Trabalho de Conclusão de Curso. Rubens

Trabalho de Conclusão de Curso. Rubens

(Parte 4 de 4)

, o método mais usual e econômico hoje.

Simplicidade e Praticidade

Viabilidade Técnica

Custo-Benefício

43 4.5TIPO DE SOLO ENCONTRADO “IN SITU”

Em resposta ao ensaiode investigação dosubsolo, tem-sea identificação do tipo de solo, um quesito bastante importante paraerguer aconstrução. Diante das informações coletadas no questionário observou-se queo solo encontrado pôde seranalisado por local e profundidade sendo classificado em62% argiloso, 29%

argilo-arenosoe 9% de solo silte-argiloso( Gráfico 4)

. Gráfico4–Tipo de Solo encontrado "in situ"

Fonte: Autoria própria

Embora sejanecessária a realização das sondagenspara identificaçãodo subsolo,seu perfil, sua capacidade de carga, bem como sua estratificação, as empresasque não realizaram a sondagemrelataram que pelaexperiência em obras próximas dentro da própria Universidade o perfil do solo nessa localidade da cidadeé bastante semelhante. Essainformação foiconfirmadapor fiscais de obra da própria instituição pelo mesmo motivo,conhecimento prático ou empírico. Algumas informações desse solo tambémpodemser encontradas emrelatórios de levantamentoexploratório feito pela EMBRAPA, IDEMA e CPRMna cidade de Mossoró-RN. O solo argiloso foi o predominantena área da UFERSA, o queconcordacom aoafirmarqueamaior parte do solo Nacional é do tipo argiloso.O solo argiloso apresenta-se menos suscetível a recalquesimediatos, devido sua maior impermeabilidade, boa plasticidade e viscosidade e, portanto o solo preferido

9% Argiloso

Argilo-arenoso Silte-Argiloso

para os demais setores da ConstruçãoCivilconformeCampos( 2009 )

.Isso pôde ser constatadopelas empresas questionadas,uma vez que o solo argiloso é abundante na regiãoe,devidoa grande experiência em trabalhosde Construção Civil com este tipo de solo acaba facilitando a aplicação da obrasobre este.

Não analisar e reconhecer o solo traz um risco muito grande e o esforço que ele requer para suportar cargas, somado às variações de umidade que suporta, sempre é necessário seravaliado.

4.6IMPORTÂNCIA DO ESTUDO GEOTÉCNICO

Segundoas respostas fornecidas pelas empresas a exploração prévia do solo permite encontrar o melhor solo para atribuir uma obra, dimensionar a estrutura adequada viabilizando os custos, ou mesmo projetar a fundação adequada àquele solo e ainda obter parâmetros essenciais como a localização do lençol freático,perfil e resistência ao sofrer esforçosgarantindo a segurança da obra.

Dentre os demais pontos mencionados pelas empresasforamobservados três quesitos prioritários para a realização da investigação: Segurançae previsão de problemas na estabilidadeda obraaparecemcom37%, redução dos custos

com8%, projeção da fundação adequada ( suporte de cargas) com 5% ( Gráfico 5 )

. Gráfico5–Importância do estudo geológico do solo

Fonte: Autoria própria segurança e previsão de problemas na estabilidade da obra projeção da fundação adequeda redução dos custos

O estudo do solo é de fundamental importância para que a construçãonão possa trazer desdobramentos inesperados que possam vir afetar a própria obra, a sociedade e, logicamente a própria natureza. Isso tudo écorroboradopor PINTO

, ao afirmar que se deveatentar as características que constituem a mecânica dos solos, não se restringindo apenas a propriedades do solo, mas também justificar o seu comportamento e apresentar soluções a reais problemas solo-obra.

Nesse contexto,a grande maioria das empresas hoje deve considerara detenção de informação geológica como fator estratégico a sua gestão, assim podemdefiniros melhores procedimentosde execução da obra, já que é inconveniente realizar uma obra de qualquer porte sem a realização do estudo

geológico adequado, concordando comDas ( 2012 )

46 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estudo investigativo do solo prévio a aplicação de obras verticais na

Universidade Federal Rural do Semi-Árido na cidade de Mossoró-RN,não está seguindo o padrão realizado em todo o território nacional segundoa literatura.

O método mais utilizado pelas empresas foi o ( SPT )

, por ser prático e eficiente na obtenção dos parâmetros essenciaisao conhecimento do solo que se vai construir a obra.

O solo encontrado no Campus Mossoró-RN é abundante na região e, por ser do tipo argiloso emseu maior volumetorna-se bastante usualo que facilitaa construção das obras.

Os problemasencontrados no soloestão relacionados ao nível do lençol freático.

Algumasobras de menor porte com apenas um pavimento, usaram de estudosempíricosdo solo já existentes dentro da Instituição. Outras como é o caso do prédio de quatro pavimentos buscou-seoptar para o que existe de mais moderno hoje no setor, realizando estudo do solo terceirizado,e aplicação deprémoldados o que diminui os custos em longo prazo.

Diante do crescimento da UFERSA, há necessidade de mais estudos geotécnicos evitando os métodos empíricos ou critérios de experiência em obras anteriores.

47 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT-ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ( Brasil) ( Org. )

. NBR –6484–Sondagem de Simples Penetração/ 2001. Disponível em: < http://www.deinfra.sc.gov.br/jsp/relatorios_documentos/doc_tecnico/download/enge nharia_rodoviaria/Intrucoes_Normativas_para_Execucao_de_Sondagens.pdf >. Acesso em: outubro 2014.

BASTOS, Cezar. Prospecção geotécnica do subsolo, Universidade Federal do Rio Grande–Escola de Engenharia. Rio Grande 2005.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS E RODAGEM.213/94.Solos- Determinaçãodo Teor de Umidade, 1994. 3 p. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/normas/DNER-ME213-94.pdf. Acesso em: Outubro 2014.

BOTELHO, M. H. C; CARVALHO, L. F. M. 20 soluções de fundações. São Paulo: Edgar Blucher, 2007.

CAMPOS, Iberê M.Conheça Os Três Tipos Principais De Solo: Areia, Silte E Argila.Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura IBDA, 2009. Disponível: <http://w.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=9&Cod=59>. Acessoem: outubro 2014.

CAMPOS, Iberê M.Tipos De Solo E Investigação Do Subsolo: Entenda O Ensaio A Percussão E Seu Famoso Índice SPT. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura IBDA, 2009. Disponível: <http://w.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=9&Cod=126>. Acesso em: outubro 2014.

CAPUTO, Homero P.Mecânica Dos Solos E Suas Aplicações–Fundamentos, vol. 1/ 6° Edição. Rio de Janeiro, RJ: LTC-Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1988.

CAPUTO, Homero Pinto.Mecânica Dos Solos E SuasAplicações, vol. 2/ 6°Edição. Rio deJaneiro: LTC Ed., 2003. 498 p.

48 CATARINO, Bruno Fernandes da Silva Pires Rua.Estudo da Relação Solo-

-Curso de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia Universidade do Porto, Porto, 2009.

Dias Ribeiro, T. y Herzer Quintana, L.:"Patologias das fundações",em Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 200, 2014. Texto completo em: <http://w.eumed.net/cursecon/ecolat/br/14/patologias-fundazoes.hmtl>. Acesso em: Janeiro 2015.

Fundações. Notas de Aula, Curso de graduação, Escolade Engenharia de São Paulo-USP, 1972.

GUERRA, Daniel. O Chão Exige Muito Cuidado ( 2011 )

. Disponivel em:<http://w.cristianepoleto.com.br/mostra_noticias.php?id=200>. Acesso em: Setembro 2014.

Jornal O Mossoroense. “População mossoroense aumenta cerca de 60 mil pessoas nos últimos 10 anos”. 29 de Agosto de 2014. Disponível em: <http://omossoroense.uol.com.br/index.php/o-jornal/cotidiano-mobile/68048- populacao-mossoroense-aumenta-cerca-de 60-mil-pessoas-nos-ultimos-10-anos>. Acesso em: Setembro 2014.

LIRA, Jordana Barbosa Soares de.Importância De Estudos Geológicos Para A Prevenção De Problemas Na Engenharia Civil. Angicos, RN: UFERSA, 2013. 38 f.: il.

MACIEL FILHO, Carlos Leite.Introdução á Geologia de Engenharia. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2007.

MARINHO, Celia AparecidaSilva.Estudos Geológicos Geotécnicos do AHE

-Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2007.

MATIAS, Maria da Conceição Bezerra da Silva.ATRIBUTOS QUÍMICOS E

BIOLÓGICOS DE UM LATOSSOLO AMA RELO.Dissertação ( Mestrado )

- Curso de Agronomia, Universidade Federal do Piauí, Terezina, 2006. 47 f.

MELLO, Victor F. B.; TEIXEIRA, Alberto H..Mecânica Dos Solos, Fundações E Obras De Terra. São Paulo: Escola de Engenharia de São Carlos, 1960.

MENEZES, Moacyr Schwab de Souza.Sondagens de simplesreconhecimento com SPT-Considerações sobre correlações e confiabilidade–Associação

Brasileira de Engenheiros Civis( ABENC-BA )

. Salvador, 13 de maio de 2011.

Disponível em: < http://www.abencba.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=351:sondagens-desimples-reconhecimento-com-spt-consideracoes-sobre-correlacoes-econfiabilidade&catid=13:artigostecnicos&Itemid=87> Acesso em: outubro 2014.

. Projeto Cadastro de Fontes de Abastecimento por Água Subterrânea-Diagnóstico do Município deMossoró.Recife,2005.

M.DIAS, BRAJA. Fundamendos de Engenharia Geotécnica. Tradução da 7ª edição norte-americana, Cengage Learning Editora, 2012.

Notas de aula professor Maragon. Disponível em: <http://w.ufjf.br/nugeo/files/2009/1/GF03-Par%C3%A2metros-dos-Solos-para- C%C3%A1lculo-de-Funda%C3%A7%C3%B5es.pdf>. Acesso em: Novembro 2014.

PINTO, CarlosdeSouza.Curso Básico dos Solosem16Aulas.3ª Edição, São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

QUEIROZ, R. C.Geologia e Geotécnica Básica para Engenharia Civil. São Carlos/SP: Rima, 2009.

SAMPAIO, Dennys.O Solo E A Construção Civil ( 2011 )

SILVA, I; COSTA, S. A Importância Da Relação Solo-Fundação Para A Construção Civil No Município De Itabuna – Ba. Diálogos E Ciências, dezembro 2010. Disponível em:<http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_content&task=view&id=249&Ite mid=67>. Acesso em: Setembro 2014.

TEIXEIRA, W.; MOTA, C.; FAIRCHILD, T.; TAIOLI, F.Decifrando a Terra.São Paulo,SP: editora USP,2000.

(Parte 4 de 4)

Comentários