alimentação infantil cristiane machado

alimentação infantil cristiane machado

(Parte 1 de 4)

Capa 1/03/2008 - OK

BETO RICHA Prefeito

LUCIANO DUCCI Vice-Prefeito

Secretário Municipal da Saúde

EDIMARA FAIT SEEGM‹LLER Superintendente Executiva da Secretaria Municipal da Saúde

ELIANE REGINA DA VEIGA CHOMATAS Superintendente de Gestão da Secretaria Municipal da Saúde

KARIN REGINA LUHM Diretora do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde

ANGELA CRISTINA LUCAS DE OLIVEIRA Coordenadora de Vigilância Nutricional da Secretaria Municipal da Saúde

Cartilha de orientação aos pais

Curitiba - Paraná Outubro de 2007

ALIMENTAÇÃO INFANTIL Cartilha de orientação aos pais

REALIZAÇÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal da Saúde - SMS Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Nutricional

FINANCIAMENTO Governo Federal / Ministério da Saúde

ORGANIZAÇÃO CRISTIANE APARECIDA AZEVEDO DE ASSIS MACHADO - Nutricionista do Centro de Epidemiologia da SMS

EQUIPE DE ELABORAÇÃO Nutricionistas do Centro de Epidemiologia da SMS ANGELA CRISTINA LUCAS DE OLIVEIRA ANNE LIZ DYNKOWNSKI ZEGHBI CRISTIANE APARECIDA AZEVEDO DE ASSIS MACHADO KARYNE SANT’ANA GONZALES GOMES Médicos do Centro de Epidemiologia da SMS ARISTIDES SCHIER DA CRUZ NILTON WILLRICH

COLABORADORES CLAUDETE TEIXEIRA KRAUSE CLOSS - Coordenadora do PROAMA da SMS CRISTIANE MARIA LEAL VARDANA MARANGON - Coordenadora de Saúde da Criança da SMS KARIN REGINA LUHM - Diretora do Centro de Epidemiologia da SMS

Vocês estão recebendo a cartilha Alimentação Infantil, para orientá-los sobre como escolher o modo saudável de alimentar seus filhos.

A alimentação exerce um papel fundamental sobre a saúde da criança. O estímulo ao aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida, aliado à introdução da alimentação complementar adequada até o 2º ano de idade, são determinantes na formação de hábitos alimentares mais saudáveis. Habitos adquiridos no decorrer da infância e da adolescência são fáceis de serem mantidos na vida adulta e durante o envelhecimento.

A comida de que gostamos, os temperos que preferimos, o cheirinho que sentimos e que nos enche a boca de água, tudo se refere aos hábitos que adquirimos quando ainda éramos crianças. Não é verdade?

Então fica fácil para vocês entenderem que as práticas alimentares familiares formam os hábitos que adotamos e que seguimos por toda nossa vida.

Atualmente, com a modernidade e a facilidade de acesso a produtos industrializados cheios de sal, açúcar e gorduras, a saúde das pessoas vem se modificando e as doenças como obesidade, diabetes e hipertensão têm aumentado muito, atingindo nossas crianças mais precocemente.

Para tentar reverter este quadro e melhorar a qualidade de vida de nossas crianças, estamos apresentando esta cartilha que tem como objetivo principal orientar os pais, familiares e cuidadores a praticarem escolhas alimentares mais saudáveis no momento de alimentar as suas crianças, garantindo crescimento e desenvolvimento adequados e saúde para a vida toda.

Este é mais um passo de Curitiba para a promoção da saúde de nossas crianças.

Luciano Ducci

Vice-Prefeito Secretário Municipal da Saúde

Alimentação nos primeiros 6 meses de vida1
Alimentação dos 6 meses aos 2 anos de idade25
Alimentação dos 2 aos 4 anos de idade43
Alimentação dos 4 aos 10 anos de idade53
Situações que merecem atenção especial59
A criança doente61
Anemia ferropriva62
Desnutrição64
Sobrepeso e obesidade6
Diarréia69
Constipação ou prisão de ventre71
Higiene dos alimentos73
Auto-estima7
Referências81

7 SUMÁRIOSUMÁRIOSUMÁRIOSUMÁRIOSUMÁRIO

•Uma criança cresce em média 25 centímetros (cm) no primeiro ano de vida. •No segundo ano de vida, a criança cresce em média 12 cm de altura.

•A partir do terceiro ano de vida ela cresce de 5 a 7 cm por ano.

•O cérebro da criança ao nascer pesa em média 400 gramas e ao final do primeiro ano de vida pesa em média 1 quilo (kg), crescendo 600 gramas durante este período.

•Do primeiro ano até a vida adulta o cérebro crescerá apenas mais 400 gramas, chegando a pesar 1,4 kg na vida adulta.

•Associadas ao crescimento físico, a criança vai adquirindo capacidades que podem ser observadas a cada mês. Por volta dos 3 meses de idade a criança já sustenta a cabeça e aos 7 meses já consegue sentar sem apoio.

•As deficiências nutricionais ou práticas alimentares inadequadas, além de causar prejuízos imediatos à saúde das crianças, podem deixar seqüelas futuras como retardo do crescimento, atraso escolar e desenvolvimento de doenças como diabetes, pressão alta, doenças do coração e obesidade, entre outras.

VVVVVocê sabia?ocê sabia?ocê sabia?ocê sabia?ocê sabia?

Alimentação nos primeiros 6 meses de vida

Primeiros 6 meses de vida

Anotaçoes Anotaçoes

O ComeçoO ComeçoO ComeçoO ComeçoO Começo

Você se lembra do dia em que soube que estava grávida? Já se passaram alguns meses e neste período o bebê cresceu porque se alimentou dos nutrientes que seu corpo produziu.

Agora ele nasceu e você precisa continuar alimentando-o, não é mesmo? E agora? O que fazer?

Não se preocupe, pois você produz o melhor alimento para o seu bebê.

Durante os primeiros seis meses de vida do bebê recomenda-se que o aleitamento materno seja exclusivo.

A partir de agora vocÍ passar· a entender qual a import‚ncia da alimentaÁ„o correta e saud·vel nos primeiros anos de vida do seu filho.

Primeiros 6 meses de vida

Aleitamento maternoAleitamento maternoAleitamento maternoAleitamento maternoAleitamento materno

...significa que a mãe deve dar somente o leite do seu peito para o seu bebê durante os seis primeiros meses de vida.

Isto mesmo, só o leite materno, sem chás, sem água, sem sucos, sem outros leites e sem qualquer outro tipo de alimento líquido ou sólido.

Você deve estar se perguntando POR QUÊ???

Nós iremos apresentar agora algumas razões para que você confie na sua decisão e amamente seu filho com tranquilidade e segurança. Preparada? Certo, então vamos lá!

•O leite dos primeiros dias pós-parto, chamado de colostro (de coloração amarelo transparente), é produzido em pequena quantidade, sendo o ideal nos primeiros dias de vida, principalmente se o bebê for prematuro. O colostro tem alto teor de proteínas (que ajudam no crescimento e desenvolvimento) e tem alto teor de fatores de proteção contra doenças. Funciona como uma vacina protegendo o seu bebê.

•Durante os primeiros 15 dias o bebê mama pouco e em intervalos irregulares e curtos, pois ele está se adaptando ao processo de amamentação. Com o passar do tempo, a criança estabelecerá o seu próprio ritmo e os horários irão ficando cada vez mais regulares.

•O leite materno é um alimento completo porque possui todos os nutrientes de que seu bebê necessita para crescer forte e saudável durante os seis primeiros meses de vida.

•O leite materno contém quantidade de água suficiente para as necessidades do bebê, mesmo em dias muito quentes e secos.

•A oferta de água, chá ou qualquer outro alimento sólido ou líquido, antes dos seis meses, pode prejudicar a mamada do bebê, fazendo com que ele mame menos leite materno.

•Os volumes desses líquidos ou sólidos irão substituir o volume de leite materno que ele mamaria naquele horário, atrapalhando assim a produção de leite e o esvaziamento adequado da mama.

•Esses líquidos, oferecidos em mamadeiras ou chuquinhas, representam um meio de contaminação, aumentando as chances de o seu bebê adoecer e deixar de crescer adequadamente. Além disso, o bebê pode engolir ar enquanto estiver Primeiros 6 meses de vida mamando na mamadeira ou chuquinha, o que pode provocar cólicas nele.

•A oferta de outros bicos confunde o bebê na hora de mamar. Isso poderá dificultar a pega correta do peito da mãe pelo bebê e poderá prejudicar também o esvaziamento total da mama. Há um risco três vezes maior de o bebê deixar de mamar quando se introduz a chupeta, a mamadeira ou a chuquinha.

•O esvaziamento inadequado da mama fará com que o bebê deixe de mamar o leite do final da mamada, que é rico em gordura, que mata a fome e que faz com que o bebê ganhe peso.

•Dessa forma, o bebê não ficará bem alimentado e irá querer mamar novamente dali a pouco tempo. E assim você poderá pensar que o seu leite é fraco e insufi- ciente, o que você já viu não ser verdade, não é mesmo?

•Se as mamas não forem esvaziadas de modo adequado elas ficam ingurgitadas (muito cheias) e o leite poderá empedrar, causando dor e desconforto para a mãe.

•Sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança. Ajuda a ter dentes bonitos, a desenvolver a fala e a ter uma boa respiração.

•Não deixe que outras pessoas prejudiquem a sua decisão de amamentar só no peito, pois quem poderá acabar sofrendo, no final das contas, serão você e o seu bebê. Geralmente a amamentação se estabelece corretamente ao 14º dia, portanto seja paciente, tudo dará certo.

•Se na última mamada o bebê mamou nos dois peitos e o segundo peito não foi esgotado por completo, na próxima mamada é aconselhável começar pelo pei- to que foi dado por último ao bebê. Isso contribuirá para que o peito produza bastante leite.

•Se na última mamada foi oferecido somente um dos peitos, na próxima mamada é aconselhável começar pelo peito que ainda não foi oferecido.

•O tempo para esvaziamento da mama depende de cada bebê e de sua idade. Geralmente o bebê suga uma vez por segundo e leva, em média, de 10 a 30 minutos para esvaziar a mama nos primeiros dois meses de idade. Após os dois meses, a mamada se torna mais eficiente e rápida e demora entre 5 e 20 minutos, podendo variar de acordo com o bebê e com a situação do momento.

•Caso o bebê esteja demorando muito para mamar e não esteja ganhando peso adequadamente, é sinal de que algo não está dando certo.

Fique alerta e não perca tempo

Procure auxílio dos profissionais de saúde na Unidade de Saúde mais próxima da sua casa ou ligue para o PROAMA – Programa de Aleitamento Materno. Fones: 3225-6407 / 3321-3229 ou ligue para o celular 9951- 3987, que fica ligado 24 horas por dia, todos os dias da semana. Eles poderão ajudá-la a solucionar os seus problemas.

A mãe que amamenta deve ter uma alimentação saudável, incluindo arroz, feijão, carne, leite, frutas, verduras e legumes, pães e cereais integrais. Deve evitar alimentos com excesso de sal. Deve tomar água sempre que sentir sede, pois a água ajuda a estimular a produção de seu leite. Tenha sempre uma garrafinha com água para ir tomando enquanto amamenta.

LLLLLembre-se:embre-se:embre-se:embre-se:embre-se:

Aleitamento materno não combina com bebida alcoólica, nem com cigarro. Não tome cerveja preta achando que irá aumentar a produção do seu leite. A cerveja, como qualquer outra bebida alcoólica, é prejudicial à saúde do seu bebê.

Primeiros 6 meses de vida

•A posição para a amamentação deve ser confortável tanto para a mãe quanto para o bebê. A mãe não deve ficar cansada, as costas precisam estar apoiadas e o bebê deve ficar apoiado sobre o colo materno.

•A barriga do bebê deve estar encostada na barriga da mãe. •O corpo da criança deve estar voltado para o corpo da mãe.

•A cabeça, o pescoço e o corpo do bebê devem estar em linha reta, pois o bebê não deve ficar com o pescoço torcido. O bumbum do bebê deve estar apoiado: o uso de almofada ou travesseiro poderá ser útil, neste caso.

•A boca da criança deve estar bem aberta e deve pegar o máximo possível da aréola (área escura do seio) e não apenas o mamilo (bico do seio). Ao olhar para o seio, a mãe deve perceber que há mais aréola visível acima da boca da criança (toda ou quase toda a aréola deve estar na boca do bebê).

•O lábio inferior deve estar virado para fora, lembrando "peixinho". •O queixo do bebê deve estar tocando o seio da mãe.

•Seios grandes ou pequenos produzem leite do mesmo jeito e em quantidade certa para o bebê. O que aumenta a produção do leite é o bebê mamar corre- tamente.

•Toda mãe é capaz de produzir leite, desde que seja orientada por um profissional de saúde. Se você não está conseguindo amamentar, procure ajuda na Unidade de Saúde ou ligue para o PROAMA – Programa de Aleitamento Materno.

•Nunca deixe o seu bebê mamar no seio de outras mulheres, pois há o risco de transmissão de doenças, como HIV/AIDS, sífilis, hepatite, varicela e herpes, en- tre outras.

Confira estas dicasConfira estas dicasConfira estas dicasConfira estas dicasConfira estas dicas

•Se após amamentar o seu filho você ainda tiver muito leite sobrando no peito, poderá doar este excesso para um Banco de Leite Humano. Assim estará aju- dando outros bebês que necessitam do leite materno.

•Se o bebê, após mamar, não soltar o bico do peito, você pode ajudar, colocando o dedo mínimo (desde que esteja limpo) no canto da boca, entre as gengivas, para que ele solte o mamilo sem machucá-lo.

•Após o término da mamada, a mãe deverá segurar o bebê em pé, com a cabecinha dele encostada no ombro dela, até que o bebê arrote. Isso pode auxiliar na redução das cólicas e na prevenção de acidentes provocados por vômitos.

•A mãe não deve sentir dor no mamilo. Se isso estiver ocorrendo, significa que a pega está errada - CORRIJA.

•Para uma "pega adequada" é necessário que a aréola esteja macia, o que pode ser conse- guido com um pequeno esgotamento manual do seio antes de colocar o bebê para mamar.

•A mãe deve ouvir a criança engolindo o leite e não apenas chupando o seio (barulho de

"glut glut " e não de "estalos").

•Se o bebê dorme bem e está ganhando peso, isso indica que está tudo bem com a ama- mentação, fique tranqüila.

Informe-se na Unidade de Saúde mais próxima da sua casa ou telefone para o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico: 3240-5117 ou do Hospital de Clínicas: 3360-1867(de segunda a sexta-feira, das 7 às 18 horas).

Primeiros 6 meses de vida

•Após o segundo mês você pode segurar o bebê na posição de cadeirinha, isto é, coloque o bebê voltado para frente e de costas para você, apóie o bumbum e as pernas dele no seu antebraço. Aproveite para balançar as pernas dele com suas mãos, isto facilitará que ele arrote e elimine gases, diminuindo as cólicas. Essa posição contribui para o desenvolvimento do bebê, mantendo-o alerta enquanto observa o que acontece ao redor dele.

•O bebê nunca deve ser deitado de barriga para baixo. A posição mais segura é colocar o bebê de barriga para cima; essa posição facilita que o bebê possa girar a cabeça, tossir ou chamar a atenção, caso esteja precisando de ajuda.

VocÍ, que trabalha fora, deve estar se perguntando: Como poderei amamentar meu filho por seis meses, se preciso retornar ao trabalho antes desse prazo?

FFFFFique tranquila e sigaique tranquila e sigaique tranquila e sigaique tranquila e sigaique tranquila e siga estas dicasestas dicasestas dicasestas dicasestas dicas:::::

•Quinze dias antes de retornar ao trabalho, você poderá ir esgotando o excesso de leite do seu peito após cada mamada. Leia: PROCEDIMENTOS PARA ORDENHA.

•Quando você estiver fora o bebê poderá receber o seu leite, que deverá ser dado a ele com uma colher ou com um copinho (de 50 ml) descartável, evitando ma- madeira ou chuquinha pelos motivos que você já conheceu até aqui.

•Mesmo depois de voltar a trabalhar, você pode e deve continuar amamentando. Ofereça o peito sempre antes de sair para o trabalho e após seu retorno para casa, quantas vezes a criança quiser.

•Para amamentar o próprio filho, até que este complete seis meses de idade, você tem direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um (CLT artigo 396).

PPPPProcedimentos para a ordenharocedimentos para a ordenharocedimentos para a ordenharocedimentos para a ordenharocedimentos para a ordenha

(Parte 1 de 4)

Comentários