(Parte 4 de 4)

O governo de Moçambique viu-se então obrigado a assinar acordos com o Banco Mundial e FMI e lançar, em 1987, um “Programa de Reestruturação Económica”, mais conhecido pela sigla PRE, que deveria modificar a política económica de Moçambique e relançar a economia. A primeira medida que o governo tomou foi a desvalorização do Metical que, em cerca de dois anos atingiu mais de 1000%. Ao mesmo tempo, desindexou os preços dos bens de consumo, com excepção dos combustíveis (continuam até hoje, 2007, a ser indexados pelo governo) e do pescado, considerados produtos estratégicos de consumo e exportação (o camarão).

Em breve se seguiu o programa de privatização das empresas estatais e intervencionadas. Uma das medidas tendentes a evitar o empobrecimento generalizado foi a transformação de algumas empresas estatais e bancos em sociedades anónimas, através da atribuição de quotas aos seus gestores, ou mesmo a números maiores de funcionários. No entanto, a maior parte das empresas foram privatizadas segundo as regras do Banco Mundial, que era a instituição mentora deste programa.

3.6 O Multipartidarismo

A Constituição de 1990 introduziu no sistema político moçambicano a possibilidade da organização de partidos políticos que poderiam passar a participar na governação do País.

As primeiras eleições multipartidárias realizaram-se em 1994, com a participação de vários partidos. A Frelimo foi o partido mais votado, passando a ter maioria no parlamento e a constituir governo.

4 Ver também

• Lista dos responsáveis pela administração colonial de Moçambique

5 Referências

[1] http://www.sciencemag.org/cgi/data/1172257/DC1/1 [2] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15340834

[3] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19383166

[4] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21109585

[5] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21453002

[6] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19425093

[8] Department of Arts of Africa, Oceania, and the Americas. Great Zimbabwe (11th-15th century). In Heilbrunn Timeline of Art History. Nova Iorque, The Metropolitan Museum of Art, 2000. (em inglês)

6 Bibliografia

FRENTE DE LIBERTAÇÃO DE MOÇAMBIQUE. História de Moçambique. Porto, Afrontamento, 1971. Disponível em (Consultado em 27 de Fevereiro de 2010)

HEDGES, David (coord.). História de Moçambique: Moçambique no auge do colonialismo 1930- 1961. Vol.2, 2.ª edição, Maputo, Livraria Universitária, Universidade Eduardo Mondlane, 1999.

LAMBERT, Jean-Marie Lambert. História da África Negra, Ed. Kelps, 2001.

NEWITT, Malyn. História de Moçambique. Mem- Martins, Publicações Europa-América, 1997.

PÉLISSIER, René. História de Moçambique: formação e oposição: 1854-1918. 2 vols., Lisboa, Editorial Estampa, 1987-1988

SERRA, Carlos (coord.). História de Moçambique: Parte I - Primeiras Sociedades sedentárias e impacto dos mercadores, 200/300- 1885; Parte I - Agressão imperialista, 1886-1930. Vol. 1, 2.ª edição, Maputo, Livraria Universitária, Universidade Eduardo Mondlane, 2000.

SOUTHERN, Paul. Portugal: The Scramble for Africa. Bromley, Galago Books, 2010.

7 Ligações externas 20 anos de paz em Moçambique - Especial da DW

12 8 FONTES, CONTRIBUIDORES E LICENÇAS DE TEXTO E IMAGEM

8 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem

8.1 Texto

• História de Moçambique Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_de_Mo%C3%A7ambique?oldid=44435399 Contribuidores: JoaoMiranda, Muriel Gottrop, Mschlindwein, Rui Silva, Heitor, LeonardoRob0t, Lusitana, Teixant, Nuno Tavares, Indech, NTBot, RobotQuistnix, Angrense, André Koehne, Leandrod, Agil, Manuel de Sousa, Santosga, Jsobral, Neko, Joseolgon, Gabrielt4e, PatríciaR, LijeBot, Pikolas, João Sousa, Reynaldo, Yanguas, Cadum, Rei-bot, Ródi, Capmo, Luiza Teles, Barão de Itararé, Acscosta, Carlos28, TXiKiBoT, Gunnex, VolkovBot, SieBot, Lechatjaune, Yone Fernandes, Bluedenim, LeoBot, PixelBot, BotSottile, Vini 17bot5, FiriBot, Luckas-bot, J. Patrick Fischer, Jonathan Malavolta, Vanthorn, Salebot, JotaCartas, RibotBOT, Aadivinha, Brasileiro1500, Marcos Elias de Oliveira Júnior, HVL, EmausBot, PedR, PauloEduardo, DARIO SEVERI, Tonton Bernardo, Halwinter, Zoldyick, Dexbot, Legobot, Rodrigolopesbot e Anónimo: 47

8.2 Imagens

Ficheiro:1598_Mosambique_Kaerius.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/1d/1598_Mosambique_Kaerius. jpg Licença: Public domain Contribuidores: Historiccities Artista original: Pieter van der Keere

Ficheiro:Coat_of_arms_of_Portuguese_East_Africa_(1935-1951).svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/ c7/Coat_of_arms_of_Portuguese_East_Africa_%281935-1951%29.svg Licença: Public domain Contribuidores: Own work, based on Flags of the World - Flags of portuguese colonies and Mocambique.jpg. Artista original: Thommy

Ficheiro:Flag-map_of_Mozambique.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4/Flag-map_of_Mozambique. svg Licença: C BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Darwinek

Ficheiro:Flag_of_Mozambique_(proposal_1967).png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f8/Flag_of_ Mozambique_%28proposal_1967%29.png Licença: C BY-SA 1.0 Contribuidores: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-readable author provided. Brian Boru assumed (based on copyright claims).

Ficheiro:Gungunhana.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/95/Gungunhana.jpg Licença: Public domain Contribuidores: ? Artista original: ?

Ficheiro:LocationAfrica.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0f/LocationAfrica.png Licença: Public domain Contribuidores: map adapted from PDF world map at CIA World Fact Book Artista original: see above

Ficheiro:Magnifying_glass_01.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3a/Magnifying_glass_01.svg Licença: CC0 Contribuidores: ? Artista original: ?

Ficheiro:Moçambique_mapa.gif Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3/Mo%C3%A7ambique_mapa.gif Licença: C-BY-SA-3.0 Contribuidores: Portuguese Wikipedia Artista original: André Koehne

8.3 Licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0

(Parte 4 de 4)

Comentários