Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

(Parte 1 de 6)

Temas em Saúde Coletiva 14

A importância desta produção reside na possibilidade de, por meio dela, identificar, dar visibilidade, catalisar iniciativas empreendidas no âmbito dos governos, da sociedade civil e da iniciativa privada em favor da pessoa idosa. São 32 capítulos que versam sobre o histórico, sobre as ações, sobre os resultados e sobre as perspectivas das práticas, refletindo com maior ou menor clareza suas bases teóricas norteadoras e suas motivações para o desenvolvimento delas. São textos diversos que focalizam aspectos variados da atenção ao idoso, expressando a amplitude temática e teórica das ações na área do envelhecimento.

Temas em Saúde Colet iv a

V elhices:

e xper iências e desafi os nas polít ic as do en velhecimento at iv o

Instituto de Saúde 2013 São Paulo

Este livro é o segundo volume correspondente à proposta de organização de uma publicação sobre Envelhecimento que pretendeu focalizar o tema sob três perspectivas: reflexões, práticas e pesquisas. O primeiro volume, organizado pelas pesquisadoras Belkis Trench e Tereza Etsuko da Costa Rosa, publicado em 2011 com o título Nós e o Outro: envelhecimento, reflexões, práticas e pesquisa, abordou o tema de forma eminentemente teórica, trazendo à reflexão algumas facetas do processo de envelhecimento, bem como certas singularidades que só recentemente começam a ter certa visibilidade. Por sua vez, esta publicação é uma expressão dos trabalhos desenvolvidos, no enfoque “amigo do idoso”, no contexto das cidades, bairros, equipamentos de saúde e de outras instituições, bem como uma expressão dos trabalhos desenvolvidos em diversas entidades e instituições de atendimento a idosos.

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

Instituto de Saúde Rua Santo Antonio, 590 – Bela Vista São Paulo-SP – CEP: 01314-0 Tel.: (1) 316-8500 Fax: (1) 3105-2772 w.isaude.sp.gov.br

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Secretário de Estado da Saúde de São Paulo Giovanni Guido Cerri

Instituto de Saúde

Diretora do Instituto de Saúde Luiza Sterman Heimann

Diretora Adjunta do Instituto de Saúde e diretora do Centro de Tecnologias de Saúde para o SUS-SP Sônia I. Venancio

Diretora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento para o SUS-SP Silvia Regina Dias Médici Saldiva

Diretor do Centro de Apoio Técnico-Científico Márcio Derbli

Diretora do Centro de Gerenciamento Administrativo Bianca de Mattos Santos

Coleção Temas em Saúde Coletiva Volume 14 - Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo ISBN 85-88169-01-0 Coleção Temas em Saúde Coletiva ISBN 978-85-88169-21-0

Tiragem: 2000 exemplares

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo.

Organização: Tereza Etsuko da Costa Rosa, Áurea Eleotério Soares Barroso e Marília Cristina Prado Louvison

Edição: Márcio Derbli Fotografia da capa: Belkis Trench

Revisão, Capa e tratamento de imagens: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo

Projeto gráfico, editoração e impressão: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo

Núcleo de Comunicação Técnico-Científica Camila Garcia Tosetti Pejão

Administração Bianca de Mattos Santos

Biblioteca Carmen Campos Arias Paulenas

Conselho Editorial Executivo Ausonia F. Donato Áurea Eleutério Pascalicchio Camila Garcia Tosetti Pejão Carlos Tato Cortizo Carmen Campos Arias Paulenas José da Rocha Carvalheiro Katia Cibelle Machado Pirotta Luiza S. Heimann Márcio Derbli Maria de Lima Salum e Morais Marina Ruiz de Matos Sonia I. Venancio Suzana Kalckmann

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP Núcleo de Documentação e Informação do Instituto de Saúde

384 p(Temas em Saúde Coletiva, 14)

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo / organizado por Tereza Etsuko da Costa Rosa, Áurea Eleotério Soares Barroso e Marília Cristina Prado Louvison. São Paulo: Instituto de Saúde, 2013.

ISBN 978-85-88169-21-0

1. Envelhecimento 2. Política de Saúde 3. Prática de Saúde Pública I. Rosa, Tereza Etsuko da Costa. I. Barroso,Áurea Eleotério Soares. I. Louvison, Marília Cristina Prado. IV. Série.

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

Tereza Etsuko da Costa Rosa

Áurea Eleotério Soares Barroso Marília Cristina Prado Louvison Organizadoras

Instituto de Saúde São Paulo - 2013

Sumário

Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo

Organização: Tereza Etsuko da Costa Rosa, Áurea Eleotério Soares Barroso, Marília Cristina Prado Louvison

Agradecimentos09
Louvison13

Introdução Tereza Etsuko da Costa Rosa, Áurea Eleotério Soares Barroso, Marília Cristina Prado

Artigos Parte I – Experiências no enfoque amigo do idoso

Jayme Kahan e Marialva Carrer da Cruz29

Região Metropolitana da Baixada Santista Amiga do Idoso

Munhoz, Marcos Moura, Silvia Sirera eTerezinha Ortolan39

Atibaia, Bragança Paulista e Socorro Amigas do Idoso: o SUS como plataforma para a implementação de políticas de envelhecimento ativo e ampliação para o Colegiado de Gestão Regional de Bragança Paulista/SP Maria Amélia Sakamiti Roda, Mariangela Verzani Silveiro Pereira, Kelly Janaina

Inês Aparecida de Andrade Rioto e Wagner Rydl Buchmann57

Santo André Amiga da Maturidade

Paulo Alves Rosa e Teruyo Marlene Ueti71

São Caetano do Sul Amiga do Idoso: programas e ações com base no envelhecimento ativo Lucila Rose Lorenzini, Marisa Camposana Catalão, Isumi Higa,

Aparecida Linhares Pimenta e Maria Cláudia Vilela85

Promoção do envelhecimento saudável em Diadema/SP

Antonio Carlos Riani Costa93
Antonio Caldeira Silva e Rita de Cassia Vilela Mendonça103

A Política Municipal de Atenção Integral e Intersetorial para a Pessoa Idosa no município de São José do Rio Preto/SP

Tânia Regina Toledo e Luciana Aparecida Miranda107

Unidades Amigas do Idoso em Guarulhos: práticas transformadoras para o Envelhecimento Ativo Maria Célia Ohara, Zilma Silva dos Santos Nascimento, Selma Carandina Lopes,

e Vera Lúcia Ignácio Molina125

Casa do Idoso - a trajetória da construção de serviços amigos dos idosos na cidade de São José dos Campos/SP Lílian Cesare Costa, Diva Maria da Silva, Mariangela Faggionato dos Santos

Roberto Ramos137

Implantação do Bairro Amigo do Idoso da Vila Clementino do Município de São Paulo/SP Tereza Etsuko da Costa Rosa, Ana Cristina Passarella Brêtas, Tânia Margarete M. Keinert, Francini Novais, Belkis Trench, Marília Cristina Prado Louvison, Áurea Eleotério Soares Barroso, Fernando Bignard, Elaine Cristina Moura, Alexandre Kalache e Luiz

Rubens Casado149

Subprefeitura da Mooca Amiga do Idoso: ações com base no envelhecimento ativo

Christine Brumini e Diego Félix Miguel161

O processo de implantação do Bairro Amigo do Idoso na Zona Norte - São Paulo/SP Carlos André Uehara, Dayana Nicoletti Braga, Andréia Cristiane Magalhães,

Paulo Sergio Pelegrino e Regina Garcia do Nascimento169

Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia “José Ermírio de Moraes” (IPGG-JEM): registro histórico

e Marília Louvison175

Hospital Geral de São Mateus Amigo do Idoso: quebrando paradigmas e construindo o SUS com qualidade e humanização na atenção aos idosos Maridite C.G. de Oliveira, Karin Fatima Silveira, Fernando Bignard

e Rosemary Silva193
Helena Akemi Wada Watanabe e Miriam Masako Kanashiro203

Metodologia para o estabelecimento de critérios para a definição de uma ILPI amiga do idoso

Parte I – Da sociedade civil a outras iniciativas públicas

Gabriela de Carvalho213

Iniciativas voltadas para a Maior Idade empreendidas pela Via Gutenberg Sérgio Castelo Serapião, Paulo Puterman, Daniel Ianae e

Vitória Kachar223

Da Inclusão Digital à Inclusão Social: um percurso de aprendizagens da terceira idade

Sandra Mahecha Matsudo e Maria Goretti Leite235

Alguns caminhos Percorridos à promoção de Atividade Física para Idosos Francini Vilela Novais, Mirella Pinto Valério, Geni de Araújo Costa,

Sandra Kusminsky e Breno Satler Diniz247

As relações afetivas no envelhecimento: uma proposta de intervenção psicoterapêutica Dorli Kamkhagi, Ana Carolina de Oliveira Costa, Deborah Supino,

Renata Cereda Cordeiro253

Serviço de Reabilitação Gerontológica – resgatando a autonomia da pessoa idosa no Lar Escola São Francisco

Diana Blay, Marcel Hiratsuka e Wilson Jacob–Filho273

Centro de Desenvolvimento para Promoção do Envelhecimento Saudável (CEDPES)

Deisy Terumi Ueno e Lilian Teresa Bucken Gobbi283

Atividade física e saúde no envelhecimento: a experiência do Programa de Atividade Física para a Terceira Idade (PROFIT) Sebastião Gobbi, Danilla Icassatti Corazza, José Luiz Riani Costa,

Edelmar Ulrich, Alberto Heizo Horita e Isabella Alvim297

O centro dia – AFAI: Alternativa encontrada por um grupo de familiares para cuidar do idoso fragilizado

Andréa Gadiolli Fidêncio Poscai e José Manoel Rodrigues305
Cecilia Guedes e Maria Beatriz Barbosa321

Adequação das instalações e a gestão do serviço para assegurar mobilidade aos idosos no Metrô de São Paulo/SP

Oscar Del Pozzo337

Movimento Idosos Solidários

Beatriz Vera Pozzi Redko347

Ecobairro: caminhando junto com idosos que residem na Vila Mariana, na cidade de São Paulo

Roseli Viudes353

Casa dos Sábios

Rachel Vainzoff Katz361

Centro de Convivência um novo olhar para o futuro: A experiência da União Brasileiro-Israelita do bem-estar social (Unibes)

Suelma Inês Alves de Deus369

Clube da Melhor Idade Mariama: saúde, negritude e envelhecimento

Dinéia M. A. Cardoso e Maria Luiza da Silva377

Agradecimentos a Alexandre Kalache

Não se pode iniciar este livro sem externar a nossa profunda gratidão ao Professor Dr. Alexandre Kalache e sem contar uma história...

De alguma forma, todos os envolvidos com a construção deste livro tem ligação direta ou indireta com ele ou foi radicalmente influenciado por suas ideias. Alexandre Kalache foi um dos primeiros especialistas a perceber os desafios aos quais todas as sociedades estariam submetidas, mais cedo ou mais tarde, provocados pelo impacto do brutal aumento da expectativa de vida das populações.

Atualmente é consultor internacional, presidente do Centro Internacional de Longevidade (CIL) – ILC-Brazil1, organização parceira do Centro de Estudo e Pesquisa do Envelhecimento (CEPE), vinculado ao Instituto Vital Brazil.

No entanto, a sua aventura biográfica se inicia na Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil, onde se titulou médico e em meados de 1970 deixa o país rumo à Europa, onde ficou por 3 anos, sendo que desses, 13 esteve à frente do Programa Global de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial de Saúde (OMS).

1 International Longevity Centre – Brazil

Prof. Alexandre Kalache

Desde então, Kalache tem sido um dos mais brilhantes pesquisadores do envelhecimento, liderando o processo de transformação do conhecimento nessa área, além de inspirar e estimular estudantes, profissionais e formuladores de políticas a pensar e agir sobre o envelhecimento populacional em todas as regiões do mundo.

Vimos presenciando uma transição demográfica ímpar e irreversível que irá resultar em um importante aumento das populações mais velhas em todos os lugares, mas, principalmente, nos países em desenvolvimento. Assim, Kalache nos alerta que os países desenvolvidos enriqueceram antes de envelhecerem e que em países como os da América Latina está ocorrendo o inverso e que isso tem importantes implicações.

Kalache tem sido um importante e incansável defensor dos direitos das pessoas idosas, propondo a inclusão desse tema nas metas do milênio, o que acabou não ocorrendo. No entanto, atualmente, contribui para a forte presença do Brasil na construção de uma Convenção Internacional dos Direitos dos Idosos.

Todavia, indubitavelmente, a maior e fundamental contribuição de

Alexandre Kalache está relacionada com a idealização e desenvolvimento do conceito de envelhecimento ativo, à época em que dirigia a Unidade de Envelhecimento e Curso de Vida da OMS. O documento elaborado figurou brilhantemente durante a Segunda Assembleia Mundial das Nações Unidas sobre Envelhecimento realizada em abril de 2002, em Madri, Espanha. Nesse contexto, o Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento é lançado com a seguinte premissa:

“Uma sociedade para todas as idades possui metas para dar aos idosos a oportunidade de continuar contribuindo com a sociedade. Para trabalhar neste sentido é necessário remover tudo que representa exclusão e discriminação contra eles.”

Entretanto, o desafio de operacionalizar ações voltadas para a promoção do envelhecimento ativo é imenso e, em 2005, Alexandre Kalache, ao ser chamado para abrir o 18º Congresso Mundial de Gerontologia, no Rio de Janeiro, traz novo combustível a esse motor com o lançamento do

Projeto Mundial Cidade Amiga do Idoso. Assim, as cidades amigas do idoso surgem em diversas regiões do mundo baseadas e contagiadas pelos resultados desse grandioso projeto.

Dessa forma, as ideias e fundamentos do envelhecimento ativo e do enfoque amigo do idoso desenvolvidos por Alexandre Kalache estão presentes na maior parte das experiências representadas neste livro. Portanto, é fundamental trazer à frente dos relatos, os créditos, as referências e a reverência a que ele faz jus. Fica patente o quanto o seu dinamismo tem alavancado essas iniciativas e apresentado resultados concretos na qualidade de vida dos idosos.

A constante presença do idealizador de todo esse movimento, do seu perfil de liderança e participação ativa no desenvolvimento e implementação de diretrizes para as cidades amigas do idoso foram fundamentais para o Brasil e, principalmente para o estado de São Paulo, que, a partir de dezembro de 2012, implantou de forma pioneira o Programa São Paulo Amigo do Idoso, fortemente instigado por ele.

Vale lembrar que esse programa é resultado de uma longa jornada iniciada em 2009, junto ao Programa, na época, denominado Futuridade. Obviamente, nessa época, Kalache já imprimia a sua marca com relação à fundamental importância de ações intersetoriais para a promoção do envelhecimento ativo e o seu tripé Saúde, Participação e Segurança. Não podemos nos esquecer, também, que o seu olhar sempre privilegiou a Saúde e isso foi fundamental para impulsionar a transformação dos serviços (de atenção básica, hospital e instituição de longa permanência) em amigos do idoso, baseados, essencialmente, no manual Age Friendly Primary Care, igualmente por ele desenvolvido.

Externamos os nossos agradecimentos com a certeza de que a sua constante presença está sendo fundamental para o Brasil e, em especial, para São Paulo. Temos a honra de poder compartilhar com um profissional que está ajudando o mundo a traduzir políticas públicas não só para as necessidades do velho e para a velhice, mas sim para toda uma sociedade, o que é uma tarefa extremamente complexa. Tem auxiliado também para ampliar políticas públicas focadas somente na socialização de idosos e em atividades físicas para a terceira idade, para assumir um enfoque que inclua a quarta idade e os cuidados de longa duração como parte das necessidades inerentes ao envelhecimento.

E, por isso, mais uma vez, o felicitamos por seu brilhantismo e suas ideias e a nossa gratidão por compartilhá-las conosco e por fazer parte de nossas biografias!

Tereza E. da C. Rosa Áurea E. S. Barroso Marília C. P. Louvison

Introdução

Envelhecimento ativo: para onde rumar nessa invenção?

Tereza Etsuko da Costa Rosa1 Áurea Eleotério Soares Barroso2 Marília Cristina Prado Louvison3

Ainda vivos, eis a palavra importante. Depois, mais isto: o que ocupa a capacidade de pensamento ainda preservada não é a preocupação com o que existe depois da morte, mas a mobilização dos recursos mais profundos da vida para continuar se afirmando.

(“Vivo até a morte”. Paul Ricoeur)

O conteúdo do presente livro é uma expressão dos trabalhos desenvolvidos, no enfoque “amigo do idoso”, no contexto das cidades, bairros, equipamentos de saúde e de outras instituições bem como uma expressão dos trabalhos desenvolvidos em diversas entidades instituições de atendimento a idosos. A importância desta produção reside na possibilidade de, por meio dela, identificar, dar visibilidade, catalisar iniciativas empreendidas no âmbito dos governos, da sociedade civil e da iniciativa privada em favor da pessoa idosa.

1 Tereza Etsuko da Costa Rosa – tererosa@isaude.sp.gov.br é Psicóloga, mestre e doutora em Saúde Pública. Pesquisadora Científica e professora do Programa de Mestrado Profissional do Instituto de Saúde da Secretaria de

(Parte 1 de 6)

Comentários