90000004-ebook-pdf - Amendoim

90000004-ebook-pdf - Amendoim

(Parte 2 de 4)

O espaçamento 0,3 m x 0,2 m também é recomendado e, por ser mais adensado, requer maior quantidade de sementes para o plantio, com a vantagem da redução no número de capinas e maior produtividade.

No espaçamento de 0,7 m entre as fileiras a produtividade é menor mas facilita o controle mecânico das plantas daninhas.

O amendoinzeiro é sensível à deficiência de oxigênio no solo?

A aeração e a boa drenagem são de fundamental importância para a cultura do amendoim. Solos bem drenados favorecem a aeração adequada, de modo a permitir o suprimento de oxigênio (O) para as raízes e vagens, e de nitrogênio (N), para a fixação simbiótica.

A drenagem e a aeração favorecem o desenvolvimento e o crescimento de frutos e de raízes, que necessitam de oxigênio para dar curso aos processos metabólicos. Geralmente, há necessidade de pelo menos 10% a 12% de O no solo para o bom desenvolvimento das raízes e das vagens.

Entre os macronutrientes, quais os mais importantes para produção e qualidade do amendoim?

Todos os macronutrientes são importantes na fisiologia de crescimento e desenvolvimento do amendoim e, junto com os micronutrientes, funcionam em harmonia na produção e na qualidade dos frutos. Quanto aos aspectos de qualidade e de quantidade de frutos por planta, os macronutrientes que melhor respondem a essas necessidades são o fósforo (P) e o cálcio (Ca).

O fósforo é considerado como o principal fator de produtividade da cultura, embora seja requerido em menores quantidades, aumentando a eficiência reprodutiva e o enchimento dos frutos. Por sua vez, o cálcio influencia tanto na reação do solo quanto na fisiologia da planta.

Uma vez incorporado ao solo, o cálcio controla o pH, prevenindo o acúmulo de alumínio (Al), promovendo ambiente favorável para o desenvolvimento da microflora e aumentando a disponibilidade de muitos elementos essenciais.

Na planta, o fornecimento de cálcio contribui para o aprofundamento das raízes, resistência do ginóforo (alongamento do eixo floral), tamanho das sementes, enchimento das vagens e redução de incidências da doença podridão-das-vagens, causadas principalmente por Pythium myriotylum, Rhizoctonia solani e Fusarium spp.

Nota: há registro de elevação na produtividade da cultura, em função da adubação fosfatada, entre 20% e 54% no Sudeste, e de 40% e 50% no Nordeste.

Como escolher uma área adequada para cultivar amendoim?

A escolha da área para plantio de amendoim é um dos passos mais importantes para conseguir boa produtividade e evitar problemas

de erosão do solo. Devem-se preferir áreas de solo mais fértil, Arenoso ou Franco-Arenoso, com pH próximo da neutralidade e com boa drenagem, a fim de evitar encharcamento, que pode causar danos ao crescimento do amendoinzeiro.

Qual o tipo de solo ideal para plantio de amendoim?

Como o fruto do amendoim (a vagem) desenvolve-se debaixo do solo, a planta precisa de solo mais leve, condição encontrada nas terras arenosas ou Franco-Arenosas. Solos mais pesados (argilosos) permitem bom desenvolvimento da planta, mas no momento da colheita, as perdas de vagens são maiores.

A acidez do solo influi na produção de amendoim? Qual o pH ideal?

Sim. Em solos ácidos, geralmente o molibdênio (Mo) e o fósforo

(P) tornam-se indisponíveis. Junto com a deficiência de cálcio (Ca), o cultivo em solos ácidos invariavelmente reduz a formação e o enchimento dos frutos, resultando em grande porcentagem de vagens chochas no final do ciclo e em maior vulnerabilidade ao ataque de pragas e doenças.

Para resolver o problema, faz-se uma calagem com calcário dolomítico, 45 a 60 dias antes do plantio em condições de solo úmido. A faixa de pH ideal para a cultura situa-se entre 6,0 e 6,5.

Qual a época apropriada para o plantio do amendoim?

Depende da cultivar a ser plantada. Cultivares precoces (3 meses) geralmente são plantadas em meados da estação das chuvas, para aproveitar ao máximo a precipitação pluvial durante as fases de florescimento e enchimento dos grãos.

Onde o período chuvoso é mais longo, ou em plantio irrigado, é preciso planejar a semeadura, para que não haja perdas por germinação de sementes nas vagens e a colheita ocorra em época seca, para garantir a secagem da produção e evitar problemas de doenças nas vagens.

Independentemente do manejo, o cultivo deve ser planejado, para se evitar excesso de umidade nas vagens durante a colheita. Nas condições do Estado de São Paulo, o plantio pode ser feito em duas épocas: a primeira inicia-se em setembro/outubro ("safra das águas") e, a segunda, do final de janeiro a fevereiro ("safra da seca").

Nas condições do Nordeste, onde predomina o amendoim de porte ereto e de ciclo curto, o cultivo é feito no ciclo das águas, ajustando-se o plantio ao curto período chuvoso da região.

No Centro-Oeste, o plantio é feito imediatamente após colheita do milho e da soja, predominando as cultivares rasteiras.

Qual a quantidade de sementes necessária para se plantar 1ha de amendoim?

Depende do tamanho da semente da cultivar e do espaçamento adotado. Para as cultivares do tipo Valência (Tatu, BR 1, BRS Havana, etc.), a quantidade de semente encontra-se descrita na Tabela 1.

Em caso de espaçamentos mais adensados, a elevação do custo de produção, devido à maior quantidade de sementes, é compensada pela redução dos tratos culturais e maior rendimento.

0,70 m x 0,20 m64 143.0 1,7
0,50 m x 0,20 m90 200.0 2,1
0,30 m x 0,20 m150 3.3 3,2
Espaçamento Sementes/ha Densidade Produtividade média
(kg) (plantas/ha) (t/ha)

Nota: em qualquer espaçamento, recomenda-se deixar duas plantas por cova.

Tabela 1. Espaçamento, quantidade de sementes, densidade populacional e produtividade estimada de amendoim em vagens, para padrão do tipo Tatu.

16Qual a recomendação de espaçamento para as cultivares rasteiras?

Em termos de massa vegetativa, as plantas rasteiras têm maior configuração espacial. A partir de 60 a 70 dias de cultivo, as ramas laterais dessas plantas podem atingir comprimento entre 80 cm e 1 m.

Para cultivares com esse hábito de crescimento, o espaçamento varia de 80 cm a 90 cm entre linhas, com densidade de semeadura de 12 a 15 sementes por metro.

Pode-se recomendar desbaste para a planta de amendoim?

Não. Diferentemente de outras culturas, como a mamoneira, em que se recomenda deixar apenas uma planta por cova, para o amendoim não se faz desbaste ou raleamento, por ser uma atividade dispendiosa e pelo dano causado ao sistema radicular da planta.

Assim, recomenda-se distribuir apenas duas sementes por cova. Com isso, economizam-se sementes.

A que profundidade deve ser feita a semeadura do amendoim?

Para o plantio manual ou em sistema mecanizado, a semeadura deve ser feita em profundidade média de 5 cm. Semeadura feita próxima à superfície, embora acelere a emergência, pode comprometer a germinação (caso ocorra estiagem), devido à rápida secagem da camada superficial do solo, principalmente em se tratando de solos arenosos.

Em semeadura rasa, ao se aplicar herbicida, a semente pode ser atingida (contaminada) por esse produto. Se o plantio for feito em grande profundidade, é provável que muitas plantas não consigam emergir.

A semeadura de amendoim pode ser feita com semeadora tico-tico?

Sim. O pequeno produtor pode semear o amendoim com auxílio da semeadora tico-tico. Para isso, ele deve ajustar o registro da máquina ao tamanho da semente.

Essa semeadora é de fácil uso. Além disso, ela aumenta o rendimento de mão de obra e reduz os custos de produção. Com ela, uma pessoa é capaz de plantar cerca de 30 kg de sementes de amendoim por dia.

As plantas de amendoim recém-germinadas são tolerantes à seca?

Sim. Contudo, nas 2 semanas após a germinação, deve haver umidade no solo, para que as plântulas de amendoim desenvolvam o sistema radicular em profundidade. Por isso, para não comprometer o crescimento e o rendimento da lavoura, recomenda-se só fazer o plantio quando a estação chuvosa estiver bem estabelecida, com baixo risco de ocorrência de veranicos.

Nas outras fases de crescimento, a cultura apresenta-se tolerante à seca, com queda de produção especialmente se o déficit hídrico ocorrer na fase de florescimento.

É recomendado fazer o replantio de falhas de germinação no campo de produção de amendoim?

Não. A semeadura de replantio – que deve ser feita cerca de 7 a 10 dias do plantio – atrasa o crescimento em relação ao primeiro plantio e, consequentemente, a colheita.

Além do gasto com sementes e com mão de obra, o sombreamento das plantas mais velhas – e a competição com plantas daninhas – são fatores limitantes à produção de replantio, o que não justifica essa prática.

Para se evitar falhas no campo, é importante que o produtor tenha conhecimento do lote da semente adquirida. Sementes velhas, mal conservadas ou com odor rançoso, geralmente apresentam baixo percentual de germinação.

Outro indício de baixo poder germinativo é a coloração opaca da película que envolve a semente.

O plantio do amendoim pode ser feito em linhas duplas?

Sim. Tradicionalmente, o amendoim é cultivado em linhas simples, mas o sistema em linhas duplas (70 cm x 20 cm x 20 cm) consiste numa configuração que reduz o espaçamento, proporciona maior competitividade de plantas daninhas e auxilia no controle fitossanitário e na colheita mecânica, pois facilita o tráfego de máquinas no interior da lavoura.

O que é amontoa?

A amontoa consiste em se colocar terra ao redor das plantas, entre 25 e 40 dias após a germinação, para evitar tombamento, o que geralmente coincide com a primeira capina. Os principais benefícios da amontoa são: • Controle de plantas daninhas na linha de semeadura.

• Manutenção da umidade em períodos de estresse hídrico.

• Facilidade na penetração dos ginóforos (esporões) no solo.

É recomendado cobrir as flores do amendoim com terra, quando elas estão surgindo?

Não. Essa prática pode impedir a fertilização e, posteriormente, a formação do fruto.

Nota: é importante não confundir essa prática com a amontoa, a qual evita tombamento da planta e auxilia na penetração do ginóforo no solo.

No caso do amendoim, quando se faz adubação biológica, é preciso usar outra fonte de nitrogênio (N)?

Geralmente, em alguns sistemas de cultivo, quando se inoculam estirpes de Bradyrhizobium ou simplesmente rizóbio, não se faz adubação química com nitrogênio no cultivo do amendoim.

Contudo, quando o pH não estiver na faixa adequada para fixação biológica (pH entre 5,9 e 6,3), recomenda-se aplicar entre 10 kg/ha e 16 kg/ha de nitrogênio.

É oportuno salientar, também, a importância do molibdênio

(Mo), que aumenta a eficiência da adubação biológica, razão pela qual se recomenda aplicar 100 g de molibdato de amônio para cada 100 kg a 120 kg de sementes inoculadas com rizóbio.

Como é feita a aplicação de Bradyrhizobium, na adubação biológica do amendoim?

Essa aplicação é feita da seguinte maneira: misturam-se 200 g do inoculante com 10 g de molibdato de amônio, para cada 10 kg a 12 kg de sementes. É importante atentar para as seguintes recomendações: • O inoculante deve estar fresco.

• A inoculação deve ser feita à tardinha, ou antes das 8 horas da manhã.

Nota: a mistura deve ficar em repouso por cerca de 30 minutos, antes do plantio.

Qual o período crítico de competição entre as plantas daninhas e o amendoinzeiro?

O amendoinzeiro é muito sensível à competição causada pelas plantas daninhas e pela alelopatia ou teletoxicidade (capacidade das plantas em produzir substâncias químicas que, uma vez liberadas no ambiente de outras, pode favorecer ou prejudicar seu desenvolvimento ou o das outras). O período crítico de competição nas plantas de hábito de crescimento ereto vai da emergência até os primeiros 40 dias.

Para as cultivares rasteiras, de ciclo mais longo, o período crítico pode ser estendido até mais de 70 dias da emergência das plantas.

Caso não se proceda ao controle nessa fase, as plantas daninhas podem reduzir significativamente a produtividade da cultura.

Como deve ser feito o controle mecânico de plantas daninhas na cultura do amendoim?

Pode ser feito manualmente, via tração animal ou com auxílio de trator. O controle manual – com enxada ou com outro equipamento semelhante – deve ser feito dentro do período crítico de competição da cultura com as plantas daninhas e com todo cuidado, no tocante à profundidade da operação, pois o amendoim tem as estruturas reprodutivas embaixo do solo, ou seja, os ginóforos (esporões) e as vagens.

Essas estruturas localizam-se nos primeiros 20 cm do solo, junto com as raízes, de modo que danos sérios podem afetar o desenvolvimento e o crescimento das plantas.

O controle com tração animal ou com auxílio de tratores – ambos com uso de cultivador – depende do espaçamento entre as fileiras do amendoim, para evitar pisoteio ou danos mecânicos. Espaçamentos entre 6 cm e 3 cm podem impedir a passagem das máquinas.

Usando-se um cultivador (com tração animal), faz-se o trabalho equivalente ao de 10 homens/dia, enquanto a capina com enxada requer o emprego de cerca de 15 dias/homem.

Como deve ser implantado o Manejo Integrado de Plantas Daninhas (MIPD) na cultura do amendoim?

O Manejo Integrado de Plantas Daninhas (MIPD) envolve o uso simultâneo de mais de dois métodos de controle ou de combate de plantas daninhas, de maneira harmônica e sincronizada. No caso do amendoim, devem ser usados pelo menos os seguintes manejos:

•Espaçamentos estreitos: 30 cm entre as fileiras com 5 a 6 plantas por metro linear.

•Populações acima de 250 mil plantas/ha, que exercem controle cultural e de custo muito baixo.

•Controle com algum herbicida ou misturas de herbicidas aplicados em condição de pré-emergência, para controle inicial das plantas daninhas.

•Com o espaçamento estreito, pode-se ter excelente nível de controle cultural das plantas daninhas na cultura do amendoim, desde que se adote uma cultivar recomendada para a região de plantio.

Outros métodos de controle de plantas daninhas também podem ser adotados, como cultivos mecânicos associados ao controle cultural ou ao controle biológico, por meio de aleloquímicos vegetais, desde que haja disponibilidade.

Quais aspectos devem ser considerados na adoção do controle de plantas daninhas com herbicidas?

O controle de plantas daninhas com herbicidas é um método de elevada eficiência e eficácia, desde que seja feito com racionalidade e conhecimento pleno dos produtos a serem usados. Na adoção desse tipo de controle, devem ser considerados: • Cultivar – Sensibilidade ao produto.

•Herbicida – Mecanismo de ação, propriedades físicoquímicas, seletividade, plantas daninhas controladas, etc.

•Ambiente – Especialmente o relacionado ao solo (teores de matéria orgânica, textura, capacidade de expansão e qualidade da argila) e ao clima (temperatura, umidade relativa do ar, precipitação pluvial, etc.).

•Métodos de aplicação – Tipos de bico, filtros, tipo e calibração de equipamento em condições operacionais de cultivo.

Quais os herbicidas mais indicados para a cultura do amendoim?

Existem vários herbicidas testados e aprovados para uso na cultura do amendoim que podem ser usados isoladamente ou combinados. Outros herbicidas que também podem ser usados são: • Bentazon.

• Metolachor.

• Oxadiazon.

• Benefin.

• Acifluorfen.

• Glyphosate.

Nota: cada um dos herbicidas (listados acima) apresenta sistema de aplicação e recomendações específicas.

(Parte 2 de 4)

Comentários