(Parte 4 de 4)

3.7.4.7 Respondente 7 é um pastor com 55 anos de idade casado do sexo masculino.

O respodente 7 enumera as desvantagens da circuncisão, os jovens podem contrair o HIV/SIDA. O material usado não é esterilizado, não usam anestesia para cortar o prepúcio; os jovens são ensinado a fazer o sexo antes do tempo (prostituindo-se), por isso nas zonas existem casamentos prematuros e grávidas indesejadas por causa desses conceitos; perdem os estudos por causa a não observância do horário estudantil; a maioria das canções são aquelas que insultam as mulheres, desvalorizando assim o sexo delas. Eis o Ex. “Athiana yayaraka enttanda hene, anttanda mahi, yayaraka anttanda heni, ephomeee...” que significa “as mulheres quando dão parto começa sair agua e sangue”, isto lesa o interior das mulheres.

Os jovens são chicoteados sem cometer qualquer infracção em todas as manhãs e em todas as tardes, este processo chama se “suafa”; nas canções para a entrega de massa, tem muitos códigos, o iniciado que não conseguir descodificar não tem direitos as refeições, pondo em perigo a vida das crianças; a falta de observância da idade de ingresso aos ritos de iniciação e o tipo de ensinamento que são dados nesta idade não vai em concordância, isto é, as crianças são pequenas demais e os ensinamentos merecem para os adultos. Um jovem de 7 a 9 anos, é ensinado que chegado a casa deve experimentar as relações sexuais para não apodrecer o seu sexo (otatha makurya). Este processo os pais gastam uma determinada soma de dinheiro, que depois deste processo passam fome sem ver o que comer, além de alegria traz tristeza, eles gastam os cereais sem controle.

A maioria dos entrevistados são de opinião que a circuncisão deve ser realizada no hospital, lá tem materiais apropriados para evitar as contaminações de HIV/SIDA. No hospital tem anestesia que ajuda o jovem a suportar as dores. Só que um dos ancião não quero que os seus filhos passem no hospital. Este diz que os médicos não estão preparados para realizar a circuncisão, mas para evitar a contaminação, os Ngalibas devem ser formados em matéria da saúde e tratamento das feridas e a saúde deve dar os materiais para todo processo.

Os Ngalibas são os especialistas para realizar a circuncisão e este é o seu sector de serviço. Se os médicos levarem esta responsabilidade, onde é que os Ngalibas vão trabalhar?

Os ritos devem ser realizados no tempo de férias, para não prejudicar a vida escolar das crianças. O melhor tempo para a realização dos ritos de iniciação é depois de exames de Dezembro, só que neste período a população não tem cereais para suportar as despesas. Por isso, a população realiza os ritos no tempo de colheita, entrando assim em choque com o calendário escolar. Os ensinamentos devem ser em concordância com a educação, isto é, os conteúdos do currículo local.

Os responsáveis devem ser capacitado, do que se deve ensinar nos ritos de iniciação, deve se separar os ritos em duas partes para não entrar em choque entre a idade e os ensinamentos: ritos de puberdade, com os seus ensinamentos específicos e ritos de casamento (lituo), com ensinamentos da vida de um lar. Deve se elaborar um manual apropriado para guiar os líderes da estrutura de Djando, a maneira como deve ensinar as crianças.

3.8 CONCLUSÃO

Esta comunidade inicia os seus filhos para melhor se integrarem na sociedade, tirando o comportamento de nascimento e edificam um novo comportamento para garantir a liderança, aconselhamento, um casamento digno, sustentar a cultura para que os valores culturais não se percam. A circuncisão faz homem, esta passagem é inesquecível na vida de uma pessoa, quem não ser circuncidado não terá uma mulher para casar. Os ensinamentos dão uma identidade nos iniciados em relação a sua cultura, nasce lhe um orgulho de ser um verdadeiro Yão/Macua. Quem não passar nos ritos não pertence à comunidade. Se nesta comunidade estão inserido os Cristão devem ser iniciados para melhor se integrarem, tanto os homens assim como as mulheres merecem este passagem, para que tenham os mesmos hábitos e costumes.

4. CAPITULO IV: Perspectivas Teóricas Práticas Sobre Ritos de Iniciação

4.1 Introdução

No Capitulo 2, o pesquisador investigou e esclareceu o que deve ser aprendido na bíblia mediante um estudo exegético de algumas passagens seleccionadas no Antigo Testamento e no Novo Testamento para estabelecer princípios bíblicos acerca de ritos de iniciação. No Capitulo 3, o pesquisador investigou outras Ciências e outras disciplinas, caso de Antropologia, Psicologia e Sociologia com objectivo de esclarecer o que deve ser aprendido nas outras disciplinas sobre ritos de iniciação. Neste capitulo, o pesquisador pretende esclarecer uma teoria pratica, uma síntese e interpretação da teoria básica e da meta teoria em interacção hermenêutica para propor como a sociedade deve iniciar os seus filhos na comunidade.

4.2 Princípios bíblicos sobre os ritos de iniciação

  • Ritos de iniciação são raro encontrar na bíblia, nem no dicionário mas é importante tratar (cf. 2.2.1).

  • Quando Deus escolheu Israel para seu povo começou ensinar os caminho da vida que deve seguir iniciando-os e constituindo-os um povo eleito (cf. 2.2.1).

  • A circuncisão foi ofereto de Deus, e tinha a característica principal de aliança, que implica o compromisso com o povo de Deus e com Deus ( Gn 17:9-14; cf. 2.2.1).

  • O motiva da circuncisão no Antigo Testamento era atingir o novo nascimento (Dt. 10:16; cf. 2.3)

  • Os incircuncisos estavam fora de aliança de Deus (cf. 2.4)

  • No Novo Testamento, Paulo negou esta distinção de circuncisos e insircuncisos nos olhos de Deus (1Co 7:18; cf. 2.4).

  • Os corações devem ser renovados através da cruz do nosso Senhor Jesus Cristo (Gl 6:12-16; cf. 2.4)

  • Há necessidade de educar os adolescentes (Pv 7:6-7; cf. 2.5.1)

  • A base de educação nos ritos de iniciação é a educação sexual (cf. 2.4.2)

  • A função do sexo antes do casamento, dentro do casamento e fora do casamento (cf. 2.5.3).

4.3 Pontos importantes de outras Ciências

  • O DJANDO e O NSONDO, são os ritos que são mais praticados na Província do Niassa, estes são característicos nas tribos influenciados pela religião muçulmana (cf. 3.1).

  • A educação sexual é reservada para o tempo de iniciação, os pais não falam sobre isso (cf. 3.2)

  • Se o rapaz ou a rapariga não ser iniciado/a é excluído/a, de todas as cerimonias, danças e dificilmente consegue casar (cf. 3.2.1).

  • Na escolha dos jovens para os ritos de iniciação depende da sua vivacidade espiritual e desenvolvimento físico que os mais velhos lhe reconhecem (cf. 3.2.1).

  • Antes do dia de partida, a noite os Ngalibas dançam até amanhecer com os pais e encarregados dos iniciados (cf. 3.2.1)

  • A circuncisão é a operação cirúrgica que consiste na remoção do prepúcio, prega cutânea que recobre a glande do pénis (cf. 3.2.2).

  • Para que os gritos não sejam ouvidos pelos rapazes não iniciados, os Alombues tocam nos tambores e gritos altos (cf. 3.2.2).

  • As navalhas são levadas ao fogo para evitar infecção do HIV/SIDA (cf. 3.2.2).

  • A estrutura responsável do Djando é composta por sete elementos que são: N’galiba, Nakanga, Atchitonombe, Lombwe’Nkulo, Ntomo, N’tchando e Alombwes (cf. 3.2.3).

  • Os Alombwes são confiados para inculcar os iniciados uma série de mitos, tabus e valores da sociedade (cf. 3.3).

  • Durante o tempo de cicatrização os jovens constroem cabanas de capim onde dormirão durante o tempo de administração dos ritos (cf. 3.3).

  • Cada família deve entregar aos ritos alimentação todos os dias (cf. 3.3).

  • Os ensinamentos têm a finalidade de garantir um comportamento seguro dentro da comunidade, paz e felicidade de todos (cf. 3.3.1).

  • Os jovens são ensinados na maneira coma devem encarar a vida matrimonial, aprendem a sofrer (comer pouco e beber menos), levar pancadas, a caçar, não podem roubar, devem ajudar os pais nas actividades caseiras, a fabricar os instrumentos da caça, utensílios, a não bater os filhos dos outros, a se colocar em primeiro lugar nos trabalhos da família, que depois dos ritos devem experimentar as relações sexuais com as moças da mesma idade (cf. 3.3.1).

  • Lá ensinam: o Valor da vida; o respeito; a sexualidade; temperança; o amor, o namoro e o casamento; a responsabilidade; o valor de trabalho; o valor do sofrimento; a coragem; ser social, amor e amizade; os antepassados e a morte (cf. 3.3.1).

  • Para entregar alimentação é necessário entoar pelo menos cinco canções (cf. 3.3.2).

  • As visitas são admitidas desde que satisfaçam correctamente todas as exigências do Djando (cf. 3.3.3).

  • No último dia a cabana é queimada, com todos instrumentos utilizados no Djando incluindo a roupa que os iniciados serviram durante os ritos (cf. 3.3.4).

  • Nos últimos dias ocorre a imposição do novo nome, cada um vai deixar na sua família (cf. 3.3.4).

  • Todos acontecimentos do Djando ninguém deve contar aos rapazes não iniciados (cf. 3.3.4).

  • A duração do Djando depende da cicatrização das ferida, comportamento dos iniciados e alimentação (cf. 3.3.5).

  • Os ritos têm a função de agrupar as ideias da sociedade primitiva e a sociedade actual (cf. 3.3.6).

  • Antes do Djando, os Yãos praticavam Lupanda para os rapazes e Chiputo para as raparigas (cf. 3.3.7).

  • Na província do Niassa, é praticada dois tipos de ritos de iniciação feminina Nsondo para os Yãos e Chiputo para os Macuas (cf. 3.4).

  • Para iniciar as meninas os Yãos usam um ovo quente de pombo para introduzir no orgão sexual da menina e para os Macuas usam o pau como orgão sexual masculino (escultura), para assim mexer o sexo da menina (cf. 3.4).

  • Uma rapariga é reconhecida como ser humano completo, depois de passar nos ritos de iniciação (cf. 3.4).

  • As raparigas são ensinadas que a menstruação nada tem de anormal, mas é um sinal que em breve vai fazer filhos (cf. 3.4).

  • A tatuagem e a Missanga, serve para embelezar a mulher, atrair o marido no acto sexual e serve também para a distinção entre os povos (cf. 3.4.1).

  • As meninas são ensinadas o uso racional de sexo, ser esposa, uma boa mãe, depois de gravidez não pode manter relações sexuais com outro homem, obedecer o marido, agradar sexualmente o seu marido

4.4 Pontos importantes sobre estudo empírico

  • Nos ritos de iniciação são submetidos os jovens de 7 a 10 anos (cf. 3.7.4.1).

  • O Maqueia (farinha) é o instrumento utilizado para abençoar os jovens (cf. 3.7.4.1).

  • O chefe e o operador juntos pedem os antepassados para protegerem os iniciados dos maus Espírito no Djando (cf. 3.7.4.1).

  • O instrumento usado para ver se está aceite ou não pelos antepassados é a cabaça mágica de nome “Ethuo”

  • Depois de um mês a cabana é queimada, os iniciados voltam para casa com um novo nome e uma nova roupa que representa a infância que deixou (cf. 3.7.4.1).

  • A circuncisão é a corte de prepúcio (cf. 3.7.4.2).

  • Na caminhada para se realizar a festa de mel o primogénito leva consigo uma galinha (cf. 3.7.4.2).

  • A circuncisão ajuda para a mudança de comportamento (cf. 3.7.4.2).

  • Os instrumentos não esterilizados podem infectar os iniciados (cf. 3.7.4.2).

  • São ensinados a composição de uma mulher (sexualmente), ajudar outras pessoas, cegar lenha para os doentes e os velhos (cf. 3.7.4.3).

  • Alguns Pastores negam a iniciação dos cristãos e outros estão a favor (cf. 3.7.4.4).

  • A importância da iniciação feminina é ter um conhecimento sobre sua própria cultura (cf. 3.7.4.5).

  • Para alguns Pastores não a importância da iniciação feminina, a Bíblia não fala isso (cf. 3.7.4.5).

  • As missangas e tatuagens são usadas para atrair os homens no acto sexual e embelezar o corpo da menina.

  • Os devem ser iniciados, nesta iniciação, eles aproveitam a circuncisão e a educação (cf. 3.7.4.6).

  • As desvantagens da iniciação: canções que insultam as mulheres, o material usado não é seguro, há chicoteada, há muitos códigos, ensinamento do sexo antes do tempo... (cf. 3.7.4.7).

4.5 A maneira como ensinar os iniciados

4.5.1 Preparação

Primeiro, o chefe tradicional deve aprovar a iniciação. Segundo, deve-se reunir o conselho alargado da comunidade para tratar o assunto em causa. Terceira, formação dos agentes da iniciação em matéria de metodologia de educação tradicional (Formação Humana), aqui deve-se dar ênfase para se ensinar os aspectos positivos e os negativos devem ficar de fora. Quarto, as famílias deve eleger os responsáveis máximos que vão estar em tempo inteiro com os seus filhos.

4.5.2 Agentes da iniciação

  • Os operadores devem ser formados em matéria de pequena cirurgia, para poder operar melhor os seus iniciados sem violência e com uso de anestesia e com instrumentos desinfectados ou fervidos para não contaminar os jovens. O pesquisador não esta de opinião para serem os próprios enfermeiros a fazerem a circuncisão, estes não tem está especialidade, apenas são improvisados, mas, os Ngalibas são os profissionais e este é o seu emprego. A nossa luta não é de desvalorizar os Ngalibas em substituição dos enfermeiros, mas, formar para ampliar os seus conhecimentos;

  • Os padrinhos devem ser humanos, e pessoas com boa vontade, capazes de defender os maus estratos que seu iniciado possa passar;

  • Os mestres devem ter uma formação humana ou religiosa;

  • Para melhor formação, no máximo devem ser 20 a 30 iniciados. Com um espaço satisfatório para albergar no seu tempo de recreação e dormida;

  • Em relação a idade, deve ser de 12 a 15 anos (Ritos de Puberdade) e 20 a 25 anos, Litiuo (Ritos de Casamento);

  • Ensinamentos, devem se elaborar alguns manuais para acompanhar o ensinamento dos iniciados, tudo que se deve tratar lá no Djando deve ser escrito no manual. Deve-se fazer o manual dos ritos da puberdade e o manual dos ritos de casamento, para não contradizer o tipo de ensinamento segundo a idade. No rito de casamento pode-se falar tudo, sobre a vida intima de casais sem reservas. E os ritos de puberdade devem ensinar a boa moralidade da comunidade e o seu relacionamento com o meio;

  • Lugar, não pode ser distante da comunidade, pelo menos 1Km da aldeia, fazem ali as cabanas com lona e bem protegida com o frio e charcos para se protegerem contra as doenças;

  • Tempo de duração, sempre tempo das ferias de Julho e Dezembro, o mais ideal seria Julho, este mês é tempo de colheita, a comunidade tem comida suficiente para suportar o tempo de Djando. Com pelo menos um mês para os rapazes e duas Semanas para as raparigas;

  • As danças devem continuar (Mangandge), estas marcam o inicio da cerimónia, só que o tempo de cerimonias de adoração dos espíritos dos antepassados com farinha (Maqueia), pode-se substituir a adoração de Deu verdadeiro que é o Criador da Terra e Universo;

4.5.3 CIRCUNCISÃO

O Ngaliba deve ser portador de anestesia para não acarretar dores nos iniciados, se não tiver anestesia, seria melhor fazer as 4h de madrugada para não derramar muito sangue. Os instrumentos como a faca devem ser esterilizados para não contaminar os iniciados.

A primeira semana

  1. Os Ngalibas devem assistir os iniciados;

  2. Deve-se fazer as orações de manha e de tarde em substituição de Suafa (um período de maus estrato, os iniciados são maltratados sem justa causa);

  3. Deve-se contar alguns provérbios, comportamentos sociais (um velho experiente deve fazer isso)

  4. Formação Humana.

Segunda semana

  1. Um estudo sobre a biologia da tradição;

  2. Estudo teórico sobre a construção de casas, pesca, agricultura...;

Terceira e a Quarta semana

  1. Instrução pratica;

  2. Assistência aos doentes, maribundos, enterros, urbanização social, pesca, agricultura, construção de algumas cabanas e convivência social;

  3. Nos últimos dias a comunidade prepara a comida suficiente;

  4. Os iniciados devem realizar os exercícios de saltar o fogo;

  5. Depois da cabana ser queimada, todos devem fazer o ultimo banho ritual sem remédio, só apenas com sabão;

  6. Pela manhã vão cantando para a casa do Chefe tradicional, eliminam se cânticos que insultam as mulheres.

Depois de serem integrados na comunidade, as meninas e os meninos não podem ter relações sexuais, não é moral um não casado dormir com uma mulher (cf.2.5.3), isto é reservado no tempo de casamento.

Deve-se abolir as chicoteadas feitas nas formaturas realizadas de manha e de tarde, estas chicoteadas não fazem sentidos nos iniciados. Os iniciados são batidos sem justa causa. Não é da varra que as crianças aprendem. Os responsáveis devem ter bons métodos de transmissão dos conhecimentos sem violência. A violência mostra a incapacidade dos instrutores, isto é, a violência é a técnica dos mais Fracos. A aceitação, compreensão, paciência, compaixão, o amor, muda a maneira de ser da pessoa. Os iniciados são formados à violências e não boas maneiras de vivência na comunidade. Por isso que quando estes saem do Djando alguns são muito arrogante e violentos e outros são demasiado parado, não tem opinião tudo que forem impostas aceitam, isto é, tudo sim, não confrontam. Tudo isto resulta do tipo de formação que eles recebem.

4.6 CONCLUSÃO

O autor espera que o leitor desenvolva as suas capacidades a partir deste modelo de realização dos ritos de iniciação. Os ritos de iniciação são fonte que a comunidade da província do Niassa usa para educação e instrução dos jovens. Estes ritos influenciam a maneira de ser e de estar desta comunidade. Por isso que é importante dar um ponto de vista na maneira como devem iniciar os seus jovens. Em cada rito tem os seus ensinamentos específicos, por isso que os educadores devem separar cada ensinamento na sua fase de vida traçando os objectivos, métodos, técnicas, meios que se deve usar em cada rito.

CAPÍTUL 5

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕE PARA ESTUDOS FUTUROS

5.1 CONCLUSÃO DO CAPÍTULO II

Embora alguns acreditem que hebreu tenham assimilado a pratica da circuncisão, não há evidencias constantes que apoiam esta teoria, o mais provável é que os próprios hebreus tenham, em suas raízes mais remotas da época patriarcal, inserido tal pratica em seus costumes de maneira independente a quaisquer outros povos sendo mantedores dessa tradição em suas praticas religiosas até a presente época. No antigo Israel, a circuncisão tinha se de ser realizada no 8º dia de nascimento. Tem um sentido de um sinal de aliança entre Deus e Abraão e seus descendentes, é um rito de inserção no povo eleito.

Deus terá tornado obrigatória a pratica de circuncisão masculina, para Abraão, um ano antes de nascer Isaac. Todos os homens na casa de Abraão, tanto dos seus descendentes como os independentes, estava incluídos, e todos os seus escravos receberam em si este “sinal de pacto” onde entregava a Deus a sua aliança de carne (anel perpurcial) mostrando a reciprocidade acto de fé em seu corpo.

A desconsideração deste requisito era punível com a morte. A circuncisão torna-se obrigatório na lei dada a Moisés (Levítico 12:2-3), isto era importante que se o 8º caísse no dia de sábado, teria-se de realizar a circuncisão.

Com a fundação do cristianismo, a circuncisão deixou de ser um requisito religioso obrigatório para os cristãos Judeus, embora não fosse expressamente proibida (At 15:6-29). A perspectiva da igreja católica é ao contraria a circuncisão (ritos Judaicos), desde seus primeiros dias. Conforme papa Eugénio IV oficializou na Bula de união com os Coptos, de 1442, a igreja manda todos os seus fieis que... “não pratiquem a circuncisão, seja antes ou depois de Baptismo, pois ponham ou não sua esperança nela, ela não pode ser observada sem a perda da salvação eterna”.

5.2 CONCLUSÃO DO CAPÍTULO III

Ritos de iniciação tem lado positivo que é de educar os jovens sobre a sexualidade, a responsabilidade da mulher para com o seu marido, para com a família do marido e para com as outras pessoas adultas.

O lado negativo dos ritos é de colocar sempre a mulher numa posição de submissão a vontade do marido. Outros ainda defendem que os ritos são positivos porque mantêm uma certa estabilidade social e preservam certos valores. As crianças que saem das zonas rurais cedo, a procura de instituições de ensino, carecem de acompanhamento por parte da família. Os ritos não são absolutamente negativos, na medida em que fornecem algumas informações, mas é preciso inculcar outras formas de educação de jovens.

5.3 CONCLUSÃO DO ESTUDO EMPÍRICO

Esta comunidade inicia os seus filhos para melhor se integrarem na sociedade, tirando o comportamento de nascimento e edificam um novo comportamento para garantir a liderança, aconselhamento, um casamento digno, sustentar a cultura para que os valores culturais não se percam. A circuncisão faz homem, esta passagem é inesquecível na vida de uma pessoa, quem não ser circuncidado não terá uma mulher para casar. Os ensinamentos dão uma identidade nos iniciados em relação a sua cultura, nasce lhe um orgulho de ser um verdadeiro Yão/Macua. Quem não passar nos ritos não pertence à comunidade. Se nesta comunidade estão inserido os Cristão devem ser iniciados para melhor se integrarem, tanto os homens assim como as mulheres merecem este passagem, para que tenham os mesmos hábitos e costumes.

5.4 CONCLUSÃO DO CAPÍTULO IV

O autor espera que o leitor desenvolva as suas capacidades a partir deste modelo de realização dos ritos de iniciação. Os ritos de iniciação são fonte que a comunidade da província do Niassa usa para educação e instrução dos jovens. Estes ritos influenciam a maneira de ser e de estar desta comunidade. Por isso que é importante dar um ponto de vista na maneira como devem iniciar os seus jovens. Em cada rito tem os seus ensinamentos específicos, por isso que os educadores devem separar cada ensinamento na sua fase de vida traçando os objectivos, métodos, técnicas, meios que se deve usar em cada rito.

5.5 CONCLUSÃO FINAL

Os ritos de iniciação são difíceis serem encontrados na bíblia. Mas, na bíblia há indicações de que no Antigo Testamento realizava se a circuncisão somente para os homens, esta servia de aliança com Deus, não só a aliança com Deus mas também serviu para mudança de comportamento. No Novo Testamento, Apostolo Paula nega a distinção entre os circuncisos e os incircuncisos nos olhos de Deus, todo o homem tem o direito de sentir o amor do Pai Celestial, isto é, não há condição para entrar na presença. Deus é Pai, ama a todos sem escolher a raça, cor, etnia, nível académico, a posição social... a salvação é pela graça e não pelas boas obras. Jesus mostra que foi também circuncidado assim como o Profeta Maomé. Jesus quando começou o seu ministério iniciou os seus Discípulos, para conhecerem a palavra de Deus, baptizando em nome do Pai e do Filho e do Espíritos Santo. Estas actividades tem grandes importâncias na vida dos jovens na sociedade, estas, fornecem informações úteis na comunidade por isso devem ser realizadas.

5.6 RECOMENDAÇÃO PARA ESTUDOS FUTUROS

O pesquisador tem a opinião que existe ainda algumas lacunas que precisam serem complementados, este tema é muito vasto, precisa se de alguns autores para escreverem sobre este assunto, esclarecendo melhor a comunidade na maneira que devem realizar os ritos de iniciação, nesta perspectiva, o pesquisador quer continuar estudar este assunto numa maneira didáctica. Pretende estudar os valores positivos dentro da comunidade, excluindo todos os valores negativos. Estes valores úteis serão agrupados num manual na qual vai servir de guião à estrutura responsável do Djando. Nestes manuais constarão os ensinamentos dos ritos de Separação (cerimónias fúnebres), ritos de Agregação (casamento) e ritos de Margem (na gravidez, na iniciação, no noivado, na doação, no segundo parto, no novo casamento e na passagem da segunda para terceira fase de idade).

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.7. REFERÊNCIAS

2.2.6 REFERÊNCIAS

3.6 BIBLIOGRAFIA

AMIDE, J. B. 2008. “wayao’we” no conhecido Niassa: os valores culturais & a globalização. Maputo. Diname.

ANON. Circunsisão. http://pt.Wikipedia.org/wik/circuncisã₤o. Data de acesso: 8 Mar. 2010.

BOHN, P.J. 2004. Metodologia e meios pedagógicos da iniciação cristã. (Em Anon. Iniciação cristã Inculturada. Beira: (centro de formação de Nazaré. p. 95-135.)

CALASTRES, P. 1982. Arqueologia da violência, São Paulo, Brasiliense, p. 80 (em Aranha, M. L. de A. & Martins, M. H. P. 1980-1986. FILOSOFANDO: Introdução a Filosofia, São Paulo-SP-Brazil, , p. 29).

CARVALHO, W. A. Monografia Maçónica: Ritos de Iniciação: uma abordagem antropológica. http://www.freemasons-freemasonry.com/1carvalho.html. Data de acesso: 8 de Março de 2010.

CIPIRE, F. 1996. Educação tradicional em Moçambique. 2ª ed. Maputo: Emedil.

CISCATO, E. 1996. : Iniciação na cultura Lomwe. (Em Anon. Um caminho de educação. Beira: (centro de formação de Nazaré. p. 29-43. )

ELIADI, M. 1958. Ritos de Iniciação: uma abordagem antropologica (em Carvalho, W. A. Monografia Maçônica). http://www.freemasons-freemasonry.com/1carvalho.html. Data de acesso: 8 de Março de 2010.

GEISLER, N.L. 1996. Ética Cristã: Alternativas e sugestões contemporâneas. São Paulo. 1ª edição em Português. Pag 168-175.

GUTHRIE, D. 2006. Gálatas: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição. 192-196.

GWEMBE, E.P. 2004. Da iniciação tradicional africana à iniciação cristã. (Em Anon. Iniciação crista inculturada. Beira: (centro de formação de Nazaré. p. 16-26.)

HABTU,T. 2010 Provérbios, (em Adeyemo, T. Ed. Comentário biblico africano. São Paulo: mundo Cristã. P. 776-815).

HARRISON, K.R. 2006. Jeremias: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição. Pag 55.

HESS, R. 2006. Josué: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição. Pag 106-111.

KALILOMBE, P.A. 2004. Conteúdos para uma iniciação cristã. (Em Anon. Iniciação crista inculturada. Beira: (centro de formação de Nazaré. p. 49-63.)

KIDENER, D. 2006. Génesis: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição.

LUCAS, E. 2004. Fundamentos Teologicos de fundamentos Cristã. (em Anon. Iniciação cristã inculturada. Beira: centro de formação de nazare. P. 80-94).

MACHEL, G. 1990. Português, (em Carrilha, M.J. & Mondlane, S.E. 8ª classe 2ª ed. Maputo: inde).

MARTIN, R.P. 2006. Colossenses: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição. Pag 91-92.

MAULANA, M. 2004. Base biblica da iniciação cristã. (em Anon. Iniciação cristã inculturada. Beira: centro de formação de Nazaré. P.27-34).

MIQUEIAs, M. 1996. Iniciação tradicional evangelizada. (Em Anon. Um caminho de educação. Beira: (centro de formação de Nazaré. p. 179-193.)

MORRIS, L. 1992. 1Corintios: Introdução e comentário. São Paulo. 1ª edição. Pag 89-90.

MURIITHI S.M. 2010. Gênesis, (em Adeyemo, T. Ed. Comentário biblico africano. São Paulo: mundo Cristã. P. 37).

ANEXO 1

QUESTIONÁRIO PARA O INQUÉRITO CONCERNENTE AOS RITOS DE INICIAÇÃO

Por favor responda o questionário seguinte, expondo o seu ponto de vista ou experiências adquiridas durante a vida, ciente de que a sua identificação será mantida em anónimo.

Profissão: __________________

Estado civil: ________________

Sexo: ______________________

Idade: ___ Anos

1. Explique como é que os ritos de iniciação dos jovens são realizados nesta comunidade?

2. Como tem sido a iniciação feminina na sociedade Yão?

3. O que se ensina nos ritos de iniciação?

4. Será que os Cristãos devem ser iniciados? Demonstre o ponto de vista.

5 . Qual é a sua opinião, sobre a importância dos ritos de iniciação feminina?

6. Quais são as vantegens da iniciação dos jovens?

7. Sabemos que, onde há vantagem, tem suas desvantagens, descreve-as.

8. Fala sobre sua opinião, como nós devemos realizar os ritos de iniciação?

9. Para que servem as missangas e as tatuagens?

34

34

(Parte 4 de 4)

Comentários