Análise Termográfica-Termografia

Análise Termográfica-Termografia

Análise Termográfica

Evandro Bertoldi

Leonel Guarnieri Vitor Hugo Zanotelli

Análise Instrumental

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

2. REFERENCIAL 3. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 4. TIPOS DE TERMOGRAFIA 5. VANTAGENS 6. LIMITAÇÕES 7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS 8. APLICAÇÕES 9. EQUIPAMENTOS DE TERMOGRAFIA 10. PROCEDIMENTOS E NORMAS 1. RESULTADOS OBTIDOS 12. MODELO DE RELATÓRIO 13. VÍDEO DE UMA ANÁLISE TERMOGRÁFICA

14. BIBLIOGRAFIA 2

1. INTRODUÇÃO

•A termografia é uma técnica de detecção da distribuição de energia térmica emitida por uma superfície, através da radiação.

•Ensaio não destrutivo.

•Visualizar e gravar diferentes níveis de temperatura instantaneamente.

2. REFERENCIAL

•Radiação Infravermelha.

•Emitida por todo o material ou objeto existente na natureza.

•Radiação não ionizante.

•Além da capacidade humana de visão.

•Ondas longas.

•Percebido como calor.

2. REFERENCIAL

•Radiação Infravermelha. •Sua descoberta vem do ano de 1880.

•Willian Herschel, astrônomo inglês.

•Experimento de Newton do “espectro das cores”.

2. REFERENCIAL •Radiação Infravermelha.

2. REFERENCIAL

•É a medição da gama de radiação emitida pelo objeto, comparado à que é emitida por um corpo negro perfeito com a mesma temperatura.

2. REFERENCIAL

•Corpo negro é capaz de absorver toda a radiação incidente.

•Um corpo negro emissor perfeito, =1.

•Superfícies extremamente polidas (espelho) possui emissividade inferior a 0,1.

•Tinta à base de óleo possui emissividade superior a 0,9.

•Pele humana possui emissividade entre 0,97 e 0,98.

2. REFERENCIAL

9 •Lei de Wien.

•Lei de Stefan-Boltzmann.

2. REFERENCIAL •Lei de Planck.

3. PRINCÍPIO DE

FUNCIONAMENTO •Emissividade do objeto.

•Temperatura aparente refletida.

•Distância entre o objeto e a câmera.

•Umidade relativa.

•Temperatura da atmosfera. 1

4. TIPOS DE TERMOGRAFIA

•Termografia Ativa: •O objeto deve receber um estímulo externo.

•O aquecimento de um material laminado submetido a um ensaio de impacto destacou os defeitos.

•Método aplicado em estruturas de aviões.

•Termografia Passiva:

•O objeto já está com a temperatura diferente da temperatura ambiente.

•É o caso de equipamentos em operação.

•Uma distribuição de temparatura é analisada. 12

5. VANTAGENS

•Fácil medição da temperatura de objetos móveis e de difícil acesso.

•Técnica sem contato, não interferindo com o funcionamento e com o comportamento do elemento a medir.

•Facilidade e rapidez na medição de grandes superfícies.

•Medição da temperatura de vários objetos de forma simultânea.

•Tempo rápido de resposta, permitindo seguir fenômenos transitórios de temperatura.

•Precisão elevada. 13

6. LIMITAÇÕES

•Na Inspeção Termográfica, os principais personagens presentes são: inspetor, termovisor, equipamento sob inspeção, meio ambiente.

•Limitações e características dos personagens envolvidos na inspeção termográfica devem ser consideradas.

6. LIMITAÇÕES •Inspetor.

• É o principal fator de limitação da inspeção termográfica.

•Normas tem sido criadas com a finalidade de orientar no treinamento, qualificação e certificação de inspetores de termografia, e reduzir suas limitações.

6. LIMITAÇÕES

•Termovisor.

• É o principal instrumento de uma inspeção termográfica.

•A temperatura do objeto a ser inspecionado define a faixa de temperatura e a melhor faixa de comprimento de onda que o Termovisor deve responder.

•A distância e dimensão do objeto a ser inspecionado define a resolução espacial e de medida.

•A temperatura do ambiente de inspeção define a faixa de temperatura de operação do Termovisor.

7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS

•O ambiente em que é realizada a inspeção termográfica exerce um importante papel nos resultados obtidos.

•Podem afetar de maneiras diferentes a distribuição térmica dos componentes sob inspeção.

•Atmosfera Terrestre.

•Radiação Solar.

•Vento.

•Chuva e Umidade do Ar.

7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS •Atmosfera Terrestre.

7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS

•Fatores Climáticos. •Radiação Solar.

•Carregamento Solar.

•Reflexo Solar.

7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS

•Fatores Climáticos. •Vento.

7. CONDIÇÕES AMBIENTAIS

•Fatores Climáticos. •Chuva e Umidade do Ar.

8. APLICAÇÕES

•Sistemas Elétricos. •Sistemas Mecânicos.

•Sistemas de Fluidos e Vapor.

•Perdas de Energia (Edifícios, Fornos e Caldeiras).

•Vigilância e Segurança.

•Medicina e veterinária. 2

9. EQUIPAMENTOS DE

TERMOGRAFIA •Termovisor.

9. EQUIPAMENTOS DE

•Resolução Espacial. •Campo de Visão.

•Instantaneous Field Of View - IFOV.

9. EQUIPAMENTOS DE

TERMOGRAFIA •Campo de Visão (Field Of View - FOV).

9. EQUIPAMENTOS DE

TERMOGRAFIA •Campo de Visão (Field Of View - FOV).

9. EQUIPAMENTOS DE

•Campo de Visão (Field Of View - FOV). •1 – Distancia até o Alvo.

9. EQUIPAMENTOS DE

TERMOGRAFIA •Angulo de Visão.

9. EQUIPAMENTOS DE

•Angulo de Visão.

•Variação da emissividade em função do ângulo de observação.

10. PROCEDIMENTOS E

•Diante de todas as influências e limitações da termografia, é fundamental que se tenha procedimentos e normas de inspeção.

•ISO-9712-Non-destructive testing - Qualification and certification of NDT personnel.

•ISO 18436 - Condition monitoring and diagnostics of machines- Requirements for training and certification of personnel.

10. PROCEDIMENTOS E

•ASNT SNT-TC-1A - Personnel Qualification and

Certification in Nondestructive Testing provides guidelines for employers to establish in-house certification programs for the qualification and certification of nondestructive testing personnel.

•ABNT NBR 16.292-Ensaios Não Destrutivos-Termografia-

Medição e compensação da temperatura aparente refletida utilizando câmeras termográficas.

•ABNT NBR 15.424 - Ensaios não destrutivos – Termografia – Terminologia.

1. RESULTADOS OBTIDOS •Sistemas elétricos.

1. RESULTADOS OBTIDOS •Sistemas elétricos.

1. RESULTADOS OBTIDOS •Motores.

1. RESULTADOS OBTIDOS •Edificações.

1. RESULTADOS OBTIDOS •Médico.

12. MODELO DE RELATÓRIO 37

12. MODELO DE RELATÓRIO 38

12. MODELO DE RELATÓRIO 39

13. VÍDEO DE UMA ANÁLISE TERMOGRÁFICA

•Formula 1 Thermal Camera. • https://w.youtube.com/watch?v=tt_uFFU6Npo

14. BIBLIOGRAFIA

•Abende, Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e inspeção; “Fatores Críticos para o Sucesso da Manutenção Preditiva”; Revista Abende, N 14, Ano I – Junho de 2006.

•ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas; “TB-23/91 Lighting Terminology”; Dez/1001.

•ASNT, The American Society for Nondestructive Testing; “Recommended Practice N SNT-TC-1A”; ASNT 2001 Edition.

•Barbosa, L.C.; “Análise dos Resultados da Termografia no DRM.O”; V Seminário Interno DRM.O – FURNAS, 2005.

•Flir; “Manual do Utilizador – Flir IX Series; Publi. No.

14. BIBLIOGRAFIA

•Junior, A. S.; “Estudo da Termografia como uma Ferramenta complementar para Análise das condições de compressores Alternativos”; Monografia de Especialização em Gestão Industrial: Produção e Manutenção; Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2012.

•Mario, M.; “Uso da Termografia como Ferramenta Não

Destrutiva para Avaliação de Manifestações Patológicas Ocultas”; Trabalho de Diplomação em Engenharia Civil; Universidade federal do Rio grande do Sul; 2011.

•Santos, L. dos.; Termografia Infravermelha em Subestações de Alta Tensão Desabrigadas”; Dissertação de Mestrado em Engenharia da Energia; Universidade Federal de Itajubá;

OBRIGADO PELA ATENÇÃO!! 43

Comentários