  • 1ª Opção - ligar imediatamente para o técnico de segurança, comunicando o nome do funcionário e o hospital para o qual ele foi encaminhado.

  • 2ª Opção - caso o técnico de segurança não seja localizado, ligar para o líder da brigada ou brigadista, informando o nome do funcionário e o hospital para o qual ele foi encaminhado.

  • O vigilante deve comunicar, obrigatoriamente, ao SESMT e a BRIGADA o mais breve possível.

4.5 Ações Gerais da Brigada de Emergência

Ouvindo o alarme sonoro de acionamento da Brigada de Emergência, todos os integrantes da Brigada deverão atender ao chamado, reunindo-se em frente ao ponto de rescaldo.

(Parte 1 de 6)

Comentários