O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS

O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS

(Parte 7 de 7)

Podem utilizar o NOTIVISA os profissionais de serviços de saúde (hospitais, clínicas, hemocentros, laboratórios, CIAT, dentre outros), Anvisa, vigilâncias sanitárias estaduais e municipais, secretarias estaduais e municipais de saúde, laboratórios de saúde pública, universidades/centros de pesquisa, além dos profissionais que atuam em drogarias e farmácias e em empresas detentoras de registro de produtos sob vigilância sanitária (fabricantes, importadores e distribuidores) e os profissionais de saúde liberais.

Para acessar o Sistema, é preciso se cadastrar de acordo com a categoria do notificante. Por exemplo, profissional liberal deve se cadastrar como profissional de saúde, mas se for um profissional vinculado a alguma instituição/empresa, deve ser providenciado o cadastro institucional.

Segundo Arrais, Sousa e Zannin (2011), a sensibilização dos profissionais de saúde para a notificação voluntária é um fator importante para o sucesso de um programa de farmacovigilância e, portanto, para a garantia da segurança no uso dos medicamentos. O farmacêutico tem um papel decisivo nesse sentido e deve mobilizar os demais profissionais de saúde e os usuários para a notificação de ca-

CAPÍTULO 1 Uso Racional de medicamentos

O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS: diretrizes para ação sos suspeitos. Cabe à vigilância a garantia de resposta aos casos notificados, pois a devolutiva acerca da investigação proveniente da notificação constitui-se respeito ao profissional e estímulo para a realização de outras notificações.

É notável que as notificações realizadas estão gerando investigações que, por vezes, levam à alteração de formulação, posologia, rotulagem e até mesmo suspensão de uso e cancelamento de registro de medicamentos. E isso só está acontecendo porque um caso suspeito foi identificado e notificado, gerando a demanda por investigação e monitoramento da qualidade e da segurança no uso de medicamentos.

ARRAIS, P. S. D.; SOUSA, I. F.; ZANNIN, M. Farmacovigilância. In: Serviços farmacêuticos [Recurso eletrônico] / Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Aberta do SUS. Florianópolis: UFSC, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 nov. 1998. s. 1, n. 215-E, p. 18.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução CNS nº 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 mai. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.254, de 29 de julho de 2005. Constitui Comissão Técnica e Multidisciplinar de Atualização da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – Comare. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 146, 1 ago. 2005. Seção 1, p 73.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Assistência farmacêutica na atenção básica: instruções técnicas para sua organização. 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.533, de 8 de julho de 2009. Institui o Prêmio Nacional de Incentivo à Promoção do Uso Racional de Medicamentos, cujo objetivo é incentivar a produção técnico-científica voltada à promoção do uso racional de medicamentos com aplicação no Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ saudelegis/gm/2009/prt1533_08_07_2009.html>. Acesso em: 05 jul. 2013. 2009a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.981, de 26 de novembro de 2009. Aprova o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 36, 24 fev. 2010. Seção 1. 2009b.

BRASIL. Lei nº 12.401, de 28 de abril de 2011. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a assistência terapêutica e a incorporação de tecnologia em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 81, 29 abr. 2011. Seção 1, p 1-2. 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 123, 29 jun. 2011. Seção 1, p 1-3. 2011b.

CAPÍTULO 1 Uso Racional de medicamentos

O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS: diretrizes para ação

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 834, de 14 de maio de 2013. Redefine o Comitê Nacional para a Promoção do Uso Racional de Medicamentos no âmbito do Ministério da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 92, 15 mai. 2013. Seção 1, p. 34.

CFF. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos: Uma Estratégia do Conselho Federal de Farmácia para Promoção do Uso Racional de Medicamentos. [s.d.] Disponível em: <http://w.cff.org.br/userfiles/Cebrim%20como%20 estrat%C3%A9gia%20para%20promo%C3%A7%C3%A3o%20do%20URM%20(20%20anos)(2). pdf>. Acesso em: 20 jun. 2013.

CFF. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Resolução nº 449, de 24 de outubro de 2006. Dispõe sobre as atribuições do Farmacêutico na Comissão de Farmácia e Terapêutica. Disponível em: <http://w.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/449.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2013.

CFF. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. A Assistência Farmacêutica no SUS. 3. ed. Conselho Federal de Farmácia, Conselho Regional de Farmácia do Paraná; organização Comissão de Saúde Pública do Conselho Federal de Farmácia, Comissão de Assistência Farmacêutica do Serviço Público do CRF-PR. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2011. 60 p.

CFF. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Resolução nº 578, de 26 de julho de 2013. Regulamenta as atribuições técnico-gerenciais do farmacêutico na gestão da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: <http://w.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/578.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2013.

CIPRIANO, S. L.; MOREIRA, R. P. P.; CUNHA, G. W. B.; SFORSIN, A. C. P.; PINTO, V. B. Comissão de Farmácia e Terapêutica. Pharmacia Brasileira, n. 83, 2011 (encarte).

CRF-SC. Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina. O farmacêutico faz a diferença no SUS: orientações aos gestores. 2ª edição revisada. Florianópolis: CRF-SC, 2014. 23 p.

DIEHL, E. E.; LANGDON, E. J. Abordagem cultural da doença e da atenção à saúde e contexto sociocultural do uso de medicamentos. In: Medicamento como insumo para saúde [Recurso eletrônico] / Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Aberta do SUS.- Florianópolis: UFSC, 2011. p. 140-206.

LUZ, M. T. Natural, racional, social. São Paulo: Editora Hucitec, 2012.

MAGARINOS-TORRES, R.; PAGNONCELLI, D.; CRUZ FILHO, A. D.; OSORIO-DE-CASTRO, C. G. S. Vivenciando a seleção de medicamentos em hospital de ensino. Rev. bras. educ. med., v. 35, n. 1, p. 7-85, 2011.

MARIN, N.; LUIZA, V. L.; OSORIO-DE-CASTRO, C. G. S.; MACHADO-DOS-SANTOS, S. (org.). Seleção de Medicamentos. In: MARIN, N.; LUIZA, V. L.; OSORIO-DE-CASTRO, C. G. S.; MACHADO-DOS-SANTOS, S. (org.). Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003.

MENDES, S. J. Capacidade de gestão municipal da assistência farmacêutica: avaliação no contexto catarinense. 2013. 239 p. Dissertação (Mestrado em Farmácia) - Programa de Pós-Graduação em Farmácia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

OLIVEIRA, J. C.; GROCHOCKI, M. H. C.; PINHEIRO, R. M. Seleção de medicamentos. In: Serviços farmacêuticos [Recurso eletrônico] / Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Aberta do SUS. Florianópolis: UFSC, 2011.

SANTANA, R. S. Seleção de medicamentos: indicadores, estratégias de implantação e contribuições para o Sistema Único de Saúde. 2013.p 102. Dissertação (Mestrado em Farmácia) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, 2013.

CAPÍTULO 1 Uso Racional de medicamentos

O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS: diretrizes para ação

SANTOS, R. I.; LEITE, S. N. Assistência farmacêutica e direito social à saúde. In: CORDEIRO, B. C.; LEITE, S. N. (Org.). O farmacêutico na atenção à saúde. 2. ed. Itajaí: UNIVALI, 2008, v. 1, p. 41-53.

SHUHMACHER, M. B. Fundamentos do Uso Racional de Medicamentos. Módulo 1 - Curso de Uso Racional de Medicamentos. Instituto Salus: Campo Grande, 2012. 63 p.

SOARES, L.; DIEHL, E. E.; LEITE, S. N.; FARIAS, M. R. A model for drug dispensing service based on the care process in the Brazilian health system. Braz. J. Pharm. Sci., v. 49, p. 107-116, 2013.

VEBER, A. P.; DIEHL, E. E.; LEITE, S. N.; PROSPERO, E. N. S>. Pharmaceutical assistance in local public health services in Santa Catarina (Brazil): characteristics of its organization. Braz. J. Pharm. Sci. [online], v. 47, n. 1, p. 75-80, 2011.

VIDOTTI, C. C. F.; HOEFLER, R.; SILVA, E. V.; BERGSTEN-MENDES, G.. Sistema Brasileiro de Informação sobre Medicamentos – SISMED. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, p. 1121-1126, 2000.

WANNMACHER, L. Medicamentos essenciais: vantagens de trabalhar com este contexto. Brasil: OPAS/OMS, 2006.

WANNMACHER, L.. Importância dos Medicamentos Essenciais em Prescrição e Gestão Racionais – Tema 2. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. p. 16-21.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Uso racional de los medicamentos: informe de la Conferencia de Expertos, Nairobi, 25-29 de noviembre de 1985. Ginebra: OMS, 1986. 304 p.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Promoción del uso racional de medicamentos: componentes centrales - Perspectivas políticas de la OMS sobre medicamentos, n. 5, septiembre de 2002. 6p. Disponível em: <http://apps.who.int/medicinedocs/en/d/Js4874s/5.html#- Js4874s.5>. Acesso em: 20 jun. 2013.

CAPÍTULO 1 Uso Racional de medicamentos

(Parte 7 de 7)

Comentários