ARCHPRESS: ARQUITETURA E URBANISMO EM PESQUISA

ARCHPRESS: ARQUITETURA E URBANISMO EM PESQUISA

(Parte 1 de 5)

SIMONE ROCHA ANA PAULA DELLA GIUSTINA DEBORA APARECIDA ALMEIDA NEWTON MARÇAL DOS SANTOS JOSIANE LIEBL MIRANDA (Organizadores)

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC

SOLANGE SALETE SPRANDEL DA SILVA Reitora

GABRIEL BONETTO BAMPI Pró-Reitor de Ensino

ITAIRA SUSKO Pró-Reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão

LUCIANO BENDLIN Pró-Reitor de Administração e Planejamento

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - FUnC

ISMAEL CARVALHO Presidente

Simone Rocha

Ana Paula Della Giustina Debora Aparecida Almeida Newton Marçal dos Santos Josiane Liebl Miranda

Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca Central da Universidade do Contestado

Contestado ; organização Simone Rocha[et al.]. –

Archpress : arquitetura e urbanismo em pesquisa / Universidade do Curitibanos, SC : Universidade do Contestado, 2017. 202 f. Inclui bibliografias.

1. Arquitetura – Pesquisa. 2. Ensino superior – Pesquisa. I. Rocha, Simone (Org.). I. Título.

Bibliotecária: Josiane Liebl Miranda CRB 14/1023

APRESENTAÇÃO5
CONSTRUÇÃO DE HOTEL EM CURITIBANOS, SC6
O DESCASO DA ILUMINÂNCIA NA ARQUITETURA ESCOLAR36
OUTRO OLHAR SOBRE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (HIS)49
TERRITORIAL – ESTUDO DE CASO PLANO DIRETOR DE LAURENTINO78
CEMITÉRIOS ECOLOGICAMENTE CORRETOS92
PRESERVAÇÃO E ACESSO À MEMÓRIA URBANA EM SANTA CATARINA117
CIVIL131
FORMA LOGÍSTICA DE INTEGRAÇÃO NO MEIO OESTE CATARINENSE145

SUMÁRIO ANÁLISE DE VIABILIDADE FINANCEIRA PARA INVESTIMENTO NA PROPOSTA CONDOMÍNIO PARQUE PÔR DO SOL, CURITIBANOS – SC: UM A CIDADE OU MUNICÍPIO – O ESTUDO DAS DEFINIÇÕES NA GESTÃO RECICLAGEM E REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO SISTEMA DE INDICADORES DE PERCEPÇÃO SOCIAL DA MOBILIDADE URBANA NO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS/SC: UMA PROPOSTA PARTICIPATIVA ............................................................................................... 179

Arquitetura e Urbanismo tem ligação direta com as pessoas que se ligam as vilas, bairros, cidades e por fim as metrópoles.

De nada adianta na formação profissional apenas a graduação, temos que obrigatoriamente nos inteirar do todo, ou seja, para a boa formação profissional se faz necessário um grupo de Profissionais das mais diversas áreas, e que estes profissionais preferencialmente tenham alguma ou muita experiência dentro das suas habilidades.

Com este pensamento, reunimos alguns bons trabalhos (Projetos

Arquitetônicos), e estes resultaram em artigos, outros apenas artigos dentro com foco na Arquitetura e Urbanismo.

Sabedores que em Arquitetura e Urbanismo as produções desta ordem são muito raras, esperamos ter colaborado para melhorarmos o entendimento de algumas questões importantes em nossas Cidades.

Arquiteto e Urbanista – Sênior

Engenheiro de Segurança do Trabalho Coordenador do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UNC- Curitibanos SC

Harryson Fiorillo Cabral

E-mail: harryfio@hotmail.com

Newton Marçal Santos

E-mail: newtonmarçal@brturbo.com.br

Carlos Eduardo Plens E-mail: cplens@uol.com.br

O objetivo deste trabalho é realizar uma analise de viabilidade econômica e financeira para a implantação de um hotel, no ano de 2016, no município de Curitibanos. Foi efetuada uma fundamentação teórica, com base nas principais ferramentas de análise de investimentos, que apontou para a viabilidade do empreendimento. Tal estudo se baseia na análise de mercado, planejamento de custos de construção e uso e custos de operação do Empreendimento. Com a finalidade de tornar o estudo o mais real possível, foram levantados os dados e custos necessários para a construção do hotel, foi analisada a concorrência e seus leitos ofertados, além dos valores praticados na cidade. Com todos os dados necessários à mão, foi realizada uma projeção do fluxo de caixa do novo empreendimento para os próximos 10 anos de operação sob três cenários: pessimista, provável, e otimista. Desta forma, o fluxo de caixa e os demais estudos apontaram para a total viabilidade do projeto, com base nos principais indicadores de viabilidade, tais como: Valor Presente Líquido, Taxa Interna de Retorno e Payback.

Palavras-chave: Viabilidade. Hotelaria. Hospedagem. Curitibanos. Leitos.

1 INTRODUÇÃO

O turismo tem se destacado como um dos setores mais crescentes e significativos do mundo em virtude da potencial capacidade de geração de empregos e ocupações de vagas na atividade. No Brasil, a melhora das condições econômicas e financeira do povo brasileiro fez o brasileiro viajar mais nos últimos anos. Além disso, segundo Conceição (2012:08), em 2014 o turismo gerou 7 milhões de empregos e foi responsável por 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB), o equivalente a R$ 182 bilhões.

Segundo estudos realizados por Darse Júnior e divulgados na página do IBGE:

No ano da Copa do Mundo, o Brasil registrou a entrada de 6.429.852 turistas internacionais. Pela primeira vez, o país superou a marca dos 6 milhões de estrangeiros. A Argentina continua em primeiro lugar na lista de principais países emissores, com 1.743.930 turistas, seguida dos Estado Unidos (656.801). O Chile (336.950) ultrapassou o Paraguai e assumiu a terceira colocação. (IBGE, 2015)

Em 2016, o Brasil sediará as Olimpíadas, a qual, a exemplo da copa do mundo de 2014, irá atrair uma quantidade ainda maior de atletas, comissões técnicas, imprensa e turistas em escala nunca antes vista no Brasil. Este é o momento certo para o país consolidar uma imagem positiva perante o cenário mundial. Como consequência deste crescimento do turismo, a demanda por hospedagem também aumentará. Já existem grandes investimentos hoteleiros no país e o cenário é muito favorável. O Estado de Santa Catarina, apesar de não fazer parte da região sede das Olimpíadas, sempre teve uma ótima veia turística e recebe muito bem os visitantes do Brasil e do Exterior. Conhecida como a Europa brasileira Santa Catarina oferece surpreendente diversidade de atrativos geográficos e culturais, durante todo o ano, atendendo a todas as preferências e idades.

A cidade de Curitibanos, situada no meio oeste catarinense, centro geográfico do Estado, com acesso às principais rodovias federais BR 116 (norte-sul) e BR 470 (oeste-leste) figura como um enorme potencial logístico e de distribuição de produtos, pela equidistância dos principais centros: Curitiba – PR, Florianópolis e Chapecó - SC, além de Porto Alegre – RS. Curitibanos já vêm percebendo a demanda de hospedagem em virtude do aumento de indústrias instaladas na região, a instalação e estruturação do Campus da Universidade Federal de Santa Catarina, além de empresas de logística que chegam para dividir espaço e a antiga infraestrutura existente na cidade.

Desta forma, potenciais investidores se questionam e buscam respostas para boas perguntas: A alternativa de investimento neste hotel representaria uma possibilidade de ganhos de capital para os investidores? Em havendo viabilidade, quanto custará? E, em quanto tempo será previsto o retorno deste investimento? Para estas e outras questões o estudo visa buscar tecnicamente as respostas.

Santa Catarina conta com um litoral de 560 km de costa caprichosamente desenhada, e possui cerca de 500 praias belíssimas. Já no interior com forte traço dos imigrantes, o cenário alterna paisagens rurais, núcleos urbanos próximos, além de uma beleza natural impressionante: repletas de montanhas, cânions, vales sinuosos, rios e centenas de cachoeiras escondidas na Mata Atlântica mais preservada do País. O frio das regiões serranas catarinenses, já conhecido e amplamente divulgado nos telejornais nacionais torna o local ainda mais charmoso e procurado pelos turistas. Santa Catarina figura ainda como o único estado brasileiro em que neva em todos os anos.

Tantos atrativos tornaram o Estado, à época da colonização, um local propício para os imigrantes, que com o clima mais próximo ao seu clima natal europeu fez de Santa Catarina uma verdadeira colcha de retalhos cultural que trouxe um “tempero” especial à cultura local. Portugueses, africanos, índios, alemães, italianos, ucranianos, poloneses, tiroleses, são as etnias que formaram a “gente catarinense”. Essa herança cultural é imediatamente notável na arquitetura, perceptível nos dialetos e na gastronomia, no folclore, na influência religiosa, no colorido das roupas, e nas manifestações artísticas.

Santa Catarina tem para si os holofotes quando é chegada a época dos festivais que celebram suas tradições, com destaque para a Oktoberfest e demais festas de outubro que fazem da hospitalidade do catarinense uma chancela de excelência. Porém Santa Catarina não vive só de festas, possui um povo trabalhador e uma economia pujante. Sua produção industrial voltada para o mercado interno e tem os seus produtos exportados para 190 países em todos os continentes – Segundo dados da FIESC (2015), Santa Catarina mais que triplicou sua economia nas últimas décadas. E os índices sociais e de qualidade de vida estão entre os melhores do país, comparáveis aos de países desenvolvidos. A página oficial do Estado Catarinense na internet ainda destaca que:

O perfil jovem é outra característica marcante da diversificada população do estado. Hoje, aproximadamente 60% dos habitantes têm menos de 40 anos, sendo que 30% ainda não chegaram aos 20. Por outro lado, apenas 10% dos catarinenses têm 60 anos ou mais. (http://turismo.sc.gov.br/o-estado)

Além de toda a diversidade de atrativos culturais, geográficos e climáticos; dos excelentes índices econômicos e sociais, outro fator é preponderante para a crescente estadual é o perene desempenho do setor turístico em Santa Catarina: aqui, desde sempre, o turismo é levado a sério! A atividade teve um crescimento expressivo nos últimos anos. O catarinense desde cedo, organizou-se em núcleos, que unem cidades em um verdadeiro corredor turístico, onde, ao percorrer as cidades interioranas, por exemplo, o turista pode encontrar placas nas rodovias com mapas de rotas turísticas bem definidas que o convidam a dar mais uma esticadinha no passeio e conhecer os imperdíveis atrativos da cidade vizinha. É claro que, com tanta organização, houve significativos e constantes incentivos e investimentos dos setores público e privado em infraestrutura e divulgação dos destinos, roteiros e produtos turísticos catarinenses pelo Brasil afora.

Municípios e regiões turísticas despertaram para o potencial econômico da atividade. A infraestrutura hoteleira e de eventos acompanhou este desenvolvimento – os bons espaços catarinenses para grandes eventos já superam uma centena e os mais de 2,5 mil meios de hospedagem, somados oferecem cerca de 275 mil leitos. O turismo em Santa Catarina mobiliza mais de 8 milhões de pessoas anualmente – este número inclui os visitantes estrangeiros, brasileiros de outros estados além de catarinenses em viagens dentro do próprio Estado.

Não há dados oficiais consolidados sobre a atividade fora da temporada de verão ou de outros segmentos além dos já citados – como estâncias termominerais, turismo rural, ecoturismo, entre outros. Ou seja: os números do fluxo turístico são ainda maiores e podem alcançar os 10 milhões/ano – quase o dobro da população do Estado, de 6,2 milhões de habitantes, como informa o ultimo censo (IBGE 2010).

O site da incorporadora Brookfield em seu periódico traz a matéria sobre investimentos em hotelaria onde o experiente empresário Antonio Setin recomenda:

O hotel tem algumas premissas: a localização, a operadora hoteleira (que fará a administração do negócio) e o incorporador, diz o presidente da Setin, Antonio Setin, há três décadas atuante nesse mercado. Regiões próximas a corredores corporativos e projetos mistos, com torres residenciais, comerciais e eventualmente shoppings, são especialmente vocacionados para os hotéis por se apresentarem como polos geradores de demanda (COLTRI, 2013)

A cidade de Curitibanos, local destinado ao estudo proposto, que, atualmente conta com uma população, estimada pelo IBGE em 2015, de 39.231 habitantes, aliada as cidades do entorno, desfruta de uma enorme potencialidade a ser descoberta para a área do turismo. O turismo regional, ligado às compras e/ou negócios, já é uma realidade na cidade e, apenas esta demanda, já é suficiente para ocupar intensamente a rede hoteleira atual, que visivelmente necessita de uma maior oferta de leitos. A cidade possui tem uma demanda já consolidada em virtude da migração de alunos, professores e servidores oriundos da implantação do Campus da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC em Curitibanos, além da demanda Empresarial e Industrial, ligadas a expansão da Empresa de Madeiras Berneck e ao Centro de Distribuição das Lojas do Grupo Berlanda.

Na região de Curitibanos, existem ainda grandes potencialidades turísticas, a exemplo de todo o Estado (ambientais, históricas, culturais, econômicas, lazer) porém, ainda pouco exploradas. A região registra um esforço, há alguns anos, em promover o turismo conjugado, reunindo diversas cidades, conforme o exemplo da Rota da Amizade, já mencionado aqui.

A cidade de Curitibanos vem se constituindo, cada vez mais, como um polo industrial ligado à madeira e vem buscando qualificar a mão de obra de sua oferta de serviços, mas o salto esperado acontecerá especialmente na área da educação. A atividade rural tem boa representação pecuária e um ótimo desempenho no setor extrativista, com destaque para o setor madeireiro, e indústrias locais e regionais de derivados, tais como: paineis de madeira, papel e celulose. Poucas cidades podem contar com uma riqueza histórica, cultural e econômica como a de Curitibanos. Como podemos perceber no discurso otimista do então Senhor Presidente Nacional das Câmaras de Dirigentes Lojistas – CNDL, o curitibanense, Roque Pellizzaro Júnior, em texto publicado na página oficial do Município onde descreve:

A cidade vive um momento especial, com investimentos de grande porte em plantas industriais e, em especial, na estruturação como polo educacional – esta é talvez a maior oportunidade de nossa história e também nosso maior desafio. Sem deixar de lado outras atividades importantes como a agricultura, a madeira ou a indústria, que seguem em expansão, a consolidação da cidade como polo educacional. Traz um perfil de desenvolvimento sustentável inédito, fomentando o setor de serviços. (JÚNIOR, 2013).

Porém, para se garantir bons resultados e avaliar os riscos envolvidos, é necessário realizar uma análise do ambiente, identificar o público e suas necessidades e projetar os custos para tal empreendimento.

Face aos bons ventos de desenvolvimento que vêm soprando na direção de

Curitibanos, com a instalação de grandes indústrias de transformação, de logística e distribuição, do polo educacional que ora cria corpo, além claro, da projeção de melhoria nos investimentos em saúde pública com a chegada de um Curso Superior de Medicina, que trará para a cidade um número expressivo de alunos e professores de alto poder aquisitivo que, juntamente com outros cursos já oferecidos pela Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidade do Contestado (Universidade privada), em funcionamento, modificarão sensivelmente a rotina curitibanense.

Na cidade de Curitibanos, existe mercado para um empreendimento hoteleiro com uma boa infraestrutura, porém insuficiente dada a crescente demanda; há carência de espaços adequados para eventos de negócios e um grande potencial para eventos de lazer. Como hospedar bem e oferecer estrutura para tanta gente em trânsito?

(Parte 1 de 5)

Comentários