RELATÓRIO BIOQUÍMICA 4- proteínas

RELATÓRIO BIOQUÍMICA 4- proteínas

(Parte 1 de 3)

  1. INTRODUÇÃO

    1. O que são lipídeos:

Os carboidratos também podem ser chamados de glicídios, glucídios, hidratos de

carbono ou açúcares. São formados fundamentalmente por moléculas de carbono (C),

hidrogênio (H) e oxigênio (O), por isso recém a denominação de hidratos de carbono.

Alguns carboidratos podem possuir outros tipos de átomos em suas moléculas,

como é o caso da quitina, que possui átomos de nitrogênio em sua fórmula.

Estão relacionados com o fornecimento de energia imediata para a célula e estão

presentes em diversos tipos de alimentos. Os carboidratos são os principais produtos da

fotossíntese.

Além de função energética, também possuem uma função estrutural, atuando

como o esqueleto de alguns tipos de células, como por exemplo, a celulose e a quitina,

que fazem parte do esqueleto vegetal e animal, respectivamente.

Os carboidratos participam da estruturas dos ácidos nucléicos (RNA e DNA), sob a forma

de ribose e desoxirribose, que são monossacarídeos com 5 átomos de carbono em sua

fórmula.

O amido, um tipo de polissacarídeo energético, é a principal substância de reserva

energética em plantas e fungos.

Os seres humanos também possuem uma substância de reserva energética, que é

um polissacarídeo chamado glicogênio. Ele fica armazenado no fígado e nos músculos e

quando o corpo necessita de energia, esse glicogênio é hidrolisado em moléculas de

glicose, que são carboidratos mais simples, com apenas 6 átomos de carbono. O

glicogênio é resultado da união de milhares de moléculas de glicose, assim como a

celulose

Os carboidratos também podem ser chamados de glicídios, glucídios, hidratos de

carbono ou açúcares. São formados fundamentalmente por moléculas de carbono (C),

hidrogênio (H) e oxigênio (O), por isso recém a denominação de hidratos de carbono.

Alguns carboidratos podem possuir outros tipos de átomos em suas moléculas,

como é o caso da quitina, que possui átomos de nitrogênio em sua fórmula.

Estão relacionados com o fornecimento de energia imediata para a célula e estão

presentes em diversos tipos de alimentos. Os carboidratos são os principais produtos da

fotossíntese.

Além de função energética, também possuem uma função estrutural, atuando

como o esqueleto de alguns tipos de células, como por exemplo, a celulose e a quitina,

que fazem parte do esqueleto vegetal e animal, respectivamente.

Os carboidratos participam da estruturas dos ácidos nucléicos (RNA e DNA), sob a forma

de ribose e desoxirribose, que são monossacarídeos com 5 átomos de carbono em sua

fórmula.

O amido, um tipo de polissacarídeo energético, é a principal substância de reserva

energética em plantas e fungos.

Os seres humanos também possuem uma substância de reserva energética, que é

um polissacarídeo chamado glicogênio. Ele fica armazenado no fígado e nos músculos e

quando o corpo necessita de energia, esse glicogênio é hidrolisado em moléculas de

glicose, que são carboidratos mais simples, com apenas 6 átomos de carbono. O

glicogênio é resultado da união de milhares de moléculas de glicose, assim como a

celulose

Os carboidratos também podem ser chamados de glicídios, glucídios, hidratos de

carbono ou açúcares. São formados fundamentalmente por moléculas de carbono (C),

hidrogênio (H) e oxigênio (O), por isso recém a denominação de hidratos de carbono.

Alguns carboidratos podem possuir outros tipos de átomos em suas moléculas,

como é o caso da quitina, que possui átomos de nitrogênio em sua fórmula.

Estão relacionados com o fornecimento de energia imediata para a célula e estão

presentes em diversos tipos de alimentos. Os carboidratos são os principais produtos da

fotossíntese.

Além de função energética, também possuem uma função estrutural, atuando

como o esqueleto de alguns tipos de células, como por exemplo, a celulose e a quitina,

que fazem parte do esqueleto vegetal e animal, respectivamente.

Os carboidratos participam da estruturas dos ácidos nucléicos (RNA e DNA), sob a forma

de ribose e desoxirribose, que são monossacarídeos com 5 átomos de carbono em sua

fórmula.

O amido, um tipo de polissacarídeo energético, é a principal substância de reserva

energética em plantas e fungos.

Os seres humanos também possuem uma substância de reserva energética, que é

um polissacarídeo chamado glicogênio. Ele fica armazenado no fígado e nos músculos e

quando o corpo necessita de energia, esse glicogênio é hidrolisado em moléculas de

glicose, que são carboidratos mais simples, com apenas 6 átomos de carbono. O

glicogênio é resultado da união de milhares de moléculas de glicose, assim como a

celuloseOs lipídios junto com as proteínas, ácidos nucléicos e carboidratos, compõem as estruturas biológicas e fazem parte de um grupo conhecido como biomoléculas. Estes lipídios encontram-se distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares e nas células do tecido adiposo. Diferente das demais biomoléculas, os lipídios não são polímeros. Esses podem apresentar uma estrutura química relativamente simples, porém as funções dos lipídios são complexas e diversificadas, que atuam em muitas etapas importantes do metabolismo e na definição das estruturas celulares (MINATTI, 2010).

Lipídeos são compostos de carbono ,hidrogênio e oxigênio encontrados em diversos alimentos na forma de gordura e/ou óleos.As gorduras e óleos usados quase universalmente como formas de armazenamento de energia nos organismos vivos são dos derivados de ácidos graxos. Ácidos graxos são ácidos carboxílicos com cadeias carbônicas de comprimento entre 4 e 36 carbonos. Em alguns a cadeia é totalmente saturada e não-ramificada; em outros, a cadeia contém uma ou mais ligações. Alguns poucos possuem anéis de três carbonos, grupos metila ou hidroxila como ramificação. (LEHNINGER, 2006).

As propriedades físicas e químicas dos ácidos graxos e dos compostos que os contêm são principalmente determinadas pelo comprimento e pelo grau de insaturação da cadeia de hidrocarboneto. A cadeia hidrocarbônica não-polar é responsável pela pequena solubilidade em água, mas os ácidos graxos são solúveis em solventes apolares como o éter (LEHNINGER, 2006).

(Parte 1 de 3)

Comentários