Sustentabilidade no setor da construção civil

Sustentabilidade no setor da construção civil

(Parte 1 de 2)

Revista SODEBRAS –Volume 12 N° 136–ABRIL/ 2017

ALINE ANTONIA CASTRO1,2;DAYANA LOUREIRO SEIBERT1;HARYANNE MABEL OLIVEIRA VIEIRA1;MARCUS ANTONIUS DA COSTA NUNES4; MARIA AUGUSTA MINGUTA DE OLIVEIRA3; MARIA DE LOURDES DE OLIVEIRA1,2;MILÂNIA EFFGEN CARAN1 1 - FACULDADE VALE DO CRICARÉ– SÃO MATEUS–ES;2– IFES – CAMPUS NOVA VENÉCIA– ES;3– UNIVERSIDEADE (67$'8$/ DO RIO DE JANEIRO– RJ; 4– COORDENADOR DO MESTRADODAFACULDADE VALE DOCRICARÉ– SÃO MATEUS-ES alineanoniacastro@yahoo.com.br dayanaseibert@hotmail.com hary_mabel@hotmail.com munivc@gmail.com maria.uerj@gamil.com proffisica@hotmail.com milaniacaran@hotmail.com

Resumo -A preocupação com a crescente degradação ambiental faz com que a sociedade busquealternativas, tendo como referência que os recursos naturais se esgotam, adotando práticas ambientais corretas, especialmente no ramo da construção civil, por se tratar de uma área que causa muitos impactos negativos ao meio ambiente. Neste sentido, osSistemas deCertificação de Sustentabilidade Ambiental tem sido cada vez mais utilizados como uma ferramenta em favor da redução dosimpactos negativos gerados pela atividade da construção civil.Como objetivo desta pesquisa tem-se o entendimento quanto à certificação ambiental na construção civil, apresentando sua importância e os benefícios para garantir a sustentabilidade no setor.Serão apresentados, através de pesquisa bibliográfica, os fundamentos das certificações ambientais atualmente em vigor no país, de forma a fornecer conhecimento para assegurar a sua aplicação. Também será feita uma análise da evolução quantitativa das certificações concedidas no país. As Certificações abordadas nesta pesquisa foram: AQUA e LEED.

Palavras-chave: ConstruçãoCivil.Sistemas de Certificação Ambiental. Sustentabilidade.

Abstract - The concern with the increasing environmental degradation causes that the society looks for alternatives, having as reference that the natural resources are exhausted, adopting correct environmental practices, especially in the branch of the civil construction, since it is an area that causes many impacts Negative effects on the environment. In this sense, EnvironmentalSustainability Certification Systems have been increasingly used as a tool in favor of reducing the negative impacts generated by the construction activity. The objective of this research is to understand the environmental certification in civil construction, presenting its importance and the benefits to guarantee sustainability in the sector. The basis of environmental certifications currently in force in the country will be presented through bibliographic research, in order to provide knowledge to ensure its application. An analysis of the quantitative evolution of the certifications granted in the country will also be made. The Certifications addressed in this research were: AQUA and LEED.

Keywords: Civil Construction.Environmental Certification Systems. Sustainability.

A palavra “sustentável” tem origem no latim sustentare, que significa sustentar, favorecer e conservar.

Araújo (2012) ainda apresenta o conceito de sustentabilidade proposto pelo relatório Bruntland, da ONU (Organizações das Nações Unidas), que lançou as bases da economia sustentável a partir do axioma: “Desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações em satisfazer suas próprias necessidades”.

Enfim, a sustentabilidade pode ser entendida como a forma correta de utilizar os recursos ambientais, respeitando os bens naturais e adignidade humana. E o desenvolvimento sustentável é aquele que não promove esgotamento dos recursos naturais, aliando desenvolvimento econômico e preservação da natureza.

Segundo Pinto (1999) apudPicolliet. al.(2010), no país,a construção civil é responsável por consumir cerca de 35%dovolume total de recursos naturais empregados no setor produtivo e de produzir em torno de 40% a 70% de todo o resíduo sólido urbano.Surge, então,como forma de assegurar a sustentabilidade no setor, a Construção Sustentável, como define Araújo:

“Construção sustentável é um sistema construtivo que promove alterações conscientes no entorno, de forma a atender as necessidades de edificação, habitaçãoe uso do homem moderno, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, garantindo qualidade de vida para as gerações atuais e futuras (ARAÚJO, p. 7, 2012).”

Neste sentido, a construção civil tende a adotar ações orientadas para diminuir os impactos negativos, através da introdução de avanços tecnológicosnosempreendimentos, que visem o melhor desempenho em termos de redução do

consumo de água, energia elétrica, emissão de CO2, melhor qualidade interior dos ambientes.

Diante deste cenário, surge a certificação ambiental voltada para a construção civil, como forma de possibilitar a adoção de ações de sustentabilidade, pois, segundo Costa e Moraes(2013), buscar uma indústria da construção mais sustentável é fornecer mais valor, poluir menos, ajudar no uso sustentado de recursos, responder mais efetivamente às partes interessadas, e melhorar a qualidade de vida presente sem comprometer o futuro.

Assim, faz-se necessário conhecer os tipos de certificações que são aplicadas à construção civil no Brasil, bem como as normas que as regem, qual o tipo mais adequadoeos benefícios da aplicação.

I. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1-Panorama Ambiental da Construção Civil

Pinheiro(2003)afirma quea indústria da construção, respondendoàs necessidades sociais e econômicas, cria e implanta infraestruturas (estradas, barragens, linhas de caminho de ferro), zonas urbanas (edifícios e parques), promovendo o crescimento (representava na Europa em 1999–OCDE, 2003 -9,7 % do Produto Nacional Bruto e 7,5 % do emprego) e suporte dos processos de desenvolvimento. As atividades da sua tipologia induzem também, em muitos casos, alterações substanciais no ambiente, incluindo impactos ambientais muito significativos. Em muitos casos, esses impactos, ou pelo menos parte deles, são de carácter negativo e afetam decisivamente o ambiente atual e futuro.

Existem ainda muitos outros problemas ambientais gerados pela má gestão do espaço construído, conforme explicam Costa e Moraes (2013):

-Desmatamento de grandes áreas para ocupação do solo urbano, gerando erosão do solo e risco de escorregamento de taludes, naturais ou artificiais;

-Movimentação de terra, ocupação irregular e impermeabilização excessiva do solo, com consequente aumento do risco de enchentes e alagamentos;

-Aumento da temperatura ambiental e,consequente, aumento do desconforto do usuário, que leva ao crescimento da demanda por ar-condicionado e do consumo de energia elétrica;

-Problemas técnicos causados pelas variações de lençol freático, carga de vento, cargas térmicas e acumulação de água durante precipitações extremas.

Diante deste cenário ambiental negativo que se mostra a construção civil, retratado acima, é urgente a adoção de uma gestão que utilizepráticas adequadas para que o setor possa minimizar os impactos ecológicos negativos. A certificação ambiental vem se mostrando como uma ótima alternativa para estimular a consciência ecológica dos atores envolvidos nas atividades da construção de edificações, tornando-as sustentáveis.

2.2 - Construção Sustentável

Araújo(2012)afirma quea moderna construção sustentável, num ideal de perfeição, deve visar sua auto suficiência e até sua auto sustentabilidade, que é o estágio mais elevado da construção sustentável. Auto sustentabilidade é a capacidade de manter-se a si mesmo, atendendo a suas próprias necessidades, gerando e reciclando seus próprios recursos a partir do seu sítio de implantação.

Uma obra sustentável leva em conta o processono qual o projeto é concebido, quem vai usar osambientes, quanto tempo terá de vida útil e se, depoisdesse tempo todo, ela poderá servir paraoutrospropósitos. Tudo o que diz respeito aos materiaisempregados nela deve levar em conta a necessidadede uso responsável, a energia consumida no processode elaboração de cada componente construtivo,as necessidades de manutenção e, depois, se cadaelemento da construção pode ser reaproveitado,MOTTA (2009).

Neste contexto, surgem os edifícios sustentáveis, que de acordo com Pinheiro (2003), além de reduzirem os impactos negativos durante o processo de execução, também asseguraram grande satisfação aos ocupantes e são de longe mais eficientes de operar e mais saudáveis de utilizar. Na maioria dos casos, dada a sua maior durabilidade e eficiência na utilização dos recursos, as operações e manutenção são mais reduzidas.

Para alcançar a sustentabilidadeambiental das construções, são apresentados nove passos(ARAÚJO, 2012):

-Planejamento do ciclo de vida da edificação –ela deve ser econômica, ter longa vida útil e conter apenas materiais com potencial para, ao término de sua vida útil (ao chegar o instante de sua demolição), ser reciclados ou reutilizados. Sua meta deve ser resíduo zero;

-Aproveitamento dos recursos naturais, como sol, umidade, vento, vegetação-para promover conforto e bem-estar dos ocupantes e integrar a habitação com o entorno, além de economizar recursosfinitos, como energia e água;

-Eficiência energética -resolver ou atenuar as demandas de energia geradas pela edificação, preconizando o uso de energias renováveis e sistemas para redução no consumo de energia e climatização do ambiente (sistemas de ar condicionado, no Brasil, em prédios comerciais, respondem por cercade 35% da demanda energética);

-Eficiência na gestão e uso da água –economizar a água; tratá-lalocalmente e reciclá-la, além de aproveitarrecursos como a água da chuva;

-Eficiência na gestão dos resíduos gerados pelos usuários da edificação;

-Prover excelentes condições termo acústicas, de forma a melhorar a qualidade de vida física e psíquica dos indivíduos;

-Criar um ambiente interno e externo com elevada qualidade no tocante a paisagem local e qualidade atmosférica e elétrica do ar;

-Prover saúde e bem-estar aos seus ocupantes ou moradores e preservar o meio ambiente;

-Usar materiais que não comprometam o meio ambiente, saúde dos ocupantes e que contribuam para promover um estilo de vida sustentável e a consciência ambiental dos indivíduos;

-Resolver localmente ou minimizar a geração de resíduos;

-Estimular um novo modelo econômico-social, que gere empresas de produtos e serviços sustentáveis e dissemine consciência ambiental entre colaboradores, fornecedores, comunidade e clientes.

Para as construções alcançarem o nível a partir do qual possam ser consideradas sustentáveis, deverão passar por um processo de certificação que comprove seu correto desempenho ambiental. A seguir serão apresentadas doistipos de certificações atualmente utilizadas no país.

2.3-Sistemas de Avaliação de Construções Sustentáveis –Tipos

Segundo Vaze Júnior(2011), os Sistemas de

Certificação, com sua abrangência ou limitação, podem prover uma estrutura operacional para verificar se os produtos são manufaturados, processados e distribuídos de maneira sustentável.

Uma certificação adequada pode criardiversas vantagens para a empresa, como:

-Participação em mercados mais seletivos; -Melhoria contínua de desempenho;

-Melhoria da relação da organização com seus fornecedores.

Segundo Motta(2009), as diretrizes para uma construção ser considerada sustentávelsão:

- Eficiência energética; -Uso adequado e reaproveitamento da água;

-Qualidade do ar;

-Uso de técnicas passivas para condicionamentotérmico dos ambientes; -Utilização dos recursos naturais presentes noentorno;

-Uso de materiais e técnicas ambientalmentecorretas;

-Gestão dos resíduos sólidos: reciclar, reutilizar e reduzir; -Conforto e qualidade interna dos ambientes;

-Permeabilidade do solo;

- Acessibilidade;

-Integração dos transportes de massa e oualternativos ao contexto do projeto.

Uma obra sustentável leva em conta o processono qual o projeto é concebido, quem vai usar osambientes, quanto tempo terá de vida útil e se, depoisdesse tempo todo, ela poderá servir para outrospropósitos. Tudo o que diz respeito aos materiaisempregados nela deve levar em conta a necessidadede uso responsável, a energia consumida no processode elaboração de cada componente construtivo,as necessidades de manutenção e, depois, se cadaelemento da construção pode ser reaproveitado.

2.3.1 - AQUA – Alta Qualidade Ambiental

O selo AQUA (Alta Qualidade Ambiental) é coordenado pela Fundação Vanzolini. Foi lançado em 2008, adaptando o sistema francês HQE à realidade brasileira. O processo de certificação é aplicado em todas as fases do empreendimento. A certificação do selo AQUA é concebida ou não ao empreendimento, não havendo níveis intermediários. O sistema é baseado em desempenho, sendo classificado em três níveis: Bom

(práticas correntes, legislação), Superior (boas práticas) e Excelente (melhores práticas).

Segundo a Fundação Vanzoline (2011), os benefícios deste selo abrangem o empreendedor, o comprador e as questões socioambientais.

Como benefícios para o empreendedor pode-se citar: prova e alta qualidade ambiental das suas construções, diferenciar seu portfólio no mercado, aumentar a velocidade de vendas ou locação, manter o valor do seu patrimônio ao longo do tempo, associar a imagem da empresa à AQUA, melhorar o relacionamento com os órgãos ambientais e comunidades.

Para o comprador de imóveis certificados, pode-se citar como benefícios a economia direta de água e energia, menores taxas de condomínio, melhores condições de conforto, saúde e estética, maior valor patrimonial ao longo do tempo.

Já para questões ambientais, os benefícios são o menor consumo de energia e água, redução de emissão de gases do efeito estufa, redução da poluição, melhores condições da saúde nas edificações, melhor aproveitamento da infraestrutura local, menor impacto na vizinhança, melhores condições de trabalho, redução da produção de resíduos, gestão de riscos naturais.

Para obter-se a certificação é exigido um número mínimo de classificação Excelente e um número máximo da classificação Bom, conforme ilustrado abaixo. Para a classificação Bom é necessário atender-se em sete categorias; para a classificação Superior, em onze categorias, e para a classificação Excelente, é preciso, além dos casos anteriores, apresentar mais três categorias, num total de quatorze categorias atendidas.

(Parte 1 de 2)

Comentários